Juno – Trilha Sonora

Uma das razões para Juno ser um dos filmes mais fofos desse começo de ano (e mais indie também) é a trilha sonora. A  comédia indicada para quatro Oscars e ganhadora de um (melhor roteiro original) liderou a lista dos 200 discos mais vendidos nos EUA na última semana, de acordo com a Billboard. Esta é a primeira vez que a trilha sonora de um filme atinge o topo do ranking divulgado pela revista norte-americana desde Titanic, de 1998.

[youtube1]20PQBtyfNZY[/youtube1]

A trilha é composta pelas canções folk de Kimya Dawson (que costumava ser da banda Moldy Peaches), algumas composições dos escoceses do Belle & Sebastian e Cat Power.

Juno – Soundtrack (2007) (download)

01-All I Wan Is You – Barry Louis Polisar
02-Rollercoaster – Kimya Dawson
03-A Well Respected Man – The Kinks
04-Dearest – Buddy Holly
05-Up The Spout – Mateo Messina
06-Tire Swing – Kimya Dawson
07-Piazza New York Catcher – Belle & Sebastian
08-Loose Lips – Kimya Dawson
09-Superstar – Sonic Youth
10-Sleep – Kimya Dawson
11-Expectations – Belle & Sebastian
12-All The Young Dudes – Mott The Hoople
13-So Nice So Smart – Kimya Dawson
14-Sea Of Love – Cat Power
15-Tree-Hugger – Kimya Dawson & Antsy Pants
16-Sticking With You – The Velvet Underground
17-Anyone Else But You – Moldy Peaches
18-Vampire – Antsy Pants
19-Anyone Else But You – Michael Cera & Ellen Page

Juno

Segunda-feira eu fui ao cinema especialmente para ver Juno com minhas amigas, saí da sala com uma sensação de filme bom e trilha perfeita. Um filme leve, simples, muito bonito, com pitadas deliciosas de cultura pop para torná-lo ainda mais irresistível.

Adquiri a trilha original e já escutei mais de sete vezes o disco todo, e sempre lembrando de cada cena. Aposto comigo mesma que volto no cinema para rever! Passo o dia cantarolando as canções.

Já no início eu tive a sensação de uma viagem musical. A abertura do filme é linda, e acompanhar a trajetória de Juno é tão acolhedor. Com personagens cativantes o filme atravessa as quatro estações do ano em um ambiente descontraído e convidativo. Sorri, chorei e me senti tão feliz de ter visto esse filme.

Meus parentes

Dois anos atrás eu tive de montar uma árvore genealógica bem simplória para uma disciplina na universidade e confesso que achei um barato. E acabei de descobrir uma página onde se cria gratuitamente a árvore da família e funciona mais ou menos como uma rede de relacionamentos: Meus Parentes. Com uma interface bem simples se pode adicionar todas as pessoas da sua família aos poucos, sem pressa. Depois de um tempo terá uma bela e frondosa árvore. Acho que comecei um novo vício!

Visita de peso

Nesse último fim de semana tive a oportunidade de conhecer pessoalmente alguém que merece todo o respeito por sua história e pela história que ele ajudou a construir. Tive a oportunidade de conversar inúmeras vezes e sobre assuntos diversos com um homem, um senhor, que viveu e fez muitas coisas das quais sempre tive vontade de ter vivido. Que agora fazem parte da História, que só posso acompanhar pelas leituras, pelo curso na universidade, pela viagem temporal que faço na minha mente.

Ele participou do famoso Maio de 68 na França (que completa 40 anos agora em 2008), conheceu Che, foi um ferrenho militante anti-franquista e pegou os últimos anos da Guerra Civil Espanhola. Mas antes de tudo ele era pedreiro. Conheci pessoalmente, abracei, comemorei seu aniversário, fiz bolo para ele, cantamos canções libertárias. Nada mais, nada menos que Lucio Urtubia. O anarquista irredutível fez sua primeira visita ao Brasil aos 77 anos de idade.

Festa surpresa para Lucio (de preto).

Sua vida virou documentário, e tive o prazer de conhecer também um dos diretores, José María Goenaga. Foram momentos inesquecíveis para mim e para todos os que comigo desfrutaram da mais bela e inspiradora companhia. No filme, intitulado Lucio, se recordam os apoios que ele concedeu a Quico Sabaté, um dos máximos expoentes da guerrilha urbana na Catalunha; a Eldridge Cleaver, o líder dos Panteras Negras, e vários grupos revolucionários da época. Também se traz à memória os encontros que manteve com André Breton e Albert Camus.

Lucio, com um sorriso estampado em seu rosto, prometeu voltar. Para nos falarmos mais, para rever os novos amigos. Ganhei um amigo, um companheiro de ideais. Fiquei muito emocionada com sua presença, e mais ainda com sua partida. Foram três dias convivendo, conversando e sobretudo aprendendo.

Trailer do filme:

[youtube1]ozof4jz8j7w[/youtube1]