Coisa de Louco, de John O’Farrell

Coisa de LoucoCoisa de Louco do escritor  britânico John O’Farrell tem uma premissa muito interessante: pais desesperados que fazem tudo por seus filhos. TU-DO. Escolhi ler esse livro para o Desafio Literário no tema comédia, porque as indicações da contracapa diziam que o livro é hilário. Infelizmente não foi bem essa a impressão que tive da obra.

Infelizmente a parte inicial da narrativa é bem monótona. Vale a leitura, é claro, principalmente por umas sacadas muito boas e em especial pelos três últimos capítulos que são realmente interessantes e fazem o livro todo valer a pena de ser lido – mesmo que a classificação de livro de humor não seja verdadeira, pelo menos no meu caso, que não achei o livro tão engraçado a ponto de dar gargalhadas, apenas alguns sorrisos em trechos esparsos. Eu gostei das personagens, achei a ideia maluca de assumir o lugar da filha para fazer uma prova sensacional, mas graça que é bom veio em doses homeopáticas.

O bacana do livro são as questões sociais que ele levanta: o comportamento de pais super protetores, a classe média se fechando cada vez mais em prisões particulares em casa, na escola, no carro blindado, a diferença gritante entre aqueles que podem pagar pelo seu bem estar e proteção e aqueles que vivem à margem desse mundo, sujeitos a violência, poucas chances de mudar de vida, etc. Mas uma das coisas mais interessantes e que me fez refletir foi a opção final dessa mãe surtada. Não vou contar para não dar spoilers, mas fiquei muito feliz com a imagem de escola pública que o autor descreve e principalmente com a reflexão sobre os motivos de se frequentar a escola, foram impecáveis.

Para ter uma ideia, demorei dois meses para terminá-lo, pois a cada capítulo lido eu ficava pelo menos uma semana sem tocar no livro simplesmente porque ele não me atraía. Já os três últimos capítulos me prenderam tanto que nem dei bola para o mundo acontecendo ao meu redor. E eu fiquei bem feliz com o final. Várias vezes durante a leitura fiquei me perguntando como poderia terminar um livro em que a mãe é capaz de se travestir de criança para fazer um exame de admissão no lugar da filha. Felizmente o final não decepciona, e apesar de não acontecer o mais esperado (o que seria também um desapontamento), o que acontece deixa uma sensação de acalento, um afago leve no leitor.

Coisa de Louco (May Contain Nuts)
John O’Farrell
Editora Record
382 páginas
Goodreads | Skoob
[xrr rating=3/5]

trecos & trapos, o retorno

notebookJá perdi as contas de quantas vezes escrevi um texto (de tudo quanto é tamanho) para anunciar o retorno do blog. Esse é mais um deles. Tomara que seja o último, que nunca mais uma fase atribulada tome conta da minha vida e me deixe afastada do blog e de todas as outras atividades internéticas.

Desde o final do ano passado até junho deste ano eu estive envolvida em mais uma monografia. Estava encerrando essa etapa da vida e me acostumando com a vida adulta que tardou em chegar, mas quando veio apareceu com tudo o que tem direito: casa nova, emprego full time, pós graduação, enfrentando problemas de saúde, mudança de ares, de endereço, de tudo. Agora estou mais calma, enfrentando um leão por dia na escola, em casa e na cabeça.

Quem disse que seria fácil? Não está sendo, não mesmo. Estou completamente diferente, vivendo e sentindo coisas diferentes a cada dia. Acostumar com elas não é moleza, mas o desafio é instigante. A cada vitória uma alegria, a cada derrota litros de lágrimas e um empurrão nada sutil para vencer na próxima. Tem dias que bate aquela saudade da adolescência, principalmente porque vejo todos os dias os sabores e dissabores dessa etapa da vida. Tem dias que penso em largar tudo e voltar correndo para a barra da saia da mãe. Tem dias que quero ficar quietinha no meu canto e outros que quero gritar para o mundo o que estou sentindo. Tem ainda aqueles dias que sequer sei o que estou sentindo. Cheia de incertezas, cheia de dúvidas, cheia de contas para pagar. Ah esses vinte e poucos anos que estão indo embora.

E assim como tudo na minha vida, o blog também foi alvo de reflexão e reformulação. Pretendo mantê-lo atualizado, com tudo que vier na minha cabeça. Filmes, livros e série sempre terão seu lugar garantido nas postagens, mas eu também quero falar sobre outros assuntos, sobre aquilo que me faz feliz, que me faz refletir, que me faz mudar. enfim, meus temas de interesse sempre terão lugar garantido. Afinal, esse é e sempre foi um blog pessoal. Não tenho pretensões financeiras ou profissionais como ele. Quero apenas escrever o que penso sobre o que gosto (e o que não gosto também). Quero apenas compartilhar, incentivar o debate, refletir e me divertir.