Arquivo

leitura

Posts em leitura.

O Meme Literário de Um Mês 2011 – Dia 04 (retroativo)

Onde você gosta de ler?
(No sofá? Na cama? No ônibus? O lugar onde você costuma ler é o lugar onde você gosta de ler?)

LendoSabe que eu ainda não achei o meu lugar preferido para ler? Pois é. Eu leio onde dá. E é isso. Leio no ônibus (sempre), no trem  (sempre), nas filas, na sala de espera, na cama (mesmo que seja super desconfortável (pelo menos na minha cama dá uma dor no pescoço…). Não tenho uma escrivaninha livre para ler, daí perdi o costume de ler com o livro apoiado na mesa, não tenho poltrona para ler, então nem sei como é a sensação. Então estou por aí, lendo, entortando a coluna, me divertindo horrores e a procura do lugar perfeito para uma boa leitura.

Para ver as respostas dos outros dias, clique aqui.

O Meme Literário de Um Mês 2011 – Dia 31

Qual o livro que você leu esse ano que mais gostou?
(Fale sobre ele)

A Rainha do Castelo de Ar, Stieg Larsson

Nesse ano eu li muito livro bom. Fica difícil escolher um só. Mas como é preciso, vou ficar com um que devorei em poucos dias, que marcou o final de uma trilogia que eu simplesmente me apaixonei e com a personagem mais marcante do ano: A rainha do castelo de ar (Millennium #3), de Stieg Larsson. Uma narrativa clara, concisa, de tirar o fôlego e de uma evolução surpreendente, A Rainha do Castelo de Ar é o mais longo dos livros da Trilogia Millennium e pode até intimidar alguns leitores pelo tamanho, mas certamente conquistou minha admiração. Sua leitura despertou em mim, além de um sentimento agradável que se apoderou do meu ânimo ao ler um livro extraordinário, uma angustiosa e deliciosa expectativa sobre o que poderia acontecer. Cada palavra, cada frase, tinha um porquê e levava a um questionamento sobre os caminhos e decisões a serem tomados pelos personagens.

Para ver as respostas dos outros dias, clique aqui.

Dia D. Dia de Drummond

Dia D.

No dia 31 de outubro de 1902, nascia o grande poeta brasileiro Carlos Drummond de Andrade (1902-1987). Para comemorar a data, o Instituto Moreira Salles lança a ideia de instituir um Dia D – Dia Drummond –, que passa a fazer parte do calendário cultural do país. Então, a partir de hoje, todo dia 31 de outubro comemoraremos o Dia D aqui no Brasil. E no mundo, por que não?

Como parte das comemorações, o IMS incentivou o pessoal a filmar suas leituras dos poemas de Drummond e enviar para o site especial criado para o Dia D. Eu fui convidada para fazer uma leitura do poema A Quadrilha junto com uma porção de gente bacana:

Aline – RJ – Blog Litlle Doll House
Daniela – RS – Blog Trecos e Trapos
Juliana – MG – Blog O batom de Clarice
Gabriela – RJ – Blog Quinas e Cantos
Santiago – GO  – Blog Santiago Regis
Luara – RJ – Blog Isaac Sabe
Patrícia – MS – Blog Ainda Minina Má
Chico – RS – Blog Contextos

Eu sou suspeita para falar, mas o vídeo ficou lindo. Assiste e me conta o que achou.


Link direto para o vídeo no Youtube 

Links Love #9

Ringo Star reading

1. Quem gosta da série Arrested Development, como eu, vai adorar, quem gosta de lego vai amar: Arrested Development in Lego Form!

2. E uma triste notícia divulgada pelo Estadão, Universitários brasileiros leem apenas de 1 a 4 livros por ano. E na UFRGS, onde estudo, 23% lêem mais de 10 livros por ano. Me orgulho de fazer parte desse pequeno grupo (só nesse ano já li 42 livros).

