Estatísticas do blog

Arquivos

Flickr

Livros e a biblioteca Sora Dani

História, literatura e crime.

É sabido que a História hoje assume um papel diferente daquele que Aristóteles anunciava em sua Poética. Em nosso tempo existe um diálogo entre os diversos campos do saber. Chamamos esse diálogo de interdisciplinaridade. História e Literatura compartilham de longa data a narrativa e o contar, escrever e descrever, interpretar, reinterpretar, construir, reconstruir por meio da escrita. Determinados eventos “reais” ou “imaginários” são relatados como garantia de se perpetrarem através do tempo. Em especial, é claro aqueles considerados dignos de memória. As narrativas estão ligadas a uma dupla capacidade: cristalizar e ao mesmo tempo dar vida a determinadas idéias e sentimentos a serem compartilhados¹.

Ambas as disciplinas são formas de contar o “real”. E o fazem através de signos constituídos por palavras e imagens. As formas da narrativa literária já foram utilizadas pela História, mas é claro que ambas possuem métodos distintos, e seus objetivos são diferentes. Literatura não é História, e vice-versa. No entanto, o Historiador pode, em sua busca de conhecimento sobre o mundo do passado, resgatar certas sensibilidades e a maneira como o homem representava realidade e a si mesmo recorrendo ao texto literário. Nele está contido sentimentos, emoções, jeitos de falar e pensar o mundo, códigos de conduta, ações sociais e sensibilidades de outro tempo. Do tempo em que determinada narrativa fora escrita.

Um estilo de Literatura específico, o Romance Policial é “um objeto privilegiado para investigar as relações da literatura e da cultura com a vida urbana e com os tempos contemporâneos. Nessa modalidade de narrativa, talvez como em nenhum outro conjunto específico de formas literárias, a subjetividade problemática do homem e a feição fragmentária da urbe se encontram, se alimentam e se completam“.

Traços destes romances são frutos de determinadas maneiras de ver o crime, o criminoso e a polícia em seu tempo. Influenciados pelo cientificismo do século XIX e a cristalização do gênero no século XX, fez destes romances a expressão dos anseios e medos de uma época.

Quando Edgar Allan Poe escreve Assassinatos na Rua Morgue, ele inaugura o estilo.

1. NAXARA, Maria Regina Capelari. Historiadores e textos literários: alguns apontamentos. In: História: Questões & Debates, Curitiba, n. 44, p. 37-48, 2006. Editora UFPR.

Deixe um comentário pelo Facebook


4 Comments

  1. Lucas

    Poe é ídolo, sempre.

  2. Camila

    Adiciona meu blog aí Dani!! hehehe
    consolesonoro.blogspot.com

    Lá tem links pra baixar músicas, se tu curte “versões” diferentes das musiquinhas de videogame… hehehe

    bjao

  3. Ju Soska

    ah, penso tbm que tu não vai concordar com isso!
    hehehe

  4. Ju Soska

    penso que a minha profissão pode servir de fonte histórica
    penso que uma mono sobre isso seria bem afú


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CommentLuv badge

%d blogueiros gostam disto: