Assista Zombies Infect Lego City

Eu amo lego, quando criança eu tinha um jogo dos coloridos e ainda guardo um todo cor de rosa que montava uma linda casinha de bonecas. Mas o tempo passou e os interesses mudaram e hoje os legos são cheios de conjuntos diferentes, de Star Wars a Harry Potter. E tem ainda aquelas pessoas criativas e cheia de habilidades manuais que criam diversas coisas, de cenários a curta-metragens, usando os famosos pinos lego.

E se misturar lego com zumbi temos uma combinação épica! E foi o que o Tomjoetwins fez. Ele fez uma animação na qual uma infecção se espalha em uma Lego City e os zumbis se multiplicam de forma desenfreada. Lego City sobreviverá? Assista Zombies Infect Lego City.

[youtube1]SIxNiAFUCXM[/youtube1] link direto

Publicado originalmente no MOZW.

Blood Tea and Red String (2006)

Logo no início de janeiro eu vi um post sobre um filme no Anorak. A curiosidade me pegou de jeito.

Finalmente consegui assitir a produção de Christiane Cegavske. E fiquei encantada com o que vi. Uma animação em stop-motion maravilhosamente obsoleta.

Blood Tea and Red String (Dir: Christiane Cegavske; EUA; 2006)

Escrita, dirigida e produzida por Christiane demorou 13 anos para ficar pronta, mas cada minuto na produção desta obra-prima valeu a pena.

Os bonecos e o cenário foram feitos inteiramente por ela e possuem um detalhismo magnífico. Criou um universo novo, onde as cores e seus habitantes são de uma vivacidade enorme, no entanto são também assutadores.

A história tem uma sinopse muito simples: ratos brancos e altivos (aristocráticos, vestidos em estilo Vitoriano) de encontro às criaturas que residem sob o carvalho (orelhas de bastão, pele peluda e bico de corvo). As criaturas criaram uma boneca fêmea com um ovo em sua barriga e a penduram em forma de crucifixo no carvalho. Numa noite, os ratos chegam silenciosamente e levam embora a deusa de pano. Tem inicio uma perseguição para recuperar a boneca.

Criaturas do Carvalho Criaturas do Carvalho

A seqüência é totalmente livre de diálogos dando um toque ainda mais especial e fazendo a trilha sonora de Mark Growden um elemento de muita importância. É impossível imaginar o filme sem a flauta que um dos habitantes do carvalho toca constantemente.

Uma fábula enigmática e sombria, que muitos diriam não ser indicados para crianças. Mesmo que todo conto de fada tenha sido originalmente sombrio. Esse é um conto de fadas adulto  muito inspirado no cinema de David Lynch. Inspiração que essa que salta aos olhos já nas primeiras cenas da película feita totalmente à mão.