Balanço Desafio Literário 2011

Desafio Literário 2011 E o ano está bem no finalzinho, falta um único dia para começar um ano todinho novo. E em 2011 eu participei mais uma vez do Desafio Literário. Dessa vez eu fui convidada para fazer parte da equipe do Desafio junto com a @vivi, @danihaendchen e a @queromorarlivr. Não preciso dizer o quanto eu fiquei feliz com isso. Infelizmente eu não participei tão ativamente quanto gostaria, mas como no próximo ano eu continuo na equipe, fica a promessa de ano novo de ser mais ativa nesse equipe.

Quanto aos livros, esse ano foi bem mais produtivo. Se no ano passado eu escolhi um livro por mês e li 10 de 12, nesse ano eu escolhi três por mês e li 26 de 36. Ou seja, li quase o triplo de livros só para o Desafio. Dos 26 livros lidos eu atrasei alguns, lendo eles depois do praso. Mas o único que ficou sem resenha foi um livro do primeiro mês (Literatura Infantil): Histórias do Mundo para Crianças, de Monteiro Lobato. O motivo? Eu comecei a ler e o formato favoreceu uma leitura mais lenta, aos poucos, pois apesar de ser uma história única ela é narrada em episódios, seguindo episódios da História Mundial, então eu terminei ele agora em dezembro, pois além de ler aos poucos eu demorava um tempão para retomar a leitura. Mas eu farei resenha dele ainda em Jeneiro de 2012, outra promessa de ano novo.

Além disso, eu falhei um mês. Para o tema de Dezembro – lançamento do ano – eu não li nada, pois não comprei nenhum lançamento e optei por passar sem completar esse mês. As leituras realizadas para o Desafio foram muito interessantes, nem todos os livros foram maravilhosos, é fato, mas a experiência foi muito bacana.

Então segue a lista de livros lidos para o Desafio Literário 2011:

 Janeiro:
Coraline, Neil Gaiman
Memórias da Emília e Peter Pan, de Monteiro Lobato
Histórias do Mundo Para Crianças, de Monteiro Lobato (sem resenha ainda)

Fevereiro
Che Guevara – a vida em vermelho, de Jorge G. Castañeda
O que é isso, companheiro?, de Fernando Gabeira

Março
As Brumas De Avalon Livro 1 – A Senhora Da Magia, de Marion Zimmer Bradley
As Brumas De Avalon Livro 2 – A Grande Rainha, de Marion Zimmer Bradley

Abril
O Guia do Mochileiro das Galáxias, de Douglas Adams
O Restaurante no Fim do Universo, de Douglas Adams
A Vida, o Universo e Tudo Mais, de Douglas Adams
Até mais, e obrigado pelos peixes!, de Douglas Adams
Praticamente Inofensiva, de Douglas Adams

Maio
A Última Trincheira, de Fábio Pannunzio
Esqueleto na lagoa verde, de Antonio Callado

Junho
Calabar – o elogio da traição, de Chico Buarque e Ruy Guerra
Gota D’água, Chico Buarque e Paulo Pontes
As Relações Naturias: três comédias, Qorpo Santo

Julho
Nunca fui a garota papo-firme que o Roberto falou, de Cristiane Lisbôa
Areia nos Dentes, de Antônio Xerxenesky
elvis & madona [uma novela lilás], de Luiz Biajoni

Agosto
Olhai os lírios do campo, de Erico Veríssimo
Morte e vida severina e outros poemas para vozes, de João Cabral de Melo Neto
Contos Gauchescos & Lendas do Sul, de Simões Lopes Neto

Setembro
Todas as Histórias do Analista de Bagé, de Luis Fernando Veríssimo

Outubro
O Sol Também se Levanta, de Ernest Hemingway

Novembro
Ficção de Polpa – Volume 1, organizado por Samir Machado de Machado

E em 2012 tem mais Desafio Literário. Já fez tua lista? A minha já está pronta, só esperando para começar…

Esqueleto da Lagoa Verde, de Antonio Callado

Esqueleto na Lagoa VerdeEsqueleto na lagoa verde: Ensaio sobre a vida e o sumiço do coronel Fawcett é um livro reportagem publicado em 1953 (edição que eu li) e narra a aventura do jornalista Antonio Callado em uma expedição a um dos afluentes do Rio Xingu, no Mato Grosso, em 1952, como parte de uma comitiva de jornalistas bancada por Assis Chateaubriand. Sua viagem foi motivada pela ossada encontrada nas margens de um rio e que atribuiu-se a Percival Harrison Fawcett, um explorador britânico que desapareceu no interior do Brasil em 1925, quando procurava uma cidade perdida no interior do país.

