Twice upon a time: me despedindo do 12º Doutor

Eu sou apaixonada por Doctor Who, e não é de hoje. Tem muitas tentativas de resenha aqui no blog para provar. Mas como tanta coisa aconteceu e o blog passou por muitas fases e abandonos, acabai não falando mais sobre uma das minhas séries preferidas da vida por aqui. Isso até agora, porque nesse Natal o especial foi exibido no cinema e eu fui conferir, porque foi especial também por ser uma regeneração, a do Capaldão (apelido carinhoso que utilizo para me referir ao Peter Capaldi, o 12º Doutor). Disclaimer feito, vamos ao que interessa.

Nossa, como chorei. Aliás, no documentário exibido antes do episódio de fato começar eu já estava chorando. Chorei não apenas por ser uma regeneração, que sempre é muito emocionante, mas todo o clima do episódio, todas as falas, tudo foi tão maravilhosamente e cuidadosamente feito que me atingiram em um nível que nem sei explicar.

Logo no início do episódio Rachel Talalay inseriu o ator David Bradley como 1º Doctor de uma maneira muito bacana. A forma como ela inseriu na tela o primeiro Doutor foi incrível, uma mistura de imagens da época com imagens refeitas em cima das que já existiam. Perfeito! Eu já adorava a ideia de David interpretar o primeiro Doutor desde An Adventure in Space and Time, um telefilme britânico de 2013 escrito por Mark Gatiss especialmente para o aniversário de 50 anos de Doctor Who, que  dramatiza a forma como Doctor Who foi criado e produzido. Mas eu fiquei impressionada com foi uma excelente escolha! Bradley arrasou, de verdade. E ver todo o conflito entre a primeira e a última versão do mesmo Doutor foi mesmo muito especial.

Nesse episódio o Doutor, em suas duas versões, questiona sua regeneração. Cada um com seus motivos, eles não querem regenerar. E durante o episódio o amadurecimento dos personagens em torno dessa questão é muito bem trabalhado. Cada fala dos dois leva ao final do episódio. E que falas. Todas, eu disse todas as falas do episódio são absolutamente bem trabalhadas e fazem parte de algo maior, a regeneração que está por vir.

O enredo do episódio é também fantástico. A criatura nova que é apresentada, um problema na linha do tempo, o retorno de personagens queridas, tudo é ao mesmo tempo novo e nostálgico. Foi um episódio para os fãs e para a equipe envolvida (que também é fã). O amor dos atores e atrizes, da diretora, do Moffat pela série era palpável na tela.

O conflito, o medo de seguir em frente, os desfechos, cada coisa muito bem trabalhada para que a despedida de Capaldi fosse triste, mas um triste melancólico, um triste nostálgico, não só de Capaldi, mas de todos os doutores.

E o desfecho para Bill e Nardole, que coisa mais linda! E Clara, ah Clara, foi tão bom te rever, tão maravilhoso o que Moffat nos presenteou, a forma como sua história foi encerrada. Mark Gatiss estava espetacular também. Um oficial da primeira guerra que ficou preso numa intrincada ruptura na linha do tempo que interpretou de forma maravilhosa a confusão e maravilhamento de estar na TARDIS e viajar para outros tempos e lugares, conhecer pessoas diferentes e conhecer dois doutores.

Alias, um dos pontos altos (que foram muitos!) do episódio foi acena do Armistício de Natal nas trincheiras em 1914. Que cena arrepiante. Como muitas outras, chorei muito. Aliás, eu chorei o tempo todo. Mas também ri. Muitas referências engraçadas e muitas piadas, todas muito bem colocadas na hora certa. Mas as melhores piadas foram aquelas que faziam referência ao conflito de gerações entre os doutores e como Bill lidou com isso. Alias, Bill, parabéns, você entrou para o roll das melhores companions por tudo que fez nessa temporada, mas nesse especial você estava sensacional.

Sentirei muita falta do 12º Doutor, de Bill e de Moffat, mas estou tão ansiosa pela nova fase, ver como tudo vai ser sem o Moffat e com a Jodie Whittaker como Doutora que estou com meu coração dividido. O gostinho de Jodie como nossa 13º Doutora na TARDIS já me deixou bem ansiosa.

Long story short: amei demais a experiência de voltar a ver Doctor Who no cinema (já tinha visto o especial de 50 anos), chorei muito, ri bastante, fiquei nostálgica com personagens que amo, ansiosa pela nova doutora e já quero a nova temporada para logo.

Alguém mais assistiu? Me conta o que achou.

Steven Moffat deixará Doctor Who após a 10ª temporada

moffat
Hoje o dia foi bombástico para os fãs de Doctor Who. Foram duas, isso mesmo, duas grandes notícias para os Whovians: Steven Moffat anunciou que não será mais o Showrunner da série, quem assumirá em seu lugar é o criador da incrível Broadchurch, Chris Chibnall. E não tem Doctor Who até o especial de Natal de 2016!!!
 
  1. Gosto demais da era Moffat, mas renovar é sempre bom.
  2. Como assim não tem episódio até o especial de Natal desse ano? É muito tempo sem o Doutor!!!
Em 2017 Moffat vai fazer uma temporada que, segundo o próprio, culminará em um grande evento, algo muito importante vai acontecer. Ou seja: como assim ele anuncia que vai sair, que ficaremos uma ano sem o Doutor e ainda por cima larga essa bomba de que algo muito grande vai acontecer. Quer me matar de ansiedade? É isso?
O motivo da saída de Moffat é o desejo de dedicar mais tempo para Sherlock, então esta tudo bem. Afinal de contas ter mais episódios de Sherlock é um desejo imenso. E parece que vai ter spinoff de Doctor Who também… Ou seja, 2017 vai render um caldo para os whovians.
Só posso falar que tenho grandes expectativas para a próxima temporada e muita expectativa também para a chegada de Chibnall em 2018.
E Moffat, muito obrigada pelos Weeping Angels, por todas as suas temporadas, pelo Matt Smith, por Amy e Rory, por Clara Oswald e por Capaldi.

