O Bobo, de Alexandre Herculano

O Bobo - Alexandre Herculano

Depois de ter deixado o Desafio Literário um pouco de lado, retorno com a leitura de novembro. Infelizmente não venho com boas notícias. Por quê? A leitura não foi muito boa. Aliás, foi bem ruim. Infelizmente.

Eu escolhi esse livro, em primeiro lugar, por se tratar do único exemplar de Literatura Portuguesa que ainda não tinha lido na minha estante. Em segundo lugar, por ser uma narrativa que remete ao período medieval, período histórico pelo qual nutro muita simpatia. Vamos ao livro.

Alexandre Herculano nasceu em 1810 e faleceu em 1877. Ficou conhecido por suas narrativas históricas. Lutou contra democratas e tornou-se defensor das ideias liberais conservadoras. Foi um romancista e historiador português do século XIX. Isso deveria ter me afastado da obra no momento em que a visse. Entretanto, como não sabia nada a respeito do autor ou da obra antes de iniciada a leitura, acabei saboreando o amargo das páginas do pequeno livro lançado primeiramente como folhetim em “Panorama” em 1843 e editado postumamente em volume, apenas em 1878. A leitura não foi fluida, pelo contrário. Foi monótona, truncada e confusa. A sensação que tive foi de que terminada a frase eu já não sabia mais o que havia lido. E não foi pelas palavras difíceis, porque já estou acostumada a elas, foi a composição mesmo.

Sinopse:

O autor situa a narração no ano de 1128, dias antes da batalha de S. Mamede que opôs o exército de D. Afonso Henriques ao da sua mãe D. Teresa. Assim podemos assistir às tramas medievais e à estratégia usadas por ambos os exércitos, assim como sabemos o porquê do ódio que D. Afonso Henriques nutre pelo conde Peres de Trava, amante da mãe.

Nisto tudo, um homem tem um papel fundamental, alguém que todos menosprezam, alguém que aparentemente nada valia: D. Bibas, o Bobo da corte.

Como eu disse anteriormente, a leitura foi confusa. Além disso, a monotonia não permitiu que me envolvesse com a obra, e na metade do livro a monotonia diminui e a confusão aumenta. Ponto negativo para o livro.

Herculano, por ser historiador e viver no século XIX, escreveu uma obra  com uma característica bastante comum à época: o forte nacionalismo. Essa característica comunga, inclusive, com as obras literárias publicadas no Brasil no mesmo período. O nacionalismo romântico busca de um passado quase mítico que legitime a formação dos Estados Nacionais, nesse sentido, uma obra que retrate a independência de Portugal do domínio Espanhol (lembre-se que na época eram reinos e não países constituídos como Estados Nacionais) infere um caráter heróico aos feitos da época.

Se quiser arriscar, cabe lembrar que a obra já entrou em domínio público e pode ser baixada na página do Domínio Público.

O Bobo
Alexandre Herculano
Editora Edições de Ouro
203 páginas
[xrr rating=1/5]
Compre o livro aqui

Este texto faz parte do projeto Desafio Literário 2010 proposto pelo blog Romance Gracinha e corresponde ao mês de Novembro, cujo objetivo é ler um livro de escritor(a) de Portugal.

Confira no blog do desafio as resenhas dos outros participantes para este mês.

E confira também os livros que li até agora para o desafio:

JaneiroQuincas Borba (Machado de Assis)

FevereiroAs Crônicas de Nárnia – Volúme Único (C. S. Lewis)

MarçoOrgulho e preconceito (Jane Austen)

AbrilConfesso Que Vivi (Pablo Neruda)

MaioMelancia (Marian Keyes)

JunhoDivã (Martha Medeiros)

JulhoPor Quem os Sinos Dobram (Ernest Hemingway)

Agosto: A Pedra da Lua (Wilkie Collins)

Setembro: Desafio incompleto

Outubro: Desafio incompleto

Desafio Literário 2011: lista de livros

Desafio Literário 2011E depois de muito matutar, aqui estão os livros que escolhi para cumprir a Agenda do Desafio 2011 (lembrando que sempre prezo pela leitura de livros que já tenho e ainda não pude ler, quando não possuo livros referentes ao tema corro para a estante do namorado, para biblioteca ou corro para a livraria mesmo):

Janeiro – Literatura Infanto-Juvenil

Para Janeiro escolhi Coraline, do Neil Gaiman como livro principal. Para os reservas optei por dois clássicos da Literatura Infanto-Juvenil brasileira que não li na “idade adequada” (entre aspas porque não acredito em idaqde certa para ler alguma coisa). O primeiro é Memórias da Emília e Peter Pan, do Monteiro Lobato e o segundo é Histórias do Mundo para Crianças, também do Lobato. Todos na minha estante esperando para serem lidos.

Fevereiro – Biografia e/ou Memórias

Minha estante não abriga muitas biografias e sem contar as que já li fiquei exatamente com três opções. A biografia escolhida como leitura principal foi Che Guevara: a vida em vermelho, escrita por Jorge G. Castñeda. Uma leitura de fôlego que comecei muitos anos atrás e não consegui continuar por motivos diversos.  O primeiro livro reserva é a Biografia do Miguel de Cervantes escrita pelo dramaturgo espanhol Fernando Arrabal: Um escravo chamado Cervantes. Um tanto romanceada e baseada em um controverso documento, a obra recebeu diversos elogios e eu estou bem curiosa para ler. O outro livro reserva é O que é isso, companheiro?, de Fernando Gabeira. Um livro que há muito figura na lista dos livros por ler. Minha edição é bem antiguinha e tem autógrafo e dedicatória do autor. Na verdade eu não o considerava biografia, mas como ele está nas dicas de leituras para o mês resolvi incluí-lo na minha lista, pois o gênero é realmente escasso na minha humilde estante.

Março – Romance épico

Para março escolhi os três primeiros livros da quadrilogia das Brumas de Avalon. Livro principal: As Brumas de Avalon: A Senhora da Magia. Primeiro Livro reserva: As Brumas de Avalon: A Grande Rainha. o segundo livro reserva: As Brumas de Avalon: O Gamo Rei. Se der tempo lerei também o quarto livro para terminar a saga. Tenho vontade de lê-los desde os tempos do colégio (bateu aquela nostalgia agora!). Eu ganhei todos eles do Juliano no ano passado.

Abril – Ficção científica

Ah, a ficção científica. Um dos meus gêneros preferidos. Minha seleção para esse mês deixou muita coisa de fora, mas eu supero. Optei por terminar a leitura da série O Guia do Mocileiro das Galáxias, de Douglas Adams. Li os dois primeiros no ano passado e fiquei esperando ganhar o restante, quando ganhei não pude lê-los e finalmente eles serão lidos, em seuquência. Livro pricipal: A Vida, o Universo e tudo mais. Livros reservas: Até mais, e obrigado pelos peixes! e Praticamente Inofensiva. Ganhei todos eles do Ju também.

Maio – Livro-reportagem

Mais uma dificuldade se apresenta. Na minha estante apenas um livro do gênero está abrigado. Os outros que li não eram meus, e o mesmo ocorrerá agora. Como livro principal escolhi o filho único: A Última Trincheira, de Fábio Pannunzio. Os reservas (que terei de pedir emprestado ou comprar) são: Esqueleto na Lagoa Verde: Ensaio sobre a vida e o sumiço do coronel Fawcet, de Antonio Callado; e O Segredo de Joe Gould, de Joseph Mitchell.

Junho – Peças teatrais

Adoro ler peças teatrais, é uma leitura ágil e diferente. Escolhi como obra principal Calabar, de Chico Buarque e Ruy Guerra. Como livros reservas: Gota D’água, de Chico Buarque e Paulo Pontes e As Relações Naturais: três comédias, um livro com três peças curtas (As Relações Naturais, Mateus e Mateusa e Eu sou vida, eu não sou morte) de Qorpo Santo, dramaturgo gaúcho. Todas herança do tempo em que fazia teatro, as comprei e acabaram ficando guardadas na estante junto com algumas outras, entre lidas e não lidas.

Julho – Novos autores

Esse foi o tema mais difícil, com certeza. Nada na estante, procurei pela editora e pelo Campeonato Gaúcho de Literatura. Escolhi como livro titular: Areia nos dentes, Antonio Xerxenesky (vou comprar). Os reservas: escolhi um do Gauchão, o Pó de Parede, de Carol Bensimon e depois escolhi o livro Elvis & Madona [uma novela lilás], do Luiz Biajoni.

Agosto – Clássico da literatura brasileira

Clássicos, sempre gosto de ler os clássicos. Para esse tema optei por  Olhai os Lírios do Campo, de Érico Veríssimo, como livro principal. Os livros reservas são: Morte e Vida Severina, de João Cabral de Melo Neto e Contos Gauchescos e Lendas do Sul, de Simões Lopes Neto. Há algum tempo aguardando pela leitura na minha estante.

Setembro – Autores regionais

Os autores regionais aqui do Sul são muitos, mas eu tenho minhas preferências. E no momento quero ler Saga, de Erico Veríssimi.  Já os livros reservas escolhi Todas as Histórias do Analista de Bagé, do Veríssimo filho e O Mestiço de São Borja, de Alcy Cheuiche. Os três livros estão na estante aguardando.

