6 em 6 – junho 2017

Esses dias estava lembrando da primeira vez que fui ao Peru (em 2013/2014) e de tudo que vi, vivi e aprendi lá. Foi uma das melhores viagens que já fiz na minha vida. E eu quase perdi todos os registros fotográficos. Estava tentando recuperar as imagens e os vídeos e eis que encontro uma sequência de fotos muito bacana. Estava em Paracas, na fila para a embarcação que nos levaria a conhecer as Islas Guaneras, um conjunto de formações nas quais vivem muitos, mas muitos animais marinhos e aves que deixam kilos e kilos de guano nas rochas, cocô mesmo. Esse guano é utilizado como fertilizante e tal, mas a ilha virou atração turística pela sua beleza e diversidade biológica. Voltando à fila: um senhor estava alimentando aves gigantescas (eu acho que eram pelicanos, quem souber avisa nos comentários) e elas estavam bem pertinho mesmo.Este senhor estava alimentando as aves para ser fotografado pelos turistas e em troca pedia alguns trocados. Foi um momento tão bacana e que rendeu fotos tão legais que resolvi compartilhar.

Read More

6 em 6 – maio 2017

Mês passado foi meu aniversário e presente mesmo, fui eu quem deu. Estava sonhando com meu par de patins para poder começar a treinar. Foi uma busca árdua por um patins na minha numeração, usado e que estivesse em boas condições. Finalmente encontrei e ele chegou no dia 26 de abril aqui em casa. Comprei pelo Mercado Livre, mas foi encontrado em um grupo de compra e venda de equipamentos para Roller Derby no Facebook. Além do patins, comprei todo o equipamento necessário: capacete, joelheira, cotoveleira, munhequeira e protetor bucal. Todos em lojas diversas on line ou físicas. Só a joelheira que não comprei a mais adequada, mas por enquanto ela vai quebrar um galho (como joelheira é difícil de encontrar! Preciso experimentar para ver se não ficará muito apertada e as boas nunca servem…). Então, pela minha felicidade em poder começar a treinar, o 6 em 6 desse mês será com fotos do equipamento maravilhoso para Roller Derby que me dei de presente de aniversário 🙂

Read More

Eu sou uma freshie meat!

Então eu comecei a praticar Roller Derby! No dia 30 de abril eu entrei oficialmente para as Wheels of Fire Roller Derby Club e comecei a treinar nessa mesma semana. Na verdade meu primeiro treino foi três dias antes de entrar oficialmente para a liga. Desde o recrutamento eu tenho ido assistir aos treinos regularmente e no último treino antes de mandar a documentação preenchida alguém  que não pode ir no recrutamento oficial iria ser recrutada e a treinadora levou equipamento para essa menina ter sua primeira experiência com os patins (assim como eu tive no dia do recrutamento), então aquele patins ficou dando sopa. E por acaso ele era do meu tamanho. Então eu fiz o meu primeiro treino naquele dia.

Os meus patins chegaram um dia depois, o que me permitiu começar realmente a treinar. Então eu tratei de preencher a ficha e o termo de compromisso com a liga. Depois de enviado, recebi a confirmação no domingo, dia 30 de abril e então eu sou oficialmente uma freshie meat nas Wheels <3

Sobre meu primeiro treino? Um desastre. Sabe aquela sensação de “pra que fui inventar isso?” Pois é. Eu mal consigo ficar em pé em cima dos patins. Aliás, tenho assistido muitos vídeos sobre como aprender a patinar, dicas para patinadores iniciantes e tal e já notei uma melhora significativa do primeiro treino para o segundo e para o terceiro. Já fico em pé sem ajuda, mas andar ainda está sendo um pouco complicado… Mas preciso ter determinação e não desistir. Afinal, investi muito nisso e estou realizando um sonho. Não vai ser na primeira dificuldade que vou desistir.

Ilustração linda de Derby Girls, e eu sou claramente a menina do meio :p (Achei no Pinterest, mas não tinha referência. Se alguém souber de quem é, por favor me avisa)

Sobre fazer 33 anos

Cheguei aos 33. Posso dizer que durante muito tempo nem imaginei como seria ter 30 anos. E não é que já estou nos 33. E estou muito feliz com isso. Não estou dizendo que foi ou está sendo fácil. Muito pelo contrário. Passei por momentos, presenciei acontecimentos e lidei com situações que nem sempre foram fáceis. Mas não poderia estar mais agradecida. A jornada foi tão desafiadora e tive tantos aprendizados com ela que hoje posso dizer que essa é a melhor idade. Estou feliz, mesmo com (ou apesar de) todos os percalços do passado e do presente. Acho que essa é minha melhor idade. Tudo o que eu sou hoje eu devo ao caminho que percorri e ele foi lindo.

A vida é como todas as outras, cheia de problemas. A diferença? Me sinto muito mais preparada para lidar com eles. Estou no caminho para me encontrar, em uma jornada de auto conhecimento. A quantidade de coisas que vivi – e as que deixei de viver também – me  fizeram ser quem eu sou hoje. E nesse caminho de descobrir uma força que nunca imaginei ter, ser capaz de coisas que sempre ficaram no campo das ideias, de realizar sonhos, valorizar a vida e me aceitar, me amar, sinto que vou chegar lá. Vou me descobrir, me aceitar, me amar por completo. Estou, de verdade, na minha melhor fase. E daqui 10 anos será ainda melhor, daqui 20, 30, 40. Essa jornada é sobre crescimento e autoaceitação. E a cada ano que passa me sinto melhor, mais feliz.

E eu ganhei festa surpresa dos alunos do 7A à tarde e da T2A, à noite 🙂 Tem como não ficar feliz?

Sobre falhar

Eu estava com uma super empolgação no início do mês para fazer o BEDA e o VEDA e tinha absoluta certeza que eu conseguiria. O que eu não contava era que os dias de bad chegariam com força total e que a única coisa que eu conseguiria fazer, além de ir para o trabalho, era procrastinar no sofá zapeando na televisão ou vagando por vídeos no youtube.

Sim, esse foi o motivo de eu não ter conseguido postar todos os dias por aqui, ou no meu canal do youtube. Procrastinei e procrastinei, me enfiando de cabeça em uma bad que não quer ir embora. Então, estou aqui para pedir desculpas e, quem sabe, continuar até o final do mês a postar. Mas não posso prometer nada. Fico o tempo todo colocando milhões de empecilhos para realizar tarefas simples e isso tem me afetado de formas devastadoras. Então, vou colocar minha saúde mental em primeiro lugar e depois eu penso no blog e no canal.

Obrigada a todas e todos que acompanharam e até breve.