Archive

September 2011

Posts on September 2011.

Todas as Histórias do Analista de Bagé

Todas as Histórias do Analista de BagéO Analista de Bagé é um psicanalista que criou a terapia do joelhaço e faz muito sucesso com seus tratamentos nada convencionais. Ele é também um dos personagens mais famosos de Luis Fernando Veríssimo. Nesse pequeno livro estão reunidas as histórias do analista e por serem leves, divertidas, engraçadas e curtas, é super rápido de ler. Uma ou duas viagens de trem.

São pequenos contos reunidos e talvez por isso algumas coisas se repitam demais, do meu ponto de vista. Em quase todas eles temos uma descrição de como é o divã do analista, de como é sua relação com a secretária e de como ele criou a terapia do joelhaço. Mas isso não chega a incomodar muito, afinal a leitura é tão rápida que pode até passar despercebido.

O que mais me incomodou, na realidade, foi algumas das tiradas do gaudério. Algumas passagens tem um tom marcadamente machista ou homofóbico. Eu quero crer que eu é que não peguei o tom da piada ou o grau de ironia. Afinal a leitura foi realmente muito rápida. Nem todas as piadas sobre mulher são machistas, mas algumas me pareceram, e muito. Um pouco do que constitui a personalidade e a cultura do gaúcho é machista, mas por favor, não estou generalizando! Continue reading →

Posted by

Minha primeira vez na terra da garoa

São Paulo

Então que duas semana atrás eu fiz minha primeira viagem para São Paulo, capital. Sair de Porto Alegre em direção ao centro do país pode ser rotina para muitos, mas para mim não. Antes eu tinha visitado apenas Campinas, e mais abaixo no mapa (ou acima, dependendo da posição do seu mapa) Curitiba. E eu que nunca tinha demonstrado interesse em visitar a maior cidade do país, pois eu tenho certa fobia de gente – multidões, para ser específica – voltei de lá com a certeza de que é destino certo para muitas outras viagens.

O passeio foi corrido, apenas três dias, mas, apesar do banho de chuva e da gripe decorrente, pude visitar muitos lugares bacanas. Então eu resolvi partilhar a experiência contando os passeios mais legais que fiz e os lugares que mais gostei de visitar.

Choperia na Liberdade: Logo na primeira noite eu o Ju fomos guiados por um amigo e paramos na Liberdade em plena terça à noite para comer comida japonesa e cantar no Karaokê. O lugar tem um clima super interesante e uma decoração super over japa neon, mas adorável. Eu não consegui me soltar muito e cantei duas músicas quase me escondendo no palco. Já o Sr. Cavalca arrasou no microfone e foi elogiado até pelo cantor alfa do lugar. Me diverti vendo os outros cantar e até senti um pouco por não termos Karaokês por aqui. Se alguém de Porto Alegre, São Leopoldo ou região souber de algum, avise que eu e o Cavalca estamos dispostos a conhecer.

MASP: esse era um dos destinos mais cobiçados. Fiz questão de visitar esse museu e incluí no roteiro na mesma hora que fui comunicada da viagem. E que acervo, uma das vantagens de visitar um museu da cidade mais rica do país é poder ver Renoir, Picasso, Monet e outros tantos artistas magníficos. Mas o melhor de tudo mesmo foi poder ver pela primeira vez, de pertinho, um Van Gogh, aliás um não, quatro! Quatro de uma única vez. In-crí-vel! É impossível descrever a emoção de ver uma pintura ao vivo de uma dos maiores artistas e um dos meus favoritos, quase certo que é o favorito. Depois ainda tinham outras exposições bacanas e uma de street art fantástica com instalações maravilhosas que eu simplesmente adorei.

Museu da Língua Portuguesa: outro destino certo. Mas infelizmente, tanto o Museu da Língua Portuguesa enquanto a Pinacoteca estavam entre exposições. No Museu da Língua Portuguesa visitamos então a exposição de longa duração que é super bacana, mas o mais legal mesmo foi o filme e a sala interativa com o sarau eletrônico, um espetáculo de luz e som onde trechos de poemas são projetados nas paredes e no teto e recitados por grandes vozes da dramaturgia brasileira. Um barato mesmo.

Além desses três lugares especiais eu também visitei a Pinacoteca que tinha pouquíssima coisa em exposição, a 25 de março (que eu não achei tudo o que falam, talvez por estar morrendo de gripe no dia ou porque em Porto Alegre tem uma rua muito parecida, apesar de bem menor), a Santa Ifigênia, onde comprei meu HD externo, a Livraria Cultura (enorme) lá no Conjunto Nacional, o Mercado Municipal, o Rocket’s e alguns passeios pela Paulista acompanhados sempre do maravilhoso suco de laranja que o cavalca tanto gostou e de um pavê de uma padaria escondidinha numa esquina da Augusta. E o metrô foi uma atração à parte. Eu e o Cavalca temos uma simpatia muito grande por essa maravilha do mundo moderno e de cidades evoluídas que ainda não chegou em Porto Alegre.

Além disso,  tenho só que agradecer ao Guga o guia que nos levou a já citada Chopperia na Liberdade, e ter topado um ir ao cinema na quinta, juntamente com o Diego Maia, ambos amigos do fórum Cinema Sem Cena que o Cavalca participa, e ao Vidoni que também foi guia, nos levou ao Mercado Municipal e nos aturou na 25 de março e na Santa Ifigênia na busca pelo meu HD, além de nos apresentar ao pavê delicioso que eu já comentei.

