tudo vai mudar

Incrível o quanto a gente realmente vai perdendo a empolgação de antes. não é mentira quando dizem que à medida que o tempo passa, mais preguiça de sair de casa temos.

velhice, say hello!

Palma, palma, não priemos cânico. Eu não morri, nem fiquei paraplégica, foi só o computador lá de casa, o Asdrubal, que pifou. E uma das desvantagens de se estudar em universidade pública federal é que para conseguir um computador só na base do tapa e do facão. Exageros a parte, estava morrendo de saudades de postar por aqui, mas como já expliquei, estou sem computador e com muuuuuuuuuuuuitas coisas da faculdade pra fazer, além de estar estudando nas cadeiras regularmente matrículadas estou fazendo outra como ouvinte e trabalhando com a professora Adriana Dias voluntariamente para auxiliar na catalogação dos artefatos encontrados na escavação feita por ela e colegas em julho. Muitos filmes vistos nesse sumiço, mas fica pra outra hora. Beijos e até breve, espero!

Fase

As aulas estão legais, na medida do possí­vel, pois ainda há burocracias a serem resolvidas. É o que se paga por estudar em universidade Federal! E todos dizem: “Mas isso é normal, faz parte”.

Estou adorando estudar arqueologia num dia, Pré-história Brasileira em outro, tudo de graça, com qualidade. Comer no R.U. por apenas 1,30 sem suco.

E estou com um misto de sentimentos absurdo: amor excessivo, empolgação aliada à  preguicinha, uma melancolia atroz, nostalgia além do normal, uma coisa esquisita. No fritar dos ovos, o resultado é uma tranquilidade muito absurda que faz com que eu me sinta bem e feliz. Finalmente estou satisfeita com o rumo que a minha vida está tomando, tudo agora tem sentido, tudo agora tem uma razão, para tudo crio um motivo.

Imagine que hoje pela manhã descubro que não poderei mais estagiar no Museu em que trabalho desde o iní­cio do ano porque consta na minha matrícula da UFRGS que estou no primeiro semestre, apesar dos créditos cursados na UNI$UINO$. Toda uma burocracia do cão para avaliar o pedido de dispensa, que provavelmente ficará pronto só no fim do semestre, e isso tinha que colidir justo com a renovação do estágio! E mesmo assim estou achando que minha vida está tomando rumo! Acho que vou buscar uns remedinhos com o pessoal da Psiquiatria.

Como disse, estou vendo um mundo mais algodão doce. E acabei de ser convidada a integrar o Núcleo de Pesquisas Arqueológicas pela Professora Adriana Dias! Trabalhar de graça um pouquinho, com a esperança de ganhar uma bolsa de iniciação Cientí­fica: feliz é meu nome!

Espero que essa fase só passe para se tornar ainda melhor. Estou no primeiro acerto advindo do erro alheio da minha vida, acho foda.