CQC no Congresso: Desfecho

E o CQC foi autorizado a entrar no Congresso Brasileiro, também conhecido como casa do povo. Depois da campanha CQC no Congresso os jornalistas humoristas do programa de toda a segunda-feira foram finalmente autorizados a pisar naquele terreno infértil e selvagem. A novidade foi anunciada a pouco no próprio programa pelo incomparável Marcelo Tas. Foram 260.021 assinaturas, e a minha é uma delas! Parabéns gurizada. Um importante passo para a sociedade brasileira, mesmo que grande parte dela não saiba nem do que estou falando.

Custe o Que Custar!

Ontem à noite foi a estréia de um novo programa da Rede Bandeirantes de Televisão, o Custe o Que Custar (CQC). Versão tupiniquim do original portenho, conta com Marcelo Tas, o homem mais polivalente da mídia brasileira. Fácil de reconhecer, sete homens vestidos de terno preto e óculos escuros farão, com muito humor, um resumo das principais notícias ocorridas durante a semana.

Com brincadeiras e irreverência, o jornalista Marcelo Tas, o comediante e também jornalista Rafinha Bastos e o ator Marco Luque assumiram a bancada e conduzem, ao vivo, o novo programa, comentando livremente os fatos ocorridos pelo país e pelo mundo.

Rafael Cortez, Danilo Gentili, Felipe Andreoli e Oscar Filho – além do próprio Rafinha Bastos – cuidam das reportagens e, de microfone em punho, os cinco têm uma prioridade: perguntar aquilo que ninguém tem coragem.

Mosca na sopa de muita gente, o CQC é uma ilha de inteligência num mar de programas inúteis e estúpidos.