Outubro – Nobel de literatura

Apenas um dos livros escolhidos está na minha estante, portanto correrei para estantes alheias ou comprarei os outros dois. Os escolhidos foram: De Saga em Saga, de Selma Lagerlof, a primeira mulher a ganhar o Nobel de Literatura, em 1909 (livro principal); Longa Jornada Noite Adentro (Prêmio Pulitzer 1957), de Eugene O’Neill, que ganhou o Nobel em 1936 (primeiro reserva); e o único na minha estante é O Sol Também se Levanta, de Ernest Hmingway, ganhador do Nobel em 1954 (segundo reserva).

  • De Saga em Saga, Selma Lagerlof
  • Longa Jornada Noite Adentro, Eugene O’Neill
  • O Sol Também se Levanta, de Ernest Hmingway

Novembro – Contos

Para esse mês escolhi três livros de contos de ficção científica de uma coleção da Não-Editora: Ficção de Polpa. O livro principal: Ficção de Polpa volume 1. Os reservas: Ficção de Polpa volumes 2 e 3. Aguardo desde o iníciodo ano, quando os comprei, para lê-los.

  • Ficção de Polpa volume 1
  • Ficção de Polpa volume 2
  • Ficção de Polpa volume 3

Dezembro – Lançamentos do ano

Para encerrar o ano com “chave de ouro”, devemos ler aquele livro que “bombou” em 2011 em todos os meios de comunicação e redes sociais. Quais serão as surpresas do mercado editorial? Que tal a leitura daquele livro que ganhamos em datas comemorativas e não o lemos porque a pilha não parou de crescer? (A escolha dos livros para esse tema será feita ao longo de 2011. Por isso não há como incluí-los na lista. Sendo assim, a seleção dos livros de dezembro de 2011 será uma surpresa para todos).

Modestia à parte, adorei minha lista. Espero conseguir ler todos os reservas, mas não tenho certeza disso. O esforço será feito e o desafio está lançado!

Desafio Literário 2011

Desafio Literário 2011

O ano está na reta final, e a exemplo do ano passado já começo a programar as leituras para o ano que vem no Desafio Literário 2011. Isso mesmo, o Desafio Literário terá uma nova edição no próximo ano e com muitas novidades.

A primeira novidade consiste na equipe. A organização da nova edição contou com uma equipe para auxiliar a Vivi, que fez um ótimo trabalho em 2010, mas precisou de apoio, pois dá um trabalho tremendo organizar e verifificar tudo. E eis que para minha surpresa eu fui convidada para fazer parte do time ao lado dela e da Danizinha do Leitura do momento e da Lia do Quero morar em uma livraria. Fiquei muito, mas muito feliz mesmo. E super agradecida também. Muito obrigada Vivi.

Para o próximo ano teremos ainda um perfil no Twitter exclusivo para o Desafio, o @DL_2011 e um endereço de email: desafioliterario[arroba]gmail.com. Qualquer dúvida é só entrar em contato com a equipe.

Além disso, em 2011, você poderá escolher a quantidade de livros para ler a partir de uma cota mínima de leitura de 12 livros durante o ano. Para isso elaboramos as seguintes categorias:

Leitor Ouro: 24 livros
Leitor Prata: entre 12 e 24 livros
Leitor Bronze: 12 livros

Ao final do desafio, os participantes que obtiverem classificação em uma das categorias acima, concorrerão, mediante sorteio a um kit especial do Desafio Literário.

Premiação Leitor Ouro: um livro (lançamento do ano) + um pocket-book + marcador de livro
Premiação Leitor Prata: um livro + marcador de livro
Premiação Leitor Prata: um pocket-book + marcador de livro

Bacana, não é mesmo? Tudo isso para que mais e mais leitores topem o desafio de ler as temáticas propostas, que muitas vezes não fazem parte de suas rotinas literárias – talvez o aspecto mais interessante do desafio seja esse.

Para participar do desafio é fácil, basta seguir o regulamento e fazer a inscrição e pronto, se preparar para um 2011 super literário!

A lista de temas e agenda, dicas de leituras e outras informações podem ser obtidas no blog do Desafio Literário. Corre lá.

The end of an era, and the beginning of another

No último fim de semana finalizei o trabalho de conclusão de curso para obter o grau de licenciada em História na UFRGS. Pois bem, de agora até fevereiro de 2011, quando houver a cerimônia de colação de grau e finalmente ter obtido meu diploma de graduação, vivenciarei um período de transição, adaptação. Então, terei completado um ciclo que durou sete anos.

Sete anos desafios e escolhas. Sete anos, duas universidades, uma graduação e muitos amigos, aprendizados e experiências. Agora vivo a nostalgia. Todas as noites, antes de dormir, lembro dos momentos, bons e ruins, que vivi ao lado dos colegas e professores. Das provas, trabalhos, bolsas de pesquisa e estágios. Tudo isso fez parte da fase mais marcante da minha vida.

