Arquivo

janeiro 2007

Posts em janeiro 2007.

Janeiro é tempo de curtir o Sol?

O mês de Janeiro é: Porto Alegre, 40º, gente tostando no litoral, gente curtindo o mar, gente viajando, surfando, coçando. Mas e eu? Eu trabalhei o mês inteiro! Além disso, já li três livros, vi 26 filmes e fiz dreads nas madeixas.

Aqueles que se dão ao trabalho de ler o que escrevo perceberam que não nomeei filme algum este mês. Isso porque adotarei uma nova estratégia (quem lê pensa que estou em uma guerrilha): todo último dia do mês farei uma listagem de todos os filmes que vi naquele mês. Isso os poupará de ter de aturar meus comentários chatos cada nova sessão de cinema ou filmes vistos em DVD. O que não significa o fim das mau escritas e totalmente não profissionais crí­ticas que por vezes me aventuro a publicar. Se fosse o caso, teria de acabar com uma das minhas categorias por aqui, e não é minha vontade.

A lista prometida (pause o rato sobre os links e leia minha modesta opinião): V de Vingança, A queda – As últimas horas de Hitler, Espí­ritos – A morte está ao seu lado, Linha Mortal, Procura-se um amor que goste de cachorros, O Chamado 2, Amaldiçoados, Dia dos Mortos, American Pie – O Último Stifler Virgem, A casa dos mil corpos, Coisas Belas e Sujas, O Jardineiro Fiel, Os Sonhadores, O Senhor dos Anéis – A Sociedade do Anel, O Senhor dos Anéis – As Duas Torres, O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei, Indiana Jones e os Caçadores da Arca Perdida, Indiana Jones e o Templo da Perdição, Indiana Jones e a Última Cruzada, Nêmesis, A Vida e a Morte de Peter Sellers, Xeque Mate, Apocalypto, Amor aos Pedaços, Pela Vida de Um Amigo.

Em tempo, estou felizinha e ao mesmo tempo com uma “preguiça mor” porque esta semana terei de trampar dobrado para compensar horas negativas. Mas vai passar rápido.

Filosofia barata em 24 horas!

Recebi um email muito engraçado hoje. É engraçado porque é exatamente assim que ele é, o maior de todos os tempos, do passado e de tempos vindouros, ele, Jack Bauer! Ele não perdoa ninguém.

Aqui umas pérolas da “Filosofia Bauer”:

>> Quando um terrorista é condenado a enfrentar Jack Bauer, ele entra com recurso para ser sentenciado à morte;

>> O orçamento militar dos EUA para 2007 cobre Jack Bauer, duas pistolas e 4 bilhões de balas;

>> O Super-Homem é um dos poucos que sobreviveram a Jack Bauer. Mas apenas porque ele consegue voar;

>> Quando Kim Bauer perdeu a virgindade, Jack a encontrou e colocou de volta;

>> Se todos em 24 Horas seguissem as instruções de Bauer, o seriado se chamaria 12 Horas;

>> …e no sétimo dia, Bauer disse: A partir de agora é comigo;

>> Jack Bauer dorme com um travesseiro embaixo da pistola.

Mais da Filosofia você encontra no TWENTY FOUR (24) TV.

Contra a MacDonaldização

Todos sabemos que o mundo em que vivemos segue um caminho questionável. Os grandes centros empresariais, midiáticos, de poder, ditam o que é periferia, o que é diferente e o que deve ser adotado para se conseguir aceitação na “sociedade ideal!. Para isso, todos os meios são utilizados. O sistema não perdoa ninguém. O sotaque gaúcho é uma vítima disso, e é também uma das minhas principais referências. Foi dessa maneira que aprendi a falar, a me comunicar. E é também o sotaque mais bonito do Brasil, na minha humilde opinião. Claro que eu tenho admiração pelos sotaques do nordeste, do centro-oeste, o mineirinho é fofo, mas ainda prefiro o “mas que barbaridade tchê” daqui da terrinha. Sou bairrista mesmo. E dentro do Rio Grande do Sul existem ‘n’ sotaques, maneiras e trejeitos que expressam raízes, culturas e imaginários diferenciados. Pensando nisso, afirmo mais uma vez a minha opinião: sou contra a MacDonaldização do mundo, contra a massificação, uniformização, mentes vazias. Acredito que ser igual é não existir de verdade. O apego ao local, não sendo xenófabo nem anti-estrangeirismo, é muito saudável e importante. Exercitar uma relação entre o local e o global e buscar referências é se tornar único. A globalização é isso, a globarbarização é o que sistema faz.

Até agora o saldo de 2007 foi bem positivo!

Buenas, depois de tanto sumiço por motivos mais do que justos: férias, volto com todo o gá para acompanhar o monte de coisas que 2007 têm a oferecer para mim e para o sítio… Antes de mias nada quero dizer que a virada de ano foi muito divertida, pois passei ao lado de grandes amigos, cantando o hino do timão e até a pé nós iremos, para o que der e vier nesse ano novo! Então a primeira música do ano foi o hino do Grêmio Futebol Portoalegrense. E já li o primeiro livro desse ano: O Senhor dos Anéis – As Duas Torres. E já estou no fim do último da trilogia. O primeiro filme de 2007 não poderia ser melhor: V de Vingança. Um dos melhores filmes dos últimos tempos. Fui o primeiro destaque de 2007 no Templates da Lua:

Só tenho a agradecer pela escolha!

Computador novo, televisão nova, quarto novo… Posso dizer que nada ruim aconteceu comigo, ainda, apesar de tanta tragédia atingindo tantos lugares e pessoas, eu não sou vítima delas. O que não quer dizer que eu não tenha compaixão por essas pessoas e não tente encontrar soluções para esses problemas que parecem tão longínquos e que no entanto são uma pequena ponta do iceberg da “vingança da natureza” por tudo o que já fizemos à ela. Portanto não posso dizer que o saldo foi somente positivo, pois o que ocorre comigo é insignificante perto de tantos acontecimentos, sofrimentos, alegrias, tragédias e descobertas espalhados pelo mundo e fora dele.