Arquivo

Skoob

Posts em Skoob.

Editora Dracaena anuncia novos lançamentos de Novembro

A Arte da Invisibilidade
Páginas: 132
Pré-venda | Skoob
Sinópse: Área 51? Matrix? Iluminatis? O livro não só confirma (dando exemplos cabíveis) a existência de uma ‘matrix ilusória’, criada para nutrir-se de nossa sociedade privada de evolução, mas, também, apresenta formas interessantes de nos tornarmos invisíveis a esta prisão hipnótica. Para que, por fim, a Terra possa se reunir de uma vez com os representantes intergalácticos de outros povos (interessados em nossa evolução, e prontos para o desembarque em solo terrestre). Uma viagem daquelas!Segundo o autor, a obra suscita aspectos evolutivos decadentes na filosofia humana atual, empurrando as mentes para soluções simples e libertárias. Trazendo de volta poderes adormecidos da raça humana.

Conheça o autor: Allan Pitz – O escritor carioca é, além de diretor teatral ? o que confere à sua escrita uma dramaticidade extra, inerente às artes cênicas ?, um pensador do asfalto, um peregrino das ebulições da vida, filósofo urbano, romancista original. Autodenomina-se com humor: “Escritor por maioria de votos, contador de histórias, visceral, humano, PhD nas próprias reflexões e estudos solitários sobre tudo”. Tem compulsão pela vida, que registra em jorros, nas incontáveis cenas de absurdo criadas a partir de sua observação do cotidiano. Tudo pode ser subsídio para se transformar em uma cena, um conto, uma ideia para um livro.

Contos de Meigan – A Fúria dos Cártagos
Páginas: 618
Pré-vendaSkoob
Sinópse: Meigan é um mundo diferente do nosso, morada de seres especiais e poderosos que se denominam magis. Na aparência são exatamente como nós, mas as diferenças não podem ser ignoradas por muito tempo. Os magis tem uma relação especial com a natureza e seus elementos, moldando-os a sua vontade e apoderando-se de sua força. Esses elementos, chamados mantares, não se limitam apenas aos conhecidos fogo, terra, ar e água. Existem muitos outros, como as sombras, o tempo e até mesmo o controle sobre o próprio corpo. Ter a capacidade de decifrar, entender e interagir com a natureza é um dos principais requisitos para a evolução de um magi. Para tanto, deve-se, primeiramente, entender que tudo faz parte da mesma manifestação natural e que toda matéria e energia estão inseridas em um processo dinâmico e universal.

Conheça as autoras: Roberta Spindler – nasceu em Belém do Pará, em 1985. Graduada em publicidade, trabalha como editora de vídeos. Escreve desde a adolescência e é apaixonada por literatura fantástica.
Oriana Comesanha – tem 25 anos, nasceu em Belém do Pará. É formada em psicologia pela Universidade Federal do Pará e trabalha na área de psicologia jurídica. Começou a escrever ainda jovem, atividade que originou o livro Contos de Meigan – A fúria dos Cártagos, e atualmente divide seu tempo entre a paixão pela profissão e pela literatura. Tem alguns contos ainda não publicados, além de publicações em sua área de interesse profissional.

Demoníaco – Saga Asa Negra – Vol. 1
Páginas: 240
Pré-venda | Skoob
Sinópse: Diablo Ader é filha de uma relação entre Lilith e Lúcifer, que resolve sair do Inferno para trabalhar na Terra como caçadora de demônios. Conhecida por sempre obter sucesso, os Anjos colocam nas suas mãos uma tarefa que, ao seu ver, era a mesma das outras: matar um demônio. Este, porém, seguia uma linha de terrorismo completamente diferente dos outros: ele estuprava e espancava adolescentes até a morte, porém, não deixava rastro algum. Durante dias ela procura por ele e não obtém sucesso, até certo dia, em que ele deixa um forte rastro. Mas ela nunca imaginou que simplesmente correr atrás dele e matá-lo seria uma tarefa tão complicada…

Conheça a autora: Pandora Fairel – é brasileira, natural de Santa Catarina e tem dezessete anos. Está cursando o último ano do Ensino Médio e pretende cursar Cosmetologia e Estética, Artes Cênicas e Letras futuramente. É apaixonada por livros, teatro e sua paixão é a escrita. Demoníaco é a sua estréia literária.

