Doctor Who 6×08: Let’s Kill Hitler

Doctor Who 6×08: Let’s Kill Hitler

Let's Kill Hitler

Um longo tempo de espera pelo retorno de Doctor Who. E para a segunda metade da sexta temporada um episódio que inicia com “What the hell? Let’s Kill Hitler!” E o próprio nome do episódio sugere a caçada do maior vilão da História da humanidade. É claro que eu me perguntei se esse não seria um ponto fixo no tempo e que não poderia ser mudado, mas deixei o episódio fluir e ver no que ia dar. Acontece que o episódio passou longe de ser um arco isolado e a participação do infame Hitler durou alguns poucos minutos. E que minutos: Rory socou ele bem no queixo e o trancou no armário. Ah meu centurião romano, sempre mostrando seu valor!

Tudo começou com uma história meio maluca de Departamento de Justiça que viaja no tempo atrás de grandes vilões da história por todo o espaço para dar um fim neles. Acontece que esse departamento tem uma nave que assume a forma de corpo humano (no caso do episódio, pois estavam na Terra) e a tripulação é minúscula, controlando tudo lá de dentro. A cabeça é o centro de controle, e a nave pode assumir a forma de qualquer um, miniaturizando a forma original e sugando para dentro de si. E lá dentro tem mini robôs que funcionam como anticorpos dando um fim a todos que não possuem uma pulseira de autorização para permanecerem dentro da nave/corpo. A tal nave estava na Alemanha em 1938 para dar um fim em Hitler. Read More

Doctor Who – 6×07 – A Good Man Goes to War

Doctor Who – 6×07 – A Good Man Goes to War

Amy e Melody Pond

Quase uma semana depois da midseason de Doctor Who ainda não consegui me recuperar. Durante o episódio eu chorei, sorri, fiquei tensa e surpresa muitas vezes. Logo nos primeiros minutos, antes mesmo da abertura, Amy Pond me fez chorar com um discurso lindo. O episódio começa como um conto de fadas, com Amy conversando com sua filha sobre um homem que nunca vai parar de olhar por ela, um homem que têm centenas de anos e que esse homem é seu pai, ele não é conhecido por seu verdadeiro nome, mas como O Último Centurião.

Rory, the Roman

Estilisticamente o episódio traz a sensação de épico da season finale da quinta temporada, The Pandorica Opens e The Big Bang. Mas, desta vez o centro da história é a batalha pela posse de Amy e sua querida filha Melody, que, como o Doutor descobre nesse episódio, foi concebida – ao que parece – na TARDIS e, assim, de alguma forma adquiriu um traço genético dos Senhores do Tempo. Por isso Amy foi sequestrada, para que sua filha fosse usada como arma contra o Doutor.

A história começa com o doutor já ciente do perigo da batalha que enfrentará. Seus inimigos sabem que ele está chegando, que estão lidando com alguém que tem a reputação de um ser quase mítico. Eles só podem se preparar para o pior. O Doutor, por sua vez, está cobrando alguns favores que certos amigos e até mesmo inimigos devem para ele ao longo de seus pouco mais de 900 anos de vida. O que significa centenas de dívidas. Durante todo o tempo em que vemos seus aliados serem recrutados o Doutor é mantido nas sombras, por 20 minutos nós apenas sentimos a sua presença e o efeito que ele tem sobre o universo.

Essa sequência do recrutamento é muito boa e mostra um universo de aventuras que acontecem mesmo quando o Doutor não está por perto. Essa sequência também nos dá a oportunidade de conhecer mais sobre os carcereiros de Amy. Como um grupo de clérigos é apenas um grande grupo de soldados, mas sabemos que eles também são indivíduos recrutados quase sem saber porque e de forma enganosa. Aprendemos que estas não são apenas os maus ou vilões, são pessoas.

Rory, the Roman e os Cybermen

Enquanto isso, Rory, o Romano, foi atrás dos Cybermen para descobrir onde sua esposa estava. E como eu já mencionei aqui, eu sempre espero um ato heróico do Último Centurião Rory. E mais uma vez ele nos brinda com sua bravura e parte para a batalha. E usando a roupa de Centurião. Em um diálogo com River Song ele menciona o motivo da roupa e vemos ali o menino frágil e apaixonado de sempre, impelido pelo Doutor a usar o traje, mas no fundo ele é mesmo aquele Centurião, que esperou por 2000 anos sua amada.

River Song e Rory

E temos um poema, divulgado antes mesmo do episódio ir ao ar, que traz um novo elemento para o universo de Doctor Who:

Demons run when a good man goes to war
Night will fall and drown the sun
When a good man goes to war

Friendship dies and true love lies
Night will fall and the dark will rise
When a good man goes to war

Demons run, but count the cost
The battle’s won, but the child is lost

E é também um bom resumo para o que está por vir no episódio. Assim, vemos o Doutor bem irritado pela primeira vez. Pelo menos na primeira vez em muito tempo. Eu não tenho muita certeza se ele já não esteve com raiva antes, mas o próprio Doutor diz que esse sentimento é novo para ele. Esta é uma maneira apropriada para um episódio que tem muito a ver com o quão longe os personagens chegaram. O Doutor tornou-se uma figura tão temida que ele está mudando a definição da palavra do médico curandeiro para guerreiro. E o momento em que River diz isso pra ele é tão intenso que me fez pensar em todos arcos da série até aqui e traçar na minha mente essa caminho que o Doutor tomou.

[insira aqui a voz e entonação de River Song] SPOILERS!

A maneira como o Doutor e seu pequeno grupo de amigos invade o quartel general e o esvazia é incrível. E o primeiro encontro entre Rory e Melody é tão lindo, quando ele diz pra ela que queria ser cool é tão fofo (mas ainda mais fofo é quando Amy diz para Rory que um homem vestido de Centurião, que a esperou por 2000 anos e agora voltou para resgatá-la é muito cool). Outro encontro encantador é o Doutor com o bebê: “I speak baby”! Ótimo. O Doutor deu seu berço para Melody, só não entendi muito bem porque exitar em falar sobre a quem o tal berço pertencia ou sobre filhos. Ele já falou sobre isso com Rose, por exemplo.  Read More