É o fim de uma era. Em fevereiro começa outra: com a procura por emprego, agora com o diploma (chega de estágio!), a vida adulta de verdade, sem a desculpa de ser estudante, novos desafios, novas escolhas, novos aprendizados, novas experiências.

Sobre o TCC, bom, finalizá-lo foi um alívio, uma alegria muito grande. Ver que eu produzi um trabalho sobre um assunto que gosto muito e que a partir dele muitos outros virão. Afinal esse é o primeiro de muitos, como diz meu orientador. Foi com muita satisfação e lágrimas nos olhos que apertei pela última vez (antes da revisão do orientador, é claro) o botão de salvar no Open Office.

Nessa noite terminei a revisão depois das correções do orientador. Agora é imprimir, mandar para banca e esperar até o dia 07 de dezembro, quando farei minha defesa.

Ficou o alívio, a saudade e um trabalho para a vida toda.

O TCC com as correções do orientador

Release: Maldosas, Editora Rocco

Hoje a publicação do blog é o release do novo lançamento da Editora Rocco, Maldosas de Sara Shepard:

O que você faria se alguém soubesse de seus segredos mais íntimos e ameaçasse revelá-los para todos? Alison DiLaurentis era a queen bee, a abelha rainha em torno da qual todas as outras garotas do sétimo ano gravitavam, especialmente aquelas que formavam seu círculo mais íntimo, suas melhores amigas para toda a vida: Spencer Hastings, perfeccionista e sempre competindo com a irmã mais velha, Melissa, e com a própria Ali; Emily Fields, uma nadadora certinha; Hanna Marin, gordinha e sofrendo com o divórcio dos pais; e Aria Montgomery, linda e deslocada. Quando Alison desaparece misteriosamente, toda a rica comunidade de Rosewood se dedica a encontrá-la. Mas a jovem nunca aparece e o grupo fica desolado, se afastando aos poucos.

Três anos depois, a vida das quatro sobreviventes é completamente diferente. De volta a Rosewood depois de um longo período vivendo na Islândia com seus pais, Aria é agora uma adolescente descolada, que se apaixona por um rapaz mais velho, seu professor de inglês, um relacionamento com potencial para criar todo tipo de problemas para os dois. Hanna emagreceu de modo perigoso e tornou-se a uma das meninas mais populares da exclusiva escola particular onde elas estudam, mas ainda é extremamente insegura quanto a seu corpo e leva uma vida de excessos. Spencer continua disputando a atenção dos pais com a irmã e cai de amores pelo namorado dela, em uma situação que não pode terminar bem. E Emily, nadando competitivamente em busca de uma bolsa de esportes para a universidade, desenvolve uma amizade muito especial com Maya, a menina que vai morar na antiga casa de Ali e começa a questionar os valores de sua conservadora família.

Entre dramas típicos da adolescência, as garotas começam a receber mensagens de texto e emails assinados por “A”. A misteriosa figura parece saber de segredos que apenas cada uma delas e Ali poderiam conhecer e a dúvida começa a atormentá-las. Estaria Ali viva ou alguém mais anda observando suas vidas com atenção? Será que uma estaria manipulando as outras ou são todas vítimas de uma pessoa disposta a se vingar? Sem conseguir reatar a antiga amizade, Aria, Hanna, Spencer e Emily ainda sofrem com problemas como crises familiares e de identidade, paixões não correspondidas e o medo de que um segredo mais terrível que todos os outros, a chamada “Coisa com Jenna”, ocorrida ainda no sétimo ano, venha à tona.

Maldosas é o primeiro título das oito histórias da série Pretty Little Liars que a Rocco publica. Sucesso de público e crítica, a trama foi adaptada com muito sucesso para a TV americana em 2010.

A AUTORA:

Sara Shepard cresceu na mesma Pensilvânia onde ambientou a série Pretty Little Liars, em uma comunidade bastante parecida com a fictícia Rosewood de suas histórias. Ela quis ser atriz de novelas, designer para a Lego, cineasta e geneticista, entre outras possíveis carreiras. Sara se graduou pelo Brooklyn College com um Master of Fine Arts e se dedica, juntamente com a irmã, a criar projetos artísticos e literários. Em 2009 ela publicou seu primeiro romance para adultos, The visibles, e, em janeiro de 2010, anunciou que sua próxima série, The Lying Game, terá como protagonistas duas gêmeas separadas aos nascer.

Maldosas

Título: Maldosas
Autor: Sara Shepard
Tradução: Fal Azevedo
Páginas: 296
ISBN: 978-85-7980-025-2
Código: 9788579800252
Formato: 13,7 x 20,7 cm
Preço: R$ 32,50
Lançamento: novembro 2010