Na minha caixa de correio #2

In My Mailbox

Agora que 2011 já começou, é hora de voltar com força total com o projetos em andamento. O primeiro post do trecos & trapos em 2011 traz a segunda edição do Na minha caixa de correio. Desta vez um vídeo curto e com pouco a mostrar, mas com perseverança mudaremos esse quadro! Espero que goste, deixe seu comentário com suas críticas, contribuições e dicas.

Perdoem por não ter desejado feliz ano novo no vídeo, esqueci completamente que ele seria o primeiro post do ano. Então, por escrito mesmo: Feliz Ano Novo!

[youtube1]2rSK2Ipdw_o[/youtube1]

Mais uma vez desculpa o chiado e o vídeo sem nenhuma edição, mas ainda estou apanhando para os programas disponíveis no Ubuntu…

Um meme criado pela Kristi, do The Story Siren, em que mostrarei tudo que recebi durante a semana.

Blog Retrospectiva 2008

Em outro desafio lançado no blosque fui convocada a fazer a retrospectiva 2008 aqui do blog. E curiosamente essa já era minha intenção desde muito tempo. O bom do desafio foi dar as bases para tal retrospectiva. A seguir, então, escolhi um post de cada mês de 2008 para recordar.

Janeiro:

Permacultura – um texto introdutório à prática da permacultura, em tempos de aquecimento global é muito importante pensar em alternativas naturais e saudáveis para cuidar de si e do planeta.

Fevereiro:

Visita de Peso – neste texto eu mesclei um pouco de experiência pessoal (ter conhecido o Lucio) com uma dica de documentário (Lucio, de 2007). Um pouco da história de vida desse senhor que pode passar despercebido pelas ruas hoje em dia, mas que durante muitos anos teve uma militância política muito forte na Europa.

Março:

A última esperança sobre a Terra – depois de ter lido o livro homônimo resolvi escrever sobre minhas impressões acerca da obra, e não pude deixar de estabelecer relação com suas versões cinematográficas. Vale também como dica de livro e cinema.

Abril:

Um pouco sobre a História do Cinema de Animação nas terras Tupiniquins – o próprio título já esclarece o assunto. Uma pequena introdução ao assunto, é claro. Acho que o texto vale a pena para quem tem curiosidade e gosta de animação, e também para descobrir alguns títulos emblemáticos da animação brasileira.

Maio:

O Maio de 1968 – este ano foi comemorado em todo o mundo os 40 anos dos eventos que ocorreram na França e em muitos outros lugares do mundo (inclusive no Brasil) em maio de 1968. Neste post eu tento fazer o exercício de recordar esses acontecimentos e opinar sobre alguns pontos divergentes.

Junho:

MyMoleskine – quem ainda não conhece o tal do moleskine pode ter uma idéia, e quem já conhece pode ver alguns dos desenhos que eu fiz no meu 1º moleskine através do vídeo que eu postei.

Julho:

1984 de George Orwell – alguns comentários sobre as duas vezes que li o livro. E também sobre a relação que tenho com ele. Vale como dica de leitura e de cinema.

Agosto:

De onde surgiu o Romance Policial? – um texto com intenção de introduzir o leitor leigo no assunto e incitar curiosidade. Mas é também uma síntese que serve para consulta para quem já é entendido.

Setembro:

Viagem no tempo – um texto que explora de forma bem básica algumas das teorias da viagem no tempo exploradas na ficção científica.

Outubro:

O Maravilhoso Mundo das Séries – alguns dos meus personagens favoritos das séries que tenho visto. E eu gostaria de saber quais são os teus.

Novembro:

Peanuts, como eu gosto. – Algumas das minhas apreciações sobre essa turma maravilhosa que encanta crianças e adultos desde os anos 50.

Dezembro:

5 coisas que aprendi sobre blogs em 2008 – para compartilhar meu aprendizado, e desejo que compartilhe o seu.

Agora que eu já listei um post publicado para cada mês do ano dou por encerrada essa retrospectiva, mas não deixe de navegar nos textos relacionados, deixar sua opinião sobre os textos e experimentar fazer uma retrospectiva própria.

Peanuts, como eu gosto.

Ah, como eu adoro Peanuts! Dos desenhos, das tirinhas, do humor doce-amargo-negro. Tem algo de encantador nas tiras de Charlie Brown, Snoopy e de todo o elenco de personagens adoráveis. Na verdade é difícil escolher qual deles eu gosto mais. Tenho uma afeição muito grande pelo Charlie Brown, pelo Snoopy. Mas não posso deixar de mencionar o quanto gosto de Linus van Pelt e seu cobertor azul, fiel companheiro.

As tiras quase sessentonas são tão contemporâneas, e são responsáveis por frases tão clássicas como essas do Linus: “Há três coisas que aprendi a nunca a discutir com as pessoas: Religião, Política e a Grande Abóbora” (e a frase vai para o Grande Abóbora, por motivos óbvios), ou ainda “Como você pode dizer que estou gordo? Estou apenas com estômago musculoso” (feita sob medida para esta que vos escreve), ou ainda “Não falei que tô apaixonado por ela, simplesmente disse que gosto muito do chão que ela pisa…” (invertendo o gênero do enunciado…)

Não há busca de sentido nos pequenos balões das tiras criadas por Schulz lá em 1950. Há sim uma desconstrução de signos, um abalo que beira ao cataclisma com apenas algumas igênuas palavras dos personagens. Tanto as tiras, quanto os desenhos carregam em si uma simplicidade aterradora, pois dessa simplicidade saem palavras tão sábias, silêncios tão esclarecedores e gestos tão encantadores.