Arquivo

Magia

Posts em Magia.

As Brumas De Avalon Livro 2 – A Grande Rainha, de Marion Zimmer Bradley

As Brumas de Avalon - A Grande Rainha

A Grande Rainha, segundo livro da série As Brumas de Avalon de Marion Zimmer Bradley, continua a saga das mulheres da corte da Bretanha, já então do Rei Artur. Ao contrário do primeiro livro, neste temos a presença contínua da cristã Gwenhwyfar (Guinevere), a Rainha, como o próprio título já indica. As outras personagens, com exceção de Morgana aparecem muito pouco e são mencionadas poucas vezes também. A Senhora do Lago, Viviane, é praticamente deixada de lado e Igraine possui um capítulo dedicado à ela.

Infelizmente, até mesmo Morgana é deixada um pouco de lado na trama. Com isto, quero dizer que ela até aparece bastante, mas seu papel é secundário, pois a narrativa está mais preocupada em narrar o desenvolvimento de Gwenhwyfar de frágil e amedrontada menina que foi desposada contra sua vontade, à Rainha de fato, que impõem sua vontade ao marido e exige inclusive que ele quebre seu juramento para com Avalon. Além disso, ela precisa lutar contra a tentação que Lancelot representa, sendo ele o amor que ela tanto deseja e não pode tê-lo, afinal ela é casada, e como boa cristã não pode entregar-se a outro homem, pois além de traição seria também pecado.

Em meio aos acontecimentos envolvendo o futuro do reino, há um reencontro entre Morgana e Lancelot, bruscamente interrompido. Acompanhamos, mesmo que em segundo plano, a trajetória de Morgana depois dos acontecimentos do final do primeiro livro. Temos a belíssima e intensa descrição do parto, onde Morgana da a luz ao filho indesejado. Segue-se a isso a ida de Morgana para a corte do Rei Artur, seu irmão, e sua permanência por lá como dama de Gwenhwyfar. Depois de alguns anos toma a decisão de voltar para Avalon. O capítulo que narra o encontro de Morgana com o País das Fadas e os dias que por lá passou é muito bonito. Marion descreveu com uma veracidade bastante interessante, além de utilizar o jogo de palavras para fazer o leitor sentir como se também estivesse por lá e passasse pela mesma confusão temporal pela qual a personagem passou.

Continue lendo →

As Brumas De Avalon Livro 1 – A Senhora Da Magia, de Marion Zimmer Bradley

As Brumas de Avalon Livro 1 - A Senhora da Magia

Acabo de ler o primeiro livro da quadrilogia As Brumas de Avalon de Marion Zimmer Bradley que o Ju comprou pra mim no submarino (por R$ 29,90, um preço justo para uma edição tão pobrezinha e com uma diagramação from hell).

Eu tinha vontade de ler As Brumas de Avalon desde os meus 15 anos, quando comecei a me interessar por religiões pagãs, celtas e até cheguei a ler alguns livros sobre Wicca (alguém lembra da modinha Wicca do final dos anos 90?). O tempo passou e por diversos motivos adiava a leitura. Agora que comecei a quadrilogia não posso mais parar. Fiquei realmente encantada com a beleza do livro e das personagens.

A leitura não foi muito rápida pois li ao mesmo tempo outras coisas e em alguns momentos – infelizmente – tive de priorizar outros textos ao de Marion. Mas todas as vezes que pegava o livro para ler o fazia com imenso prazer e devorava suas páginas.

A lenda que envolve o Rei Arthur me é muito cara desde a infância. Desde lá eu tenho uma fascinação por histórias da Idade Média. Não o medievo dominado pela Igreja Católica, mas aquele das contradições entre paganismo e cristianismo, aquele das tribos que ainda seguiam as religiões antigas e faziam seus rituais nas florestas pedindo por coisas como fertilidade da terra. E como quase todas as crianças, tinha (e ainda tenho) fascinação pelo mágico: por fadas, gnomos, duendes, magos, bruxas, e todo ser mágico das florestas, mesmo tendo dificuldade para definir cada um deles na época (e ainda hoje confundo um pouco as categorias dos fascinantes espécimes).

Nesse primeiro livro, A Senhora da Magia, temos os primeiros acontecimentos que levaram à coroação de Arthur como Rei. E todos eles apresentados através da narração de Morgana e, portanto, a partir de uma perspectiva feminina, o que me encantou ainda mais. Em um universo machista, imposto pelo cristianismo à grupos humanos antes guiados pela Grande Deusa, as mulheres desempenharam um papel importantíssimo tanto para garantir (ou não) a permanência de Avalon, quanto para unir os povos da Bretanha.

Marion Zimmer Bradley reconstrói a partir de estudos da história e da lenda, da fantasia, uma Bretanha no início da Idade Média e faz muito bem. A verossimilhança é impressionante (verossimilhança porque é impossível para a História reconstruir o passado tal como era) e dá ainda mais vivacidade à narrativa. Não só os acontecimentos são extremamente realistas e baseados na história como a descrição das paisagens e principalmente dos rituais são fascinantes.