A história de Fawcett inspirou uma infinidade de obras, desde o livro O Mundo Perdido, de Arthur Conan Doyle, até as aventuras de Indiana Jones. Além disso, o desaparecimento do explorador intrigou a todos, e no Brasil, quando uma ossada foi encontrada e se pensou ser dele, uma porção de gene ficou interessada no assunto. Um grupo indí­gena dos Calapalo haviam contado ao sertanista Orlando Villas Boas que, alguns anos antes, três exploradores tinham sido mortos naquela região. As informações fornecidas pelos índios Calapalo e a região em que os assassinatos ocorreram estavam de acordo com o pouco que se sabia sobre o desaparecimento de Fawcett, eu filho e um terceiro explorador.

Mesmo antes de a expedição chegar ao local em que Vilas Boas desenterrou a ossada, já se sabia que ela não pertencia ao explorador, os ossos indicavam uma pessoa com mais ou menos 1,70m e Fawcett era um sujeito de mais de 1,80m. O mistério do desaparecimento do explorador continuava. E a obra de Callado não o resolve. Ele apresenta todas as teorias existentes e as suas própria, sempre deixando claro para o leitor que não passam disso, teorias. Além do mais, tenta entender os motivos que trouxeram Fawcett para o Brasil.

No entanto, o que eu achei mais interessante na narrativa foi a experiência da expedição, de estar entre indígenas, convivendo com uma cultura totalmente estranha à sua, com hábitos distintos e sensibilidades que precisavam ser respeitadas para que a convivência naqueles poucos dias não acabasse em desastre. Analisando sua experiência, o autor reflete um pouco sobre políticas indígenas que precisavam ser efetivadas naquela década. Também achei interessante a descrição dos entrepostos e vilas no meio da mata, o modo de vida de pessoas que privadas de todo tipo de conforto realizavam uma tarefa importantíssima para o desenvolvimento do interior do Brasil.

O livro é uma mescla de sua reportagem sobre o desaparecimento do explorador e o encontro de uma ossada que poderia ter sido dele com uma espécie de making off de seu relato, mostrando as dificuldades em se chegar aos locais, de obter as informações, de convívio com as fontes. Eu fiquei extremamente feliz com a leitura desse livro, pois descobri uma história incrível e misteriosa que é a do Fawcett, além de ler sobre uma temática muito importante que é a temática indígena. Um livro pequeno, com reedições bem recentes (para aqueles que não gostam ou não têm acesso a primeira e antiga edição).

Esqueleto na lagoa verde: Ensaio sobre a vida e o sumiço do coronel Fawcett
Antonio Callado
99 páginas
Skoob | Submarino
[xrr rating=3/5]

Desafio Literário 2011

Esse texto faz parte do projeto de blogagem coletiva Desafio Literário 2011, proposto pelo blog Romance Gracinha. A resenha corresponde ao mês de Maio, cujo objetivo é ler um livro-reportagem.

Confira no blog do desafio as resenhas dos outros participantes para este mês. Ou descubra quais foram as minhas escolhas.

Participe, comente, leia.

Gostou da ideia? Siga o @DL_2011 no twitter.

Aproveita e segue a equipe do Desafio Literário 2011 no twitter também:

@vivi, @danihaendchen, @queromorarlivr e eu, @clandestini.

Confira as outras leituras feitas para o Desafio Literário 2011:

Janeiro:
Coraline, Neil Gaiman
Memórias da Emília e Peter Pan, de Monteiro Lobato

Fevereiro
Che Guevara – a vida em vermelho, de Jorge G. Castañeda
O que é isso, companheiro?, de Fernando Gabeira

Março
As Brumas De Avalon Livro 1 – A Senhora Da Magia, de Marion Zimmer Bradley
As Brumas De Avalon Livro 2 – A Grande Rainha, de Marion Zimmer Bradley

Abril
O Guia do Mochileiro das Galáxias, de Douglas Adams
O Restaurante no Fim do Universo, de Douglas Adams
A Vida, o Universo e Tudo Mais, de Douglas Adams

Maio
A Última Trincheira, de Fábio Pannunzio