Arquivo

abril 2011

Posts em abril 2011.

Mr. Postman #13

Bem vind@ ao Na Minha Caixa de Correio!

Esse é um meme criado pela Kristi, do The Story Siren, no qual mostrarei tudo o que recebi, comprei ou ganhei durante a semana.

A coluna Na Minha Caixa de Correio a partir de hoje passa a chamar Mr. Postman. Na semana passada eu pedi para que vocês respondessem nos comentários se eu deveria ou não trocar o nome da coluna, visto que mesmo amando Beatles eu não tinha pensado nesse nome antes… As comentaristas foram unânimes em dizer que deveria trocar, então está aí, o novo nome da coluna é Mr. Postman. A numeração seguirá a sequência anterior. Obrigada a todos os que comentaram, sem vocês esse blog não seria possível.


Link Direto

Muito obrigada:

Ana Íris@ana_iris
Juliano@cavalca

Doctor Who

A mais longa série de ficção científica, segundo o Guiness, produzida e exibida pela BBC, tornou-se um ícone da cultura britânica. Doctor Who conta a história de um viajante no tempo, um Time Lord, que nasceu no planeta Gallifrey e viaja pelo tempo e espaço com sua TARDIS, Time and Relative Dimensions in Space – uma nave/máquina do tempo que ao invés de ser construída é cultivada em seu planeta na forma de cabine policial dos anos 50 (a aparência externa é um dispositivo de disfarce) -, e uma companheira, uma garota da Terra que ele leva para conhecer novos mundos e descobrir o futuro e o passado.

O primeiro Doutor

A série original começou com um velhinho e sua neta perambulando com a TARDIS, chamado apenas Doutor. Ele era o último Lorde do Tempo e vivia em um ferro velho. Ele foi o primeiro Doutor, pois um Time Lord tem a capacidade de regeneração – conceito cunhado do terceiro para o quarto Doutor -, uma grande saída para a troca de atores no papel principal quando ele já não quer mais fazê-lo ou outro motivo que impeça a continuidade no papel. Sempre quando se encontra à beira da morte, o Doutor se regenera. Essa característica do Doutor vai além da mudança de aparência a cada regeneração, ele muda também sua maneira de falar, sua personalidade, seus trejeitos e a maneira como gosta de vestir-se. No entanto ele permanece o mesmo Doutor por dentro, inclusive os dois corações. Exibida de 23 de Novembro de 1963 à 6 de Dezembro de 1989 (com 25 minutos de duração), o Doutor regenerou seis vezes nesse período, ou seja, foram sete doutores diferentes. Sendo que o primeiro foi “atualizado” e o segundo mudou de aparência por uma punição.

Os 11 Doutores

A série foi suspensa até 1996, quando foi exibido um telefilme co-produzido pela FOX e pela BBC com a intenção de retornar com a série. Nesse telefilme o sétimo Doutor se regenera e uma nova aventura é apresentada. Um filme fraco, um Doutor e uma companheira pouco carismáticos, não foram o suficientes para o esperado retorno. O oitavo Doutor durou apenas 89 minutos. E foi o único Doutor que não teve sua regeneração exibida.

Doctor Who era significado de nostalgia para os muitos fãs que assistiam a série na infância. Uma série voltada para o público infantil, exibida aos sábados no final da tarde e reunia a família. Até que em 2005 Russel T. Davies inicia uma nova temporada da série, com o nono Doutor interpretado por Christopher Eccleston. Agora as crianças do passado assistem a retomada de Doctor Who com suas crianças, pois a série mantém a característica de ser familiar, mas sem censurar temas importantes e polêmicos como a morte ou a guerra.

Essa retomada de Doctor Who já tem cinco temporadas e amanhã, dia 23 de Abril, estréia a sexta temporada. Já tivemos três novos Doutores, ou seja, o Doutor atual é o 11º, interpretado por Matt Smith. Desta vez produzida no País de Gales pela BBC, Doctor Who ganhou seus spin-offs (Torchwood e The Sarah Jane Adventures), HQs, livros, etc… O sucesso da retomada da cultuada série é inegável e novos fãs surgem a cada episódio. Eu sou uma dessas pessoas que conheceu Doctor Who através da retomada e me apaixonei intensamente pelos Doutores, pelas companheiras, pelos vilões. Cada episódio é uma nova aventura e uma vontade de embarcar na TARDIS ao lado do Doutor.