3. Eu amo geléia de morango e estou louca de vontade de tentar fazer em casa. A receita eu já tenho, lá no blog Pitadinha.

4. Eu sigo Tumblrs como se não houvesse amanhã e então a Tábata, do Happy Batatinha, indica um que eu não posso ficar sem seguir: Awesome People Reading. Fotos de gente famosa e bacana lendo.

5. E a Mi Müller, do blog Bibliophile, mostrou uma ilustração linda da ilustradora Wendy MacNaughton feita a partir de uma pesquisa sobre o que alguns escritores comiam enquanto escreviam.

Como escolho minhas leituras?

Minha estante em março de 2011

O certo é que um livro leva a outro…

Às vezes estou lendo um livro tão bom que procuro outros títulos do mesmo autor ou do mesmo gênero, e se fizer parte de uma série eu leio as obras subsequentes. Esse é o movimento básico que faço para escolher as próximas leituras. No entanto, eu tenho outro critério muito importante: sempre procuro ler aquilo que tenho na minha estante, pois sofro da síndrome dos compulsivos por livros e acabo comprando muito mais do que dou conta de ler.

Por ainda estar cursando uma graduação, muito da minha leitura vem das indicações/solicitações dos professores. E, além disso, procuro pelos clássicos, aquelas obras consideradas essenciais na formação de todo leitor. Estas duas últimas condições de escolha se aplicam também na compra de novos exemplares para minha humilde biblioteca. Claro que sempre há exceções.

Nos últimos dois anos tenho adotado um sistema bem interessante, o Desafio Literário. Ele funciona como uma espécie de meme entre blogueiros com uma lista de 12 temas, um por mês, para escolhermos um ou mais livros em cada categoria e lermos ao longo do ano. Opto por encaixar as leituras pendentes da minha biblioteca com os temas sugeridos, dessa forma diminuo a fila de livros comprados e não lidos.

A verdade é que escolher o próximo livro para ler não é uma ciência exata, e o faço de diversas maneiras, como já descrevi. Creio que muitas pessoas possuam métodos para suas escolhas, alguns até bem elaborados. Mas eu, particularmente, prefiro me deixar levar. Afinal, se um livro leva a outro, eu gosto de escutar o que ele pode me indicar.

E tu? Como escolhe as próximas leituras?

Eu já te contei que eu tenho um perfil no Goodreads?

Goodreads

Não? Bem, eu tenho. Eu já estou cadastrada no Goodreads desde julho de 2009, mas foi apenas nessa última semana que resolvi aproveitar todas as possibilidades que essa rede social para leitores oferece.

Goodreads não é nada novo, mas é realmente muito bacana e, ao contrário de alguns outros sites de rede social, não é um modismo. Mas aviso, é viciante e uma ótima alternativa para nós, parvos bookworms. Você pode ver o que seus amigos estão lendo, ler as opiniões de outras pessoas – boas e ruins – e discutir os livros que você está lendo atualmente ou aqueles que já leu. Além disso, é uma boa maneira de encontrar novos livros para ler e se conectar com outros viciados em livros.

A página é em inglês, o que não pode ser um problema se você não lê o idioma, e por conta disso a maioria dos livros são edições em inglês. É difícil encontrar edições brasileiras? Depende do livro. Muitas edições de livros brasileiros e traduções já foram cadastradas, mas nem sempre será aquela que tu leste. Isso é um problema para quem, como eu, é compulsivo por organização a ponto de querer exatamente a edição e a capa do livro que leu. Claro que sempre é possível cadastrar a sua edição. Assim como no Skoob, o Goodreads é colaborativo, mas a política para adicionar livros e novas edições é bastante rígida. E para editar os livros e edições já existentes é preciso fazer parte do Goodreads Librarians, ou seja, ter no mínimo 50 livros na sua estante virtual e se inscrever para tal.

