sem um bom tí­tulo para a ocasião.

No último dia quatro de julho muitas pessoas comemoraram o famoso independence day estadunidense, outras tantas comemoraram aniversários de namoro, de casamento, comemoraram suas notas nas provas finais, sorriram para aquele que dali a alguns dias se tornaria o companheiro para o resto da vida. Eu não, eu estava de luto. Sim. Seria aniversário do meu pai se ele não tivesse sido morto sete anos atrás. Esse dia será sempre marcado como o dia em que não posso lhe dar um abraço e desejar muitos anos de vida como normalmente se faz em datas deste tipo. Em todos os cantos do mundo tem alguém feliz por esse dia, mas assim como eu, tem mais outras tantas pessoas tristes por esse ou por outros motivos. Isso poderia servir de consolo, mas não é. Primeiro porque seria egoísmo de minha parte ser consolada com o sofrimento dos outros. Segundo, porque compartilho a dor destas pessoas. Não quero que as pessoas fiquem pensando coisas do tipo “coitadinha daquela menina” e também não quero inspirar pena, só quero desabafar esse sentimento que me persegue ano após ano. Só quero um lar no meio da ventania.

momentos de reflexão

Nosso rio, lago, imagem presente no coração de todos os portoalegrenses... e grande portoalegrenses!

Guaibão…. Lá no horizonte a esperança! Não, não é Guaíba, a cidade. Mas quando sento em frente ao guaibão e olho para o horizonte vejo a esperança surgir em frente aos meus olhos, me perco em pensamentos e deixo fluir os sentimentos. É isso que quero fazer agora. Não estou lá, mas vendo esta foto penso que ontem não foi o dia do Grêmio, mas ao mesmo tempo foi a prova de que é um time de alma, imortal, de raça. Saiu da segunda divisão em 2005 com um jogo histórico e cinematográfico e foi direto para a final da Libertadores. Se isso não é um feito, não sei o que pode ser… Fico um pouco chateada pela atitude dos amigos colorados, pois quem não tem um time a altura do Grêmio precisa torcer para o time dos outros (o Boca Juniors). A esperança se reporta então para o Brasileirão, para o ano que vem, para o GreNal de domingo!

borboletas

As borboletas do meu estômago estão voando serelepes lá dentro, de um lado para outro, felizes, me deixando em estado de nervos. Não tenho conseguido dormir direito, tensiono todas as partes do meu corpo. E sei porque. A cabeça está cheia. Cheia de pensamentos, cheia de idéias, cheia de vontades e desejos. Cheia de lembranças e possibilidades…