Eu comecei a assistir pela quinta temporada, que é quase reboot, pois muda o showrunner – Steven Moffat, o responsável pelos melhores episódios das temporadas anteriores -, o Doutor, todo o elenco, a equipe de produção e até um logotipo diferente. Apaixonei-me perdidamente pelo Matt Smith (que é o meu primeiro Doutor), por Amy Pond, Rory, enfim, pela temporada completa. Chorei tantas vezes em tantos episódios, senti medo dos Weeping Angels. A partir daí resolvi assistir as outras quatro temporadas da série e rever a quinta na ordem. Uma preparação para a sexta temporada. E assistir a série original é um desafio que pretendo enfrentar assim que possível.

Na minha caixa de correio #12

Bem vind@ ao Na Minha Caixa de Correio!

Esse é um meme criado pela Kristi, do The Story Siren, no qual mostrarei tudo o que recebi, comprei ou ganhei durante a semana.

ESPECIAL BUENOS AIRES – ÚLTIMA PARTE!!!

Senhoras e Senhores, é com imenso prazer que venho apresentar a última parte do espacial Buenos Aires. Demorou, mas saiu. Na verdade os quatro vídeos foram gravados todos no mesmo dia, no entanto, devido a problemas técnicos, intenso recebimento de livros em singulares semanas, vi-me obrigada a adiar a postagem do derradeiro e especial final da saga de todas as comras que realizei na maravilhosa cidade portenha. Espero que seja do agrado de todos, pois é realmente especial para mim os livros que mostro. Assista, comenta e faça uma blogueira feliz.


Link Direto

E gostaria de aproveitar para perguntar o que vocês acham de mudar o nome dacoluna para Mr. Postman? Uma apaixonada por Beatles como sou, não tinha pensado nisso antes e foi preciso ver no blog da querida Juliana Poggi, o Caraminholas de JP, para pensar em fazer o mesmo. Deixe sua opnião nos comentários.

<p style=”text-align: justify;”><a rel=”attachment wp-att-4071″ href=”http://trecosetrapos.org/weblog/2011/02/27/na-minha-caixa-de-correio-7/imgmsa/”><img class=”alignleft size-full wp-image-4071″ title=”Na minha caixa de correio” src=”http://trecosetrapos.org/weblog/wp-content/uploads/2011/02/imgmsa.jpg” alt=”” width=”90″ height=”90″ /></a>Bem vind@ ao Na Minha Caixa de Correio!</p> 

<blockquote>
<p style=”text-align: justify;”>Esse é um meme criado pela Kristi, do <a href=”http://www.thestorysiren.com/”>The Story Siren</a>, no qual mostrarei tudo o que recebi, comprei ou ganhei durante a semana.</p>
</blockquote>
<p style=”text-align: justify;”>

Links Love #3

Cinemas abandonados

1. Eu adoro a série Fringe, uma das poucas séries atuais que dedico meu escasso tempo. E essa semana li Fringe e a Psicologia Analítica da Camila Picheth lá no Ligado em Série. Um ótimo texto para quem gosta da série e adora ir além da diversão.

2. No Box de Séries tem as 5 Piores ressacas das Séries de TV. Uma lista muito bacana.

3. A maquiadora Lisa Eldridge está contando um pouco da história da maquiagem em seu canal no Youtube e no seu site também.

4. No blog Garotas Nerds as gurias apresentam as ilustrações do dinamarquês Mads Peitersen, mostrando com criatividade a anatomia de alguns aparelhos usados por nós, nerds.

5. No Olha Só, de Ricardo Calil, tem um post sobre fotografias de 75 cinemas de rua abandonados nos Estados Unidos.

O Restaurante no Fim do Universo, de Douglas Adams

O Restaurante no Fim do Universo

No segundo volume da trilogia de quatro livros que na verdade são cinco, O Restaurante no Fim do Universo*, Douglas Adams narra a continuação da aventura de Arthur Dent e seus quatro amigos (se é que ele pode considerar o robô maníaco-depressivo Marvin como um amigo). Eles estão em busca de um lugar para comer, afinal de contas aventuras deixam todo mundo com fome.