Ao mesmo tempo que isso mantém o site organizado e sob controle, dificulta a vida de alguns usuários que prestam atenção em cada detalhe e sempre encontram um erro em determinada edição ou quer adicionar uma imagem para a capa de algum livro. Eu me cadastrei para participar do Goodreads Librarian, mas ainda não recebi resposta, até lá eu me contento em apenas adicionar os livros que li e ainda não estão cadastrados por lá e marcar como lido as edições disponíveis. É um trabalho e tanto, poi estou passando todos os livros marcados como lidos no Skoob para o Goodreads, o que não significa o abandono da rede social brasileira. Como as férias da faculdade já estão no fim, a partir de agora o cadastro das leituras passadas será feito a passos de formiguinha, pois tenho de me concentrar nas leituras que virão.

E tu, já conhecias o Goddreads? Tem perfil por lá? Se quiser me adicionar, fique à vontade. Lá, e em toda rede social que eu tenho perfil, eu sou a clandestini.

A Rainha do Castelo de Ar, Stieg Larsson

A Rainha do Castelo de Ar, Stieg Larsson

Para dar continuidade à leitura da Trilogia Millennium, li o terceiro volume da série: A Rainha do Castelo de Ar. Mais uma vez as expectativas foram superadas.

Nesse livro Larsson narra os acontecimentos imediatamente posteriores ao final do segundo volume da trilogia. As primeiras 150 páginas possuem uma narrativa mais lenta em relação ao restante da série e do próprio livro em função exatamente da natureza dos acontecimentos. Lisbeth vai para o hospital e sofre algumas cirurgias, a mais complicada delas consistia em retirar um projétil alojado em seu cérebro. A partir de então ela fica incomunicável, detida na sala de recuperação pela polícia. As únicas pessoas com as quais ela tem contato são da equipe do hospital que são responsáveis pelo seu estado de saúde, sua advogada e a polícia.

Enquanto isso Mikael continua sua investigação paralela à da polícia para provar a inocência de Lisbeth. Na busca por informações ele próprio passa a ser alvo da organização secreta do governo a qual ele investiga e privou Salander de sua liberdade constitucional. Mais uma vez Larsson me surpreendeu com sua narrativa, o livro parecia um imã, pois não conseguia ficar longe dele até terminada a leitura. A parte final é ainda mais instigante e a narrativa é tão fluida que li muitas páginas tão rápido que quando vi já tinha terminado o livro.

O mistério em torno de Salander é revelado por completo, o que poderia fazer com que a personagem perdesse o encanto. Todavia, ocorre o contrário, fiquei ainda mais apaixonada por Lisbeth. É uma personagem tão interessante, complexa, admirável, forte e frágil ao mesmo tempo, anarquista e independente que faz ter vontade de mudar vários aspectos de nossas vidas. E não é apenas a dupla Mikael-Lisbeth que são personagens incríveis, cativantes e cheio de nuances. Muitos outros nos são apresentados ou retomados ao longo do livro.

Uma narrativa clara, concisa, de tirar o fôlego e de uma evolução surpreendente, A Rainha do Castelo de Ar é o mais longo dos livros da Trilogia Millennium e pode até intimidar alguns leitores pelo tamanho, mas certamente conquistou minha admiração. Sua leitura despertou em mim, além de um sentimento agradável que se apoderou do meu ânimo ao ler um livro extraordinário, uma angustiosa e deliciosa expectativa sobre o que poderia acontecer. Cada palavra, cada frase, tinha um porquê e levava a um questionamento sobre os caminhos e decisões a serem tomados pelos personagens.

Leia os textos para os dois primeiros volumes da Trilogia Millennium publicados aqui no blog:

  1. Os homens que não amavam as mulheres
  2. A menina que brincava com fogo

A Rainha do Castelo de Ar
Trilogia Millennium Volume 3
Autor: Stieg Larsson
Editora: Companhia das Letras
688 páginas
Skoob | Submarino

Rating: ★★★★★