Eu já te contei que eu tenho um perfil no Goodreads?

Goodreads

Não? Bem, eu tenho. Eu já estou cadastrada no Goodreads desde julho de 2009, mas foi apenas nessa última semana que resolvi aproveitar todas as possibilidades que essa rede social para leitores oferece.

Goodreads não é nada novo, mas é realmente muito bacana e, ao contrário de alguns outros sites de rede social, não é um modismo. Mas aviso, é viciante e uma ótima alternativa para nós, parvos bookworms. Você pode ver o que seus amigos estão lendo, ler as opiniões de outras pessoas – boas e ruins – e discutir os livros que você está lendo atualmente ou aqueles que já leu. Além disso, é uma boa maneira de encontrar novos livros para ler e se conectar com outros viciados em livros.

A página é em inglês, o que não pode ser um problema se você não lê o idioma, e por conta disso a maioria dos livros são edições em inglês. É difícil encontrar edições brasileiras? Depende do livro. Muitas edições de livros brasileiros e traduções já foram cadastradas, mas nem sempre será aquela que tu leste. Isso é um problema para quem, como eu, é compulsivo por organização a ponto de querer exatamente a edição e a capa do livro que leu. Claro que sempre é possível cadastrar a sua edição. Assim como no Skoob, o Goodreads é colaborativo, mas a política para adicionar livros e novas edições é bastante rígida. E para editar os livros e edições já existentes é preciso fazer parte do Goodreads Librarians, ou seja, ter no mínimo 50 livros na sua estante virtual e se inscrever para tal.

Ao mesmo tempo que isso mantém o site organizado e sob controle, dificulta a vida de alguns usuários que prestam atenção em cada detalhe e sempre encontram um erro em determinada edição ou quer adicionar uma imagem para a capa de algum livro. Eu me cadastrei para participar do Goodreads Librarian, mas ainda não recebi resposta, até lá eu me contento em apenas adicionar os livros que li e ainda não estão cadastrados por lá e marcar como lido as edições disponíveis. É um trabalho e tanto, poi estou passando todos os livros marcados como lidos no Skoob para o Goodreads, o que não significa o abandono da rede social brasileira. Como as férias da faculdade já estão no fim, a partir de agora o cadastro das leituras passadas será feito a passos de formiguinha, pois tenho de me concentrar nas leituras que virão.

E tu, já conhecias o Goddreads? Tem perfil por lá? Se quiser me adicionar, fique à vontade. Lá, e em toda rede social que eu tenho perfil, eu sou a clandestini.

Morgan: O único, de Douglas Eralldo

Morgan: O únicoMorgan: O único é o livro de estréia de Douglas Eralldo. Morgan, o protagonista, é um zumbi que conta sua história. Ele narra como foi se transformar em zumbi e como foi encontrar a pequena cidade (que fica claro ser do Rio Grande do Sul) em que vivia e tudo que aconteceu depois de ter levantado da própria tumba. Uma ideia interessante e o maior mérito do livro, e apesar de não ser o primeiro defunto a narrar sua história na literatura nacional, é o primeiro a narrar os post morten (pelo que tenho conhecimento). Morgan é um zumbi diferente, aliás, bastante diferentes dos zumbis a que estamos habituados.

Morgan tem consciência do que é e do que faz. Ele consegue pensar e articular estratégias tanto para encontrar sua cidade, quanto para fugir ou procurar certas pessoas. No entanto, o próprio Morgan/narrador afirma o tempo todo como os zumbis são burros e não pensam: ele tem cérebro, ao passo que os zumbis criados por ele ao se deliciar com o cérebro alheio não o tem, apesar do clichê de filme de comédia sobre zumbis, faria sentido se ele não se incluísse entre os zumbis com falta de uma inteligência mínima. O que acaba tirando muito da credibilidade da própria narração. Se o autor suprimisse essas passagens acredito que esse problema estaria resolvido.

