Eu sou uma freshie meat!

Então eu comecei a praticar Roller Derby! No dia 30 de abril eu entrei oficialmente para as Wheels of Fire Roller Derby Club e comecei a treinar nessa mesma semana. Na verdade meu primeiro treino foi três dias antes de entrar oficialmente para a liga. Desde o recrutamento eu tenho ido assistir aos treinos regularmente e no último treino antes de mandar a documentação preenchida alguém  que não pode ir no recrutamento oficial iria ser recrutada e a treinadora levou equipamento para essa menina ter sua primeira experiência com os patins (assim como eu tive no dia do recrutamento), então aquele patins ficou dando sopa. E por acaso ele era do meu tamanho. Então eu fiz o meu primeiro treino naquele dia.

Os meus patins chegaram um dia depois, o que me permitiu começar realmente a treinar. Então eu tratei de preencher a ficha e o termo de compromisso com a liga. Depois de enviado, recebi a confirmação no domingo, dia 30 de abril e então eu sou oficialmente uma freshie meat nas Wheels <3

Sobre meu primeiro treino? Um desastre. Sabe aquela sensação de “pra que fui inventar isso?” Pois é. Eu mal consigo ficar em pé em cima dos patins. Aliás, tenho assistido muitos vídeos sobre como aprender a patinar, dicas para patinadores iniciantes e tal e já notei uma melhora significativa do primeiro treino para o segundo e para o terceiro. Já fico em pé sem ajuda, mas andar ainda está sendo um pouco complicado… Mas preciso ter determinação e não desistir. Afinal, investi muito nisso e estou realizando um sonho. Não vai ser na primeira dificuldade que vou desistir.

Ilustração linda de Derby Girls, e eu sou claramente a menina do meio :p (Achei no Pinterest, mas não tinha referência. Se alguém souber de quem é, por favor me avisa)

Sobre fazer 33 anos

Cheguei aos 33. Posso dizer que durante muito tempo nem imaginei como seria ter 30 anos. E não é que já estou nos 33. E estou muito feliz com isso. Não estou dizendo que foi ou está sendo fácil. Muito pelo contrário. Passei por momentos, presenciei acontecimentos e lidei com situações que nem sempre foram fáceis. Mas não poderia estar mais agradecida. A jornada foi tão desafiadora e tive tantos aprendizados com ela que hoje posso dizer que essa é a melhor idade. Estou feliz, mesmo com (ou apesar de) todos os percalços do passado e do presente. Acho que essa é minha melhor idade. Tudo o que eu sou hoje eu devo ao caminho que percorri e ele foi lindo.

A vida é como todas as outras, cheia de problemas. A diferença? Me sinto muito mais preparada para lidar com eles. Estou no caminho para me encontrar, em uma jornada de auto conhecimento. A quantidade de coisas que vivi – e as que deixei de viver também – me  fizeram ser quem eu sou hoje. E nesse caminho de descobrir uma força que nunca imaginei ter, ser capaz de coisas que sempre ficaram no campo das ideias, de realizar sonhos, valorizar a vida e me aceitar, me amar, sinto que vou chegar lá. Vou me descobrir, me aceitar, me amar por completo. Estou, de verdade, na minha melhor fase. E daqui 10 anos será ainda melhor, daqui 20, 30, 40. Essa jornada é sobre crescimento e autoaceitação. E a cada ano que passa me sinto melhor, mais feliz.

E eu ganhei festa surpresa dos alunos do 7A à tarde e da T2A, à noite 🙂 Tem como não ficar feliz?

Wishlist de aniversário

Meu aniversário está quase chegando. E como muitas pessoas, eu tenho uma pequena lista de desejos que eu tento realizar de pouquinho em pouquinho nos meus aniversários. Esses desejos são coisas materiais que não posso simplesmente sair e comprar, mas porque não me presentear em uma data tão especial quanto meu aniversário 🙂

Patins Riedell R3 Derby

Canon G7x Mark II

Coleção Sandman Completo (4 volumes)

E você, também tem uma lista de coisas que você quer e não é tão fácil assim comprar?

Resumo da semana (01-08/04)

Ô semaninha corrida. Resolver BEDA+VEDA foi uma ideia ótima, mas está dando um trabalho que só. Trabalhando muito, a rotina está aí todo dia pra cobrar a conta do cansaço toda noite. Acabei esquecendo de registrar os momentos bacanas, então só vou fazer uma lista do que teve de bacana (o que a memória permitir, é claro).

  • Almoço com uma amiga querida.
  • A melhor coisa de todas, que foi ter participado do recrutamento das Whells of Fire Roller Derby Club.
  • Assisti a um treino das Whells.
  • Fiquei com a minha mãe no final de semana e colocamos o papo em dia.
  • Gravei muitos vídeos e editei feito louca todos os dias.
  • Trabalhei muito, é claro.

E teve vídeo todo dia no canal:

dias de preguiça

Tem dias que a preguiça bate forte mesmo. E com ela vem a culpa. Uma voz interior dizendo que eu estou procrastinando, deixando de lado as coisas importantes, não realizando as tarefas que preciso, deixando de fazer o que é importante e etc. E hoje foi um desses dias. Cada segundo foi regado a pouca vontade de sair do lugar e muita culpa por não estar me dedicando tanto quanto devo ao BEDA e ao VEDA. E muito menos às atividades do dia a dia que exigem um mínimo de comprometimento.

Como lidar com isso? Como lidar com a preguiça? Com a falta de inspiração? Com a culpa? Eu não tenho respostas, e talvez eu demore muito para descobri-las. Tudo o que eu sei é que esses dias acontecem. E muitas vezes mais do que posso suportar. Então, hoje o post é um desabafo. Além da falta de tempo e de todas as coisas que eu já falei em outro momento, a preguiça também pode ser um “dificultador” (nem sei se essa palavra existe) para a realização do BEDA + VEDA. Mas eu não vou desistir! Ah, isso não.