Como não escrever personagens femininas

A Deliciosa e Sangrenta Aventura Latina de Jane SpitfireA Deliciosa e Sangrenta Aventura Latina de Jane Spitfire by Augusto Boal
My rating: 2 of 5 stars

A sátira de Augusto Boal tem altos e baixos. A narrativa é construída em torno da espiã Jane Spitfire, a melhor espiã de todos os tempos, a mais linda, a mais inteligente, a mais habilidosa, a mais tudo e qualquer coisa. Infelizmente, apesar da protagonista feminina, Boal falha com a representação feminina em seu primeiro e único romance policial.

Jane é uma personificação do imperialismo estadunidense e, portanto, sua trajetória é justamente implementar as vontades de sua pátria em um pequeno país fictício da América Latina. Como ponto positivo, a narrativa constrói situações e descrições muito condizentes com a realidade brasileira e de seus países vizinhos na década de 1970 (quando o livro foi escrito, originalmente) e, coincidentemente, muita coisa bate com o que ocorre atualmente em nosso país. As fórmulas mágicas que ela precisa encontrar e aplicar para libertar o país daqueles que usam da liberdade para acabar com ela (como ela chama todo o espectro da esquerda, de acordo com o ponto de vista ianque) são bem interessantes. No entanto, as artimanhas utilizadas pela espiã são sempre muito bizarras, para dizer o mínimo.

A personagem concentra em sua personalidade todos os clichês de novelas de espiões (intenção de Boal) e também uma sexualidade exagerada, estereotipada. A ágil protagonista usa e abusa de suas artimanhas sexuais para conseguir tudo o que quer, ultrapassando em muitas cenas as barreiras do absurdo. Como se não bastasse, ela é estuprada um par de vezes e nem sequer reclama do que aconteceu, inclusive reclamando quando não é vista com um desejo malicioso pelos homens da trama, cada qual mais escroto que o outro.

Além dos poucos momentos em que situações de crítica evidente são relatadas, o penúltimo capítulo – em que Jane tem um pesadelo, depois de resolver toda a missão que lhe foi delegada – é, sem sombra de dúvidas, o que me agradou mais. Boal usa o pesadelo da espiã para descrever como a ditadura no Brasil (e todas as ditaduras militares da América Latina) funcionavam. Eu achei esse o melhor ponto do livro todo, e na verdade, para mim, salvou a novela policial de ser um fracasso completo.

View all my reviews

Deixe um comentário pelo Facebook

Written by

Cat lady, bookworm, roller derby, vegan, professora de história, amante de histórias. apaixonada por cinema, séries e tem uma baita queda por histórias de zumbis.

Deixe uma resposta

CommentLuv badge

%d blogueiros gostam disto: