Arquivo

BEDA

Posts em BEDA.

Resumo da semana (01-08/04)

Ô semaninha corrida. Resolver BEDA+VEDA foi uma ideia ótima, mas está dando um trabalho que só. Trabalhando muito, a rotina está aí todo dia pra cobrar a conta do cansaço toda noite. Acabei esquecendo de registrar os momentos bacanas, então só vou fazer uma lista do que teve de bacana (o que a memória permitir, é claro).

  • Almoço com uma amiga querida.
  • A melhor coisa de todas, que foi ter participado do recrutamento das Whells of Fire Roller Derby Club.
  • Assisti a um treino das Whells.
  • Fiquei com a minha mãe no final de semana e colocamos o papo em dia.
  • Gravei muitos vídeos e editei feito louca todos os dias.
  • Trabalhei muito, é claro.

E teve vídeo todo dia no canal:

6 em 6 – abril 2017

Sabe quando bate aquela saudade de um lugar que você conheceu e quer voltar lá a todo custo? Pois é, eu fui para o Uruguai no ano passado (e fiz vários vlogs bacanas durante a viagem) e essa semana bateu uma saudade, uma vontade de voltar. Então resolvi postar algumas das fotos que eu fiz por lá para deixar aquele gostinho.

Teatro Solís na Ciudad Vieja, Montevidéu

Ciudad Vieja

Prefeitura e Museu de História da Arte

Casa Pueblo, Punta Ballena

Rambla

Feira de Tristán Narvaja

Projeto 6 on 6 é uma brincadeira simples. Você precisa postar seis fotos no seu blog, todo dia 6 do mês!

– Não precisa ter máquina fotográfica, foto de celular serve;
– Não tem um tema específico para as fotos, pode ser do que você quiser;
– Só precisa que você poste no dia 6, 6 fotos e mande o link para o grupo no Facebook!

dias de preguiça

Tem dias que a preguiça bate forte mesmo. E com ela vem a culpa. Uma voz interior dizendo que eu estou procrastinando, deixando de lado as coisas importantes, não realizando as tarefas que preciso, deixando de fazer o que é importante e etc. E hoje foi um desses dias. Cada segundo foi regado a pouca vontade de sair do lugar e muita culpa por não estar me dedicando tanto quanto devo ao BEDA e ao VEDA. E muito menos às atividades do dia a dia que exigem um mínimo de comprometimento.

Como lidar com isso? Como lidar com a preguiça? Com a falta de inspiração? Com a culpa? Eu não tenho respostas, e talvez eu demore muito para descobri-las. Tudo o que eu sei é que esses dias acontecem. E muitas vezes mais do que posso suportar. Então, hoje o post é um desabafo. Além da falta de tempo e de todas as coisas que eu já falei em outro momento, a preguiça também pode ser um “dificultador” (nem sei se essa palavra existe) para a realização do BEDA + VEDA. Mas eu não vou desistir! Ah, isso não.

um poema

Eu não sou uma pessoa que entende muito de poesia. Mas eu acabo, vez por outra, encontrando alguns poetas e poemas que me marcam de diversas maneiras. Angélica Freitas é um desses casos. Esse ano eu li da autora o incrível “Um útero é do tamanho de um punho“. E foi um punho certeiro na boca do meu estômago. Imagens muito fortes e muito críticas. Então eu recomendo muito conhecer a poesia de Angélica, mesmo se você não é tanto de poesia, como eu. Porque ela vai falar direto contigo, e vai falar alto, contundente.

Uma provinha do que você vai encontrar:

porque uma mulher boa
é uma mulher limpa
e se ela é uma mulher limpa
ela é uma mulher boa

há milhões, milhões de anos
pôs-se sobre duas patas
a mulher era braba e suja
braba e suja e ladrava

porque uma mulher braba
não é uma mulher boa
e uma mulher boa
é uma mulher limpa

há milhões, milhões de anos
pôs-se sobre duas patas
não ladra mais, é mansa
é mansa e boa e limpa

(De Angélica Freitas, “Um útero é do tamanho de um punho”, Ed. Cosac Naify, 2012)

Primeira vez sobre rodas: Roller Derby

Ilustração linda de Derby Girls, e eu sou claramente a menina do meio :p (Achei no Pinterest, mas não tinha referência. Se alguém souber de quem é, por favor me avisa)

Você tem um minuto para ouvir a palavra do Roller Derby? 

Eu conheci o Roller Derby no filme Garota Fantástica e fiquei fascinada. Adivinha, fiquei obcecada e por um tempo essa foi a coisa que mais procurei pela rede.

Mas o que é Roller Derby? Uma definição rápida:

Um esporte jogado por duas equipes de cinco membros que patinam, na mesma direção, à volta de uma pista. A partida consiste numa série de pequenos jogos (jams), nas quais ambas as equipas nomeiam uma jammer, que marca pontos ao ultrapassar membros da outra equipe. As outras integrantes têm que jogar na ofensiva e na defensiva simultaneamente, uma vez que têm que impedir a jammer da outra equipe de marcar pontos, enquanto a sua própria jammer”marca os pontos. Ganha o time que tiver mais pontos no jogo. Fonte: wikipédia

Comecei a pesquisar feito louca vídeos, imagens e textos sobre o esporte. Mas não podia praticar porque não tinha uma liga/time perto de casa. Isso até eu descobrir a existência das Wheels of Fire Roller Derb Club, a primeira equipe de Roller Derby de Porto Alegre. As meninas treinavam no centro da capital gaúcha e na época eu morava em outra cidade. Aí o que eu fiz? Coloquei um monte de empecilho: moro longe, os horários dos treinos ficam ruim pra mim, nunca patinei, então na vai dar, não tenho grana pra investir em patins, e por aí vai.

Tudo desculpa esfarrapada, eu sei. E desde a primeira vez que eu ouvi falar desse esporte – que é quase que exclusivamente feminino, que abraça diferentes tipos de corpos e é super riot grrrl – eu fiquei colocando todas essas barreiras pra que eu não começasse de fato a praticá-lo. Aliás, nem treino eu assisti com o tanto de barreira que criei. MAS… Essa semana teve chamada para mais um recrutamento das Wheels of Fire e dessa vez eu não tinha desculpa. Afinal de contas os treinos acontecem a 200 metros de casa, as meninas ensinam a patinar do zero e os horários dos treinos combinaram super com meus horários livres.

Domingo, 02 de abril de 2017, meu primeiro contato real com o Roller Derby.

Foram quase quatro horas de muito aprendizado com outras meninas que tem histórias muito diversas e se aproximaram do esporte de maneiras tão diversas quanto. Aprendizado teórico, um pouquinho de demonstração com as jogadoras super feras do time, um pouco de treino da movimentação básica sem patins e, claro, colocar os patins no pé.

Eu fiquei morrendo de medo, afinal de contas eu NUNCA andei de patins na vida. Coloquei todo o equipamento de segurança: capacete, cotoveleira e joelheira (protetor bucal não, né gente, porque é pessoal e intransferível). E finalmente coloquei os patins. Confesso que foi muuuuuito difícil, mas em quinze minutos eu consegui sair do completamente travada para andar uns centímetros direitinho, embora quase agarrada nos braços da minha instrutora. Caí? Caí sim. De bunda. Mas não doeu nadinha. E se tivesse caído de frente estaria completamente protegida pelo equipamento.

O Roller Derby é um esporte super democrático, que abraça todos os corpos, inclusive os corpos gordos (como o meu) e muito empoderador. Muitas meninas que não encontram lugar nos esportes mais tradicionais podem praticar e serem muito felizes com o Roller Derby. Me senti muito acolhida pelas meninas e fiquei realmente empolgada. Muito mais empolgada do que já estava. E o medo de patinar será facilmente superado. Disso eu tenho certeza.

Mas tem um pequeno probleminha. O investimento inicial é bastante alto. O equipamento de segurança corporal mais o protetor bucal e capacete deve sair em torno de uns R$ 300,00. E não para por aí, já que o investimento mais alto é o patins. Existem marcas importadas e nacionais – que, claro, são mais baratas. Usado sai ainda mais em conta. Ainda assim não é uma coisa que qualquer um decide comprar da noite para o dia. Saí do recrutamento determinada a realmente começar a treinar, então estou procurando um patins com um bom custo benefício (provavelmente um usado e nacional) para iniciar e, mais adiante, investir em um melhor.

Cheguei em casa transbordando de felicidade por finalmente ter criado coragem de participar de um recrutamento e por ter conhecido tantas meninas bacanas. Foi realmente uma experiência incrível e me deixou mais determinada do que nunca em ser uma Derby Girl. Estou ansiosa pelos primeiros treinos e não vejo a hora de comprar meus patins!

E você, já conhecia o esporte? Pratica ou já teve vontade de praticar?

TAG 8 coisas

Eu quase não respondo TAGs pelo blog, geralmente faço isso no meu canal do Youtube. Mas essa TAG é muito longa e bem abrangente, aí resolvi escrever por aqui já que é mês de BEDA e preciso de muita pauta *cof cof*. 🙂

Então, a tag de 8 coisas:

8 coisas para fazer antes de morrer:

– fazer um mochilão pela Ásia;
– fazer a trilha Inca, no Peru;
– me amar do jeito que sou, sem neuras por causa do meu corpo;
– viver em uma ecovila;
– acampar (acredite, eu nunca acampei!);
– conhecer a Floresta Amazônica;
– adotar a bicicleta como meu meio de transporte principal;
– mergulho.

8 coisas que você ama:

– meus gatos;
– ler;
– viajar/conhecer lugares;
– comer (e cozinhar) comidas diferentes;
– arte;
– cheiro de terra molhada;
– olhar o mar sentindo a areia nos pés;
– andar de bicicleta.

8 coisas que você odeia:

– gente preconceituosa (homofóbicos, machistas, lesbofóbicos, racistas…);
– pessoas que apontam as coisas com objetos (guarda chuva, por exemplo);
– desperdício;
– injustiça;
– gente falsa;
– cheiro de cigarro;
– lavar louça;
– atraso.

8 coisas que você fala:

– tchê!;
– ôchi;
– meu c* num palito (é, eu falo muito palavrão);
– não é mesmo?;
– aaaai, que dor de cabeça (quase todo dia 🙁 );
– ah tá;
– perereca (chamo tudo quanto é bichinho bonitinho de pererequinha);
– bah, nem fala.

8 makes/roupas que você não vive sem:

– camiseta;
– coturno;
– vestido soltinho;
– roupa preta/cinza;
– batom escuro;
– sombra marrom;
– moletom;
– saia.

8 objetos que você não vive sem:

– livros, livros, livros;
– meu macbook;
– minha mochila;
– meu material de desenho;
– meu robô aspirador :o;
– minha bicicleta;
– minha câmera;
– meu processador de alimentos.

8 filmes/livros/jogos/séries que você ama:

– Filme: Questão de tempo (2013);
– Filme: Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças (2004);
– Livro: 1984 (George Orwell);
– Livro: Senhor dos Aneis (Tolkien);
– Jogo: Zelda- A Link To The Past;
– Jogo: Harvest Moon;
– Série: Doctor Who;
– Série: Buffy, the vampire slayer.

8 lugares para visitar:

– Islândia;
– Vietnã;
– O condado (Nova Zelândia);
– México;
– Tailândia;
– Suécia;
– Ilha de Páscoa;
– Escócia.

Esse post foi inspirado na postagem da Bruna Morgan, também para o BEDA. Li o post dela, adorei a ideia e resolvi responder a TAG também.

3 coisas que me fazem feliz

Felicidade é algo muito engraçado. Ninguém é completamente feliz o tempo todo. Da mesma forma, ninguém é completamente triste o tempo todo. Mas, do jeito que as coisas andam, a maior parte das pessoas, na maior parte do tempo parecem estar infelizes. Tem tanta coisa errada no mundo, tanta coisa ruim acontecendo com uma porção de gente boa que às vezes parece que a infelicidade está ganhando essa batalha mística. No entanto, no meio da turbulência algumas pequenas coisas nos fazem recuperar a doçura, olhar para o mundo com mais leveza e sorrir.

Então eu resolvi prestar mais atenção nessas pequenas coisas que trazem felicidade (mesmo que momentânea) e hoje eu vou contar três delas:

  • o som do mar;
  • o vento;
  • o pôr-do-Sol.

Ouvir o barulho das ondas do mar quebrando na praia me traz no mesmo instante uma sensação de paz e eu logo começo a sorrir. Tenho certeza que esse é um dos meus sons preferidos no mundo.

E uma das coisas mais gostosas de estar ao ar livre é sentir o vento soprando, de leve, no rosto. Tirando os cabelos pra dançar. Eu me sinto livre, preste a voar junto com ele.

E o que dizer do pôr-do-Sol, não é mesmo. Ele merece ou não merece aplauso? É tão lindo. E cada lugar do mundo tem um mais lindo que o outro. Dá até vontade de chorar com tanta beleza…

Pareço meio Amélie Poulain? Que bom. Se tem uma coisa que essa francesa incrível (embora ficcional) me ensinou, é que precisamos estar abertos para os pequenos detalhes do nosso dia a dia. E você, quais as pequenas coisas que te fazem feliz?

Este post faz parte do BEDA (blog everyday in April).