No entanto, as reflexões de Morgan conseguem ser bastante pertinentes em muitas passagens do livro, mostrando uma reflexão sobre o mundo em que vivia. Muitas delas dedicadas à paixão de infância, uma jovem que, descrita fisicamente em demasia, some em determinado ponto e ficamos sem saber o que ocorreu com ela. Talvez o mistério seja interessante, mas fato é que o sumiço pareceu uma falha no texto e não uma questão de estilo ou parte da trama.

Apesar do assunto que me fascina, eu não apreciei o livro como gostaria. Como fã de zumbis, achei a história mal contada, sem motivação e sem a adrenalina típica das histórias de mortos-vivos. Além da percepção de gosto pessoal, acredito que faltou revisão no texto, não de gramática ou ortografia, mas da própria construção textual. A obra possui incoerências e erros de continuidade (como a descrição e uso dos dentes do personagem que muda conforme a situação em que Morgan se encontra) que prejudicaram a narrativa e a suspensão da realidade necessária para prender o leitor na história. E a inserção de algumas passagens foi totalmente desnecessária e mais atrapalhou do que ajudou no texto de Eralldo, como por exemplo uma explanação sobre o motivo de não gostar de horário de verão jogada no meio do texto. Apesar de prometer uma história muito bacana, não convence devido a falta de concretude em alguns pontos da narrativa.

Eu entendo que é o primeiro livro do autor e ressalto a originalidade e a potencialidade dele, mas acho que faltou maturar um pouco mais a ideia e o próprio texto.

Morgan: O único
Autor: Douglas Eralldo
Editora Literata
Skoob
Páginas: 160
Ano: 2011

Esta resenha faz parte do projeto Zumbi Errante, o Book Tour promovido por Douglas Eralldo para divulgar seu livro.

Rede social para quem ama ler

Redes sociais existem as pencas. Tem de tudo. De série, de cinema, de música, twitter, facebook, orkut etc, etc, etc. E de literatura, não tem não? Tem sim, muitas. Mas hoje quero falar de uma só, uma das minhas preferidas. Eu já testei muitas redes sociais para quem gosta de ler, e na gringa tem muitas. Mas aqui no Brasil tem uma muito boa mesmo. Na minha opinião uma das melhores, mas vai saber.

Já ouviu falar do Skoob? Pois é, o Skoob é uma rede para fazer amigos que gostem de ler como eu e você, além de poder cadastrar todos os livros que já leu, pôr tags para em cada um deles e ainda colocar a data de término da leitura – o que eu adoro, porque minha mania de organização é tamanha que gosto de vê-los na estante do lido mais recentemente ao primeiro livro lido (os que eu lembro, porque os livros lidos na mais tenra infância eu não lembro todas as referências não).

Dá para marcar os livros que está lendo, fazer um histórico de leitura e até cadastrar resenhas para seus livros.E uma das ferramentas mais legais é poder cadastrar livros novos e ainda cadastrar edições diferentes de um mesmo livro (para aparecer na sua estante a capa exata do livro que leu!). Marcar livros que vai ler, os que tem, os que deseja, os que quer trocar.

E é possível ver o top dos mais lidos, dos mais abandonados, marcar estrelas nos livros lidos e ver quantas estrelas ele já recebeu, quantos marcaram 1, 2, 3, 4 ou 5 estrelas. E ao acessar a página de alguém ele mede a sua compatibilidade literária com o sujeito! E dá até para saber quais foram os últimos livros cadastrados. Nossa, é ferramenta que não acaba mais.

E se ainda não te convenci, lá vai: se fizer o seu cadastro através dos links contidos aqui no post você automaticamente estará participando da promoção de natal que sorteará livros para renovar sua estante!

Em resumo, o Skoob é o que há! Cadastre-se e torne-se um skoober! Participe da família de leitores, colabore e divirta-se muito. Tô te esperando lá hein!