Mas o que seria apenas uma refeição tranquila acaba por transforma-se em mais uma aventura incrível. E Arthur, que já descobrira coisas incríveis e bastante tristes sobre sua existência, terá outras surpresas no seu caminho. E tudo começa com uma xícara de chá.

Uma xícara de chá bem feita requer muito conhecimento, pelo menos assim pensam o computador e a Sintetizadora Nutrimática de Bebidas. O desejo de Arthur por uma boa xícara de chá faz com que todos os sistemas da nave parem para que a Nutrimática e o computador possam realizá-lo. Porém, essa decisão ocorre ao mesmo tempo em que a nave Coração de Ouro sendo bombardeados por uma dúzia de Canhões Fotrazônicos Megadeath de 30 Destructions de uma nave Vogon. Como saída para esse desastre, Zhapod chama seu bisavô morto para ajudá-los. Ele os ajuda, mas o resultado é uma viagem no tempo até o dia em que o universo acabará. Felizmente eles chegam ao Restaurante no Fim do Universo.

O Restaurante do Fim do Universo é um dos acontecimentos mais extraordinários em toda a história do abastecimento. É construído a partir dos restos fragmentários de um planeta ocasionalmente destruído que é (seraria tendo a ser) fechado numa vasta bolha de tempo e projetado adiante no tempo até o momento preciso do Fim do Universo.

Além de comerem um ser bovino que se oferece como jantar (exceto por Arthur, que prefere comer vegetais que não escolheram estar em seu prato, segundo a vaca com quem conversava), eles foram atração principal no show da banda mais barulhenta de toda a Galáxia, a Disaster Area.

O grupo divide-se mais uma vez. Zaphod e Trillian procuram pelo homem que rege o Universo e Arthur e Ford, bem eles caem em uma nave Arca B, que carrega um terço de uma raça, justamente o terço inútil, para colonizar outro planeta.

Continue lendo →

Na minha caixa de correio #11

Bem vind@ ao Na Minha Caixa de Correio!

Esse é um meme criado pela Kristi, do The Story Siren, no qual mostrarei tudo o que recebi, comprei ou ganhei durante a semana.

E está no ar a décima primeira edição do Na minha caixa de correio! Peço desculpas pelo adiantado da hora, mas tive alguns problemas com a velocidade da conexão. Sejam bem vindos, espero que gostem. Assista, comente.


Link Direto

1. Preconceito Linguístico, de Marcos Bagno
2. Origens da Linguagem, de Bruna Franchetto e Yonnr Leite
3. Pollyana, de Eleanor H. Porter
4. Pollyana moça, de Eleanor H. Porter
5. A balada de Lucy Whipple, de Karen Cushman
6. O Caçador de Pipas, de Khaled Hosseini
7. O Hobbit, de J. R. R. Tolkien

Links Love #2

Stanley Kubrick

1. O jornal britânico The Independent, na coluna Arts & Entertainment, traz uma lista com as piores mães da ficção. É de refletir se as nossas são assim tão ruins quanto imaginamos.

2. No Suplemento Pernambuco Antônio Xerxenesky traz um belíssimo texto que é quase libelo: Pelo Luxo de uma Literatura do tipo “menor”.

3. Quem se lembra de Confissões de Adolescente? Quem leu o livro? Viu a série? Eu posso responder sim para as três perguntas (não vi a peça, uma pena) e por isso achei muito bacana o texto do Yellow para o Suplemento Pernambuco: Maria Mariana seria popular no Facebook? Uma ótima análise do fenômeno de 20 anos atrás.

4. No Braimstorm 9, o Saulo escreve sobre a importância do banheiro nos filmes de Stanley Kubrick. Para quem, como eu, gosta do cineasta é um prato cheio.

5. E a Izze comentou lá no blog do Meia Palavra sobre o trajeto que ela faz de trem de São Leopoldo até Porto Alegre. Quantas vezes faço e continuarei fazendo esse trajeto!