Feira do Livro? A polêmica!

Na sexta-feira, 26 de outubro de 2007, teve início a 53ª edição da Feira do Livro de Porto Alegre. Uma grande feira de livros à venda com os mesmo descontos dados em qualquer promoção de qualquer livraria! Acho o evento cultural válido como patrimônio Cultural da cidade. No entanto a verdadeira função social está apagada (se é que algum dia ela esteve ali).

É de praxe ir até a Praça da Alfândega nos meses de Outubro e Novembro visitar as centenas de banquinhas e participar das muitas atividades oferecidas para o público. Mas a cultura do livro em Porto Alegre, ao contrário do que possa parecer, não existe (ou ainda é bastante fraca). Na contramão da feira as pessoas passam pela praça em mais um evento, sem se dar conta do que aquilo realmente representa. Vender livros é o maior objetivo da feira e é exatamente nisso que eu discordo do evento. Cultivar a cultura do livro é muito mais importante do que vender milhares de exemplares que ficam entulhados em estantes empoeiradas.

No ano passado houve uma iniciativa muito boa, a de criar uma espécie de lounge onde as pessoas poderiam sentar, conversar sobre livros e trocar idéias sobre diversos assuntos, ou simplesmente ler. Nesse ano o lounge não vai acontecer novamente. Por quê? Porque, segundo uma das organizadoras em entrevista ao jornal ZERO HORA,  a senhora Sônia Zancheta (ex-patroa, que eu detesto) esse espaço era desnecessário e lotava demais. Ora senhora Sônia, um espaço de convivência não seria um espaço para que as pessoas pudessem freqüentar?

Em suma, a Feira do Livro é um evento baseado na hipocrisia: vender é mais importante que ler! Bizarro.

Sou apaixonada por um tal de Moleskine

Um caderninho caro, com capa de couro, folhas especiais e de um glamour incomparável: esse é o tal do moleskine. Pelo mundo estão espalhados milhares de admiradores desse item tão charmoso. Centenas de comunidades são dedicadas a ele e o Alessandro Martins encontrou um blog totalmente dedicado aos rabiscos, rascunhos, desenhos, pinturas e intervenções das mais variadas que os donos mais criativos agregam ao caderninho, o Moleskine Project.

Também no youtube é possível encontrar centenas de vídeos relacionados ao legendário moleskine além de vídeos de artistas mostrando os trabalhos que fazem em seus moleskines, página por página. A seguir o moleskine da artista Celia Squire e seus desenhos maravilhosos.

[youtube1]c9TiB0aYIlA[/youtube1]

Também vou compartilhar, aos poucos, os desenhos do meu caderninho (que já está no fim). Alguns deles eu já coloquei no meu flickr e no meu fotolog, e posteriormente vou “copiar” a idéia do vídeo também.

meu moleskine

Redescobrindo Galeano

Nas leituras de adolescência ele sempre esteve lá, presente. Denunciando, cúmplice dos meus anseios, desejos, rebeldias. Passou por tanto tempo engavetado, em um cantinho escondido do meu subconsciente. E com uma leitura, pequena leitura, de um pequeno parágrafo ele pula para fora da gaveta, aponta para os neurônios, cutuca e faz a maravilha das sinapses acontecer. Agradeço a Eduardo Galeano por muitas coisas. Agora é hora de retomar, reler, relembrar. Sussurrar ao pé do ouvido as frases cortantes de seus textos. Galeano de alma castelhana, forte, aguerrido e bravo. Peleador das palavras. Me encontro com as janelas da alma escancaradas para receber suas frases. Com o coração aceso, pronto para receber os golpes de sua ironia. A alma cultivada para receber as sementes das suas provocações.