Doctor Who 07×00: The Doctor, the Widow and the Wardrobe

Doctor Who - The Doctor, the Widow and the Wardrobe

Dirigido por: Farren Blackburn
Escrito por: Steven Moffat

 Depois de uma adaptação do conto de Charles Dickens, “A Christmas Carol“, no especial de Natal no ano passado, Moffat nos brinda com “The Doctor, the Widow and the Wardrobe“, inspirado na obra de C. S. Lewis, “The Lion, the Witch and the Wardrobe”, conhecido aqui na terra brasilis como “O Leão, a Feiticieira e o Guarda-roupa“. E as semelhanças não estão apenas no título. Mas apesar delas, a obra de Lewis está bem distante do que é proposto no episódio.

O especial inicia com uma sequência memorável, continuação do prequel citado aqui na semana passada. O que mostra o quanto o Doutor aprontou depois de forjar sua morte. Ele explode uma nave que estava para atacar a Terra (pelo menos foi o que pareceu) e o filho mais ilustres de Gallifrey acaba vestindo um traje de astronauta enquanto percorre o espaço aberto depois de ser expulso da nave com a explosão que causou (olha o traje de astronauta de novo aí, gente!). Ele cai na Terra em 1938, véspera de Natal, e Madge Arwell (Claire Skinner) o encontra com o capacete preso e virado, pois ele “teve que se vestir com pressa”. Impossível ver o rosto do Doutor. Ela o ajuda a encotnrar uma cabine de polícia (a TARDIS, é claro) sem saber de nada. Ela vê nele um anjo do espaço, e ele promete retribuir a bondade, basta que ela faça um desejo – “geralmente funciona”.

Doctor Who - The Doctor, the Widow and the Wardrobe

Eles seguem caminhos separados até que em 1941, na véspera de Natal mais uma vez, Madge recebe  a notícia de que seu marido estava desaparecido. Ele estava lutando na Guerra como piloto e ela não consegue contar para as crianças o que aconteceu. Ela acaba levando os filhos para a casa de um tio no interior para fugir dos bombardeios de Londres (como ocorre na obra de Lewis). Chegando lá a família encontra um zelador muito esquisito, o Time Lord veio atender o desejo de Madge – proporcionar às crianças um bom Natal. Ele fez alguma melhorias na casa (“I know!”), deixando tudo perfeito para as crianças se divertirem. Até deixou um presente debaixo da melhor árvore de Natal de todas. Read More

Doctor Who 6×08: Let’s Kill Hitler

Let's Kill Hitler

Um longo tempo de espera pelo retorno de Doctor Who. E para a segunda metade da sexta temporada um episódio que inicia com “What the hell? Let’s Kill Hitler!” E o próprio nome do episódio sugere a caçada do maior vilão da História da humanidade. É claro que eu me perguntei se esse não seria um ponto fixo no tempo e que não poderia ser mudado, mas deixei o episódio fluir e ver no que ia dar. Acontece que o episódio passou longe de ser um arco isolado e a participação do infame Hitler durou alguns poucos minutos. E que minutos: Rory socou ele bem no queixo e o trancou no armário. Ah meu centurião romano, sempre mostrando seu valor!

Tudo começou com uma história meio maluca de Departamento de Justiça que viaja no tempo atrás de grandes vilões da história por todo o espaço para dar um fim neles. Acontece que esse departamento tem uma nave que assume a forma de corpo humano (no caso do episódio, pois estavam na Terra) e a tripulação é minúscula, controlando tudo lá de dentro. A cabeça é o centro de controle, e a nave pode assumir a forma de qualquer um, miniaturizando a forma original e sugando para dentro de si. E lá dentro tem mini robôs que funcionam como anticorpos dando um fim a todos que não possuem uma pulseira de autorização para permanecerem dentro da nave/corpo. A tal nave estava na Alemanha em 1938 para dar um fim em Hitler. Read More

Let’s Kill Hitler Tomorrow!

Calma, essa não é uma chamada para uma ação em praça pública (mas seria um nome bacana para uma). É que amanhã retorna Doctor Who com Let’s Kill Hitler. O episódio escrito pelo gênio por trás da quinta e sexta temporada da série britânica, Steven Moffat, encerra o hiato de dois meses sem os queridos Doctor, Amy Pond, Rory e River Song e dá continuidade para a sexta temporada.

Estou muito, mas muito ansiosa mesmo para a nova leva de histórias do Time Lord, que tem um trailer de tirar o fôlego:

[youtube1]J2hpa5F5XzA[/youtube1] Link direto para o vídeo

E para recapitular os episódios que já foram ao ar neste ano, um recap de quatro minutos que vale muito o clique:

[youtube1]dCMxbWBiWAg[/youtube1] Link direto para o vídeo

Já para conter a ansiedade (estou precisando!), na página oficial da série é possível muitos vídeos, imagens, jogos e outras coisas divertidas. Não deixe de conferir. E se ainda não assiste Doctor Who, COR-RE!!!