Continue lendo →

Harry Potter completa 30 anos

Muitos continuam chamando Harry Potter de bruxinho: o bruxinho mais famosos do cinema, da literatura, etc. Mas a verdade é que hoje o “bruxinho” completa 30 anos de vida.

Harry Potter

Harry Potter nasceu no dia 31 de Julho de 1980 e a história dos sete livros da saga se passa ao longo de sete anos, um para cada livro.  Ou seja,  desavisados de plantão (que são muitos, basta ver quanta gente acha que “o ator já está velho para interpretar o bruxinho”) Harry Potter não é mais um bruxinho, e deixou de ser muito antes de a saga acabar. Ele entrou para Hogwarts em 1991 com 1o para 11 anos (primeiro livro, lançado em 1997) e no último livro ele já está com 17 anos.

O protagonista cresce ao longo da história, seja em idade quanto em maturidade, aprendendo com tudo que o mundo da magia o revelou. Junto com ele os livros crescem, amadurecem acompanhando a personagem em sua trajetória, melhorando a cada publicação.

Tenho de confessar (como já fiz aqui no blog) que até muito pouco tempo atrás eu tinha grande preconceito em relação às obras de J. K. Rowling. Achava que eram caça-níqueis sem conteúdo. Estava redondamente enganada. Ganhei os livros do Ju e devorei tudo em menos de dois meses. Fiquei encantada com os personagens, com as histórias e com os filmes também.

Não posso dizer que os livros de J. K. Rowling foram responsáveis pelo hábito e gosto pela leitura, pois esses eu já tinha desde pequena. No entanto acredito que eles possam ascender a vontade de viajar pelas páginas de outros livros para quem não tem costume de se aventurar pela literatura. Alguns pensam o contrário. Essa polêmica é antiga e reascendeu agora com a saga Crepúsculo (que não li e tenho certas restrições ao gênero). Formar leitores é um desafio e recomendo a leitura do texto de Luis Eduardo Matta no Digestivo Cultural onde ele aborda de forma interessantíssima o assunto.

Ao ler Harry Potter eu não estava entrando em um gênero desconhecido para mim, pelo contrário, já era fã da literatura de fantasia. Exatamente por isso eu aceitei dar uma chance à saga. E não me arrependo. Fico feliz de ter lido e de ter virado fã. Espero poder reler os livros logo, mas não deixo de ler outras coisas por isso.

Feliz aniversário Harry. Ah, e feliz aniversário J. K. Rowling.

E no fim de Buffy foram rios de lágrimas

Então terminei de ver Buffy nesse fim de semana. Precisei de um pouco de tempo para me recuperar. Mais uma vez passando por cima dos meus preconceitos. Olhava torto, de cara feia, sempre que ouvia falar do tal seriadinho de uma caçadora de vampiros.

E comecei a prestar mais atenção na série apenas quando vi Firefly e Dollhouse, dois trabalhos do mesmo criador de Buffy The Vampire Slayer, o crudelíssimo e genial Joss Whedon. E sob influência pesada do Juliano, é claro. Não poderia ser diferente: me apaixonei instantaneamente pela série. Pelo argumento, pelo roteiro, pelos personagens. Tudo em Buffy me fazia ficar horas em frente ao computador e à televisão vendo um episódio atrás do outro.

Joss Whedon e Elenco de Buffy

Criador e Criatura

Assim, terminei de ver as sete temporadas em muito menos de um ano. Penso em todos os fãs que acompanharam a série durante sete longos anos, toda a semana, compartilhando as alegrias, as dores e as aventuras que a Sccoby Gang enfrentava. Se eu, em pouquíssimo tempo me senti conectada as histórias e principalmente a alguns personagens, como terá sido acompanhar por todos os sete anos a jornada da caçadora de vampiros e de seus valorosos amigos.

Sentirei falta dos personagens, das tramas, dos vilões, das reviravoltas, dos vampiros desalmados e dos que possuem alma, das irmãs que aparecem do anda, dos romances, da Dark Slayer, das paixões platônicas, dos lobisomens, dos feitiços, das transformações dos personagens. Sentirei falta até da chatice que muitas vezes acometia a protagonista.

E o fim não passou sem me fazer perder litros e mais litros de lágrimas. Não consegui controlar minhas emoções. Assim foi em vários episódios. Todas as temporadas tinham uma áurea especial que me encantava e o gran finale me deprimiu pra valer.

Poderia até pensar: “E agora? Como vou conseguir superar esse final?”. Mas Joss Whedon deixou uma oitava temporada de reserva, em quadrinhos, para todos os que sentem falta.

Então a lamentação fica por aqui, porque tenho uma série de quadrinhos pra ler e um spin-off pra ver (Angel, pra quem por algum acaso não conhece). Mesmo assim, não é a mesma coisa.