Faltou visitar muitos lugares, claro. Não deu tempo de conhecer mais de uma cidade tão grande. Aliás, essa foi a primeira impressão, tudo é muito grande por lá. Me senti tão pequenininha – mais do que já sou. E o pior foi a chegada, deu um pavor descer no meio da cidade, em Congonhas, com todos aqueles prédios e a sensação de que a qualquer momento bateríamos em um deles. O passeio foi curto, proveitoso, mas um retorno só pelo aeroporto de Guarulhos, certamente.

Posted by

Doctor Who 06×09: Night Terrors

Doctor Who - Night Terrors

Monstros são reais! E, às vezes, quando o chamado por ajuda é forte o bastante, o querido doutor faz um atendimento domiciliar. Nessa história de Mark Gatiss temos a volta, depois de muito tempo (creio que desde “The Curse of the Black Spot“) uma história sem qualquer ligação com a mitologia da temporada – who is River Song? – (será?).

Ouvi por aí que muita gente não gostou do episódio. Eu gostei, já estava com saudade das histórias isoladas do Doutor e seus companions. Achei a sinopse muito interessante e o episódio me lembrou o da segunda temporada “Fear Her“, em que o 10º Doutor também vai ajudar uma criança e acaba encontrando um alienígena perdido e em busca de um lar – no caso do episódio que se passa as vésperas da abertura das Olimpíadas de 2012, o alienígena “possuiu” a criança, e em “Night Terrors” ele era a criança. Mas acredito que o episódio mais bem sucedido no que diz respeito a criança que projeta seus medos foi mesmo “Night Terrors” – apesar da inesquecível cena de David Tennant correndo com a tocha olímpica na abertura das Olimpíadas…

No nono episódio da sexta temporada o Doutor recebe oum chamado por ajuda,  no seu papel psíquico, do pequeno George. E ele vem à Terra à procura do que poderia estar assustando tanto um menino de oito anos de idade. Ele tem medo de tudo. Sombras se tornam objetos assustadores, sons, formas e vizinhos fazem o garoto tremer e se esconder embaixo do cobertor. Acredite, aos olhos de uma criança tudo pode ser assustador (eu mesma tinha medo de tudo e hoje ainda tenho alguns medos infantis). E o lugar mais assustador do mundo é seu próprio quarto.

Os medos das crianças são poderosos, mas se a criança em questão não é deste planeta, os medos podem se transformar em um risco para todos ao seu redor. Esta é a idéia central por trás do episódio. Uma clássica história de terror que têm tudo que precisa para o expectador: suspense, aquela sensação de apreensão com cada movimento dos personagens, com cada porta aberta ou com o que tem do outro lado da parede.  O episódio foi assustador (talvez não tanto quanto os figurados pelos terríveis Weeping Angels) e os tais monstros são do tipo que botam medo mesmo. Imagine bonecas assustadoras andando por aí querendo brincar contigo e te transformando em bonecas também. Manifestações dos medos de George. Todos os medos dele ganhavam manifestações dentro do armário.

A história é bem simples, mas o clima certo fez com que o episódio fosse realmente muito interessante. A ideia de por os monstros dentro do armário foi simples mas genial, pois esse é o universo infantil. E mais uma vez a química de Amy e Rory renderam momentos maravilhosos. O medo deles era o meu medo a cada topada com as assustadoras bonecas. Eles formam um time e juntos possuem um ótimo tempo para comédia. E Matt Smith é maravilhoso, sempre, mas quando o Doutor está lidando com humanos ele é ainda mais fantástico. O episódio foi muito bom, com tudo na medida certa: humor, medo, atuações e história. Claro que não está no nível dos episódios do Moffat, mas seria exigir demais de um pobre mortal.

Posted by

Mr. Postman #24

Bem vind@ ao Mr. Postman!

Esse é um meme criado pela Kristi, do The Story Siren, no qual mostrarei tudo o que recebi, comprei ou ganhei durante a semana.

Olá, mais um vídeo no ar mesmo com a promessa de tentar uma reabilitação. Faz um tempinho que não posto vídeo, mas as compras não pararam… Tentei não fazer um vídeo muito longo, espero que aprecie. E não esqueça de deixar o seu comentário.


Link Direto

Posted by

Links Love #11

Tolkien

1. A Mari e a Núbia começaram no blog Blá blá blá alatório a coluna Um Autor de Quinta e começaram super bem, com o mestre Tolkien!

2. Para quem vive perdido na rede ou para aqueles que gostam de saber os lugares mais quentes, uma lista com os 100 links para clicar antes de morrer que  a Revista Bula elaborou. Achei super bacana.

3. Sabe aquele Flickr lindo, que você adora olhar as fotos para admirar e se inspirar. Pois é, a Melina Souza tem um flickr assim, cheio de fotos lindas e eu acompanho faz tempo, mas o blog entrou recentemente no meu Google Reader. E ela postou um texto super bacana com dicas para nossas fotografias ficarem um arraso.

4. Eu adorei essa receita de pimentão recheado com arroz cremoso que a cami publicou no blog na minha panela.

5. E cinco dicas para se manter inspirada!

Posted by