Arquivo

maio 2008

Posts em maio 2008.

O Maio de 1968

Em 1968 o mundo inteiro se viu sacudido por uma série de mobilizações de estudantes e trabalhadores. Nesse ano o mundo foi palco da luta dos Panteras Negras nos Estados Unidos, lutas estudantis e operárias em quase toda a Europa, no Canadá e no Japão e da Primavera de Praga. Na América Latina esse ano também deixou marcas profundas, inclusive no Brasil. Mas o acontecimento mais lembrado é, sem sombra de dúvidas, o Maio de 1968 na França. E o cinema teve uma imporatância muito grande como estopim de toda a turbulência política, econômica e cultural em que a França se encontrava. Foi a explosão de um processo de lutas da juventude e dos trabalhadores contra o governo francês. Greves, ocupações, manifestações, barricadas, contra cultura e enfrentamentos se espalharam por toda a França naquele mês e abalaram o país.

Mas engana-se aquele que atribui tais acontecimentos à espontaneidade das massas. O ano de 1968 foi fruto de um processo histórico. A França viva uma profunda crise pós 2º Guerra Mundial, um regime político semi-ditatorial (General De Gaulle), a perda de suas principais colônias (Argélia e Vietnã) e o envolvimento em guerras de efeitos desastrosos. A população vivia em crise econômica: baixos salários e uma jornada de trabalho muito longa, índices de desemprego assustadores, problemas de habitação e infra-estrutura, e uma crise no sistema educacional (falta de vagas nas universidades, o anúncio de uma reforma que introduziria um sistema de seleção e exames de ingresso e desqualificação de diplomas de algumas Universidades). A própria constatação dessa crise descarta a tese de que tal revolta tenha sido motivada apenas pela busca de liberdade da juventude.

É envolto neste clima que estudantes e trabalhadores de toda a França levantam barricadas pelas ruas, ocupam fábricas e universidades, gritam aos quatro ventos que é proibido proibir, fazem greves e são duramente reprimidos pelas tropas de choque da polícia. As ocupações nas fábricas ocorrem contra o interesse reformista da maior central sindical francesa da época, a CGT, que era burocraticamente controlada pelo Partido Comunista Francês (PCF). O reformismo e a burocracia do PCF são refutados pelos estudantes, no entanto consegue manter controle sobre as fábricas ocupadas, sufocando as lutas. O anarquismo, ou melhor dizendo uma parte do que se teoriza como anarquismo, reaparece publicamente nesse momento e era utilizado como base para negar o economicismo do PCF. Bakunin e outros anarquistas históricos enxergaram a necessidade de se construir instâncias de organização popular para a luta reivindicativa e a construção de um programa revolucionário. Mas em 1968, os estudantes confundiram todas as formas de organização com a burocracia, e tal confusão em parte se deve ao PCF, que estava a todo momento tentando aparelhar o movimento estudantil.

A lição que fica é a necessidade de aprender que não se pode contar apenas com a espontaneidade, nem desprezar a organização popular, que nasce no seio do povo (fruto de uma consciência, e não trazida de fora por intelectuais: aquilo que chamamos vanguarda).

Download Day

Acabo de chegar em casa. O dia foi muito corrido. Trabalhei até às dez horas da noite, quando o meu horário é até às sete. Mas tudo bem, um dia essas horinhas serão transformadas em folgas duplas, triplas ou quem sabe em uma semana inteirinha de descanso.

Download DayMas não foi sobre isso que eu vim falar. Hoje, lendo o Jovem Nerd News, descobri que a Mozilla Foundation tem uma nova estratégia de marketing. Trata-se de estabelecer um um recorde mundial. Para isso, foi criado o Download Day, dia em que todos poderão baixar o Firefox 3 e ajudar a estabelecer o recorde de downloads de um software num espaço de tempo de 24 horas. As pessoas que tiverem alguma página na internet ou weblog e quiserem propagar a idéia podem confirmar a participação e ajudar através de botões e banners. A data ainda não foi definida, mas quem se cadastrar receberá um aviso. Eu já confirmei e já tenho o meu botão, tá esperando o que? Use Firefox!

Encontre o seu Box Lee

Na noite escura você só encontra o que procura e a Lee escondeu algo que você certamente vai querer encontrar. Boxes com calças foram distribuídos pela noite de Porto Alegre e para encontrar só ficando ligado nas dicas que a Lee vai lançar. A primeira etapa acontece no dia 31 de maio, simultaneamente, em três lugares:

  1. O pequeno caminho da Padre Chagas.
  2. Do viaduto da João Pessoa ao Porão da Independência.
  3. O ponto eletrônico da Zona Sul.

Já sabe onde procurar?
Confira os eventos e preste atenção. Essa calça pode ser sua!

MCD Ink Attack: a votação se aproxima!

Recentemente escrevi aqui no trecos&trapos sobre a MCD Ink Attack, uma iniciativa cultural inédita desenvolvida pela marca de roupas MCD e a Void. É uma disputa entre artistas de diferentes disciplinas gráficas como tatuadores, ilustradores e grafiteiros, reunidos em seis duplas com a missão de interpretar um único tema. Os trabalhos serão votados pelo público através do website www.mcdinkattack.com.br durante o mês de junho.

No próximo dia 05 de junho, quinta-feira rola a 2ª festa do projeto no Cabaret do Beco, onde será apresentado ao público os trabalhos realizados pelas duplas. A divulgação do trabalho escolhido pela votação popular online será no dia 03 de julho em mais uma festa. Além da premiação que os artistas estão disputando, o público vai poder concorrer a e ganhar uma tatto e em um quadro com az arte vencedora.

Confira o trabalho de alguns dos participantes da batalha artística nas suas páginas pessoais.

Comemorações do Dia da Toalha.

Domingo foi o dia da toalha, e prometi que colocaria aqui fotos de quem comemorasse tal dia. Vamos as fotos:


Nome: Daniela Soares
Apelido: Clandestini, Velma ou apenas Dani
Blog: trecos&trapos


Nome: Marcus Vinicius
Apelido: Meyviu
Blog: Surrealismo do Acaso

Quer ver mais fotos? Lá no Jovem Nerd tem. Quer ver a sua foto aqui? Ainda dá tempo, manda um email para clandestini@gmail.com com a foto, seu nome, apelido e endereço do seu blog (se tiver).

Indiana Jones no cinema

Na quinta-feira foi a estréia do quarto filme de Indiana jones, o que todo mundo já sabe. E eu fui ao cinema para conferir pela primeira vez como é ver Indiana na grande tela. Fiquei mais satisfeita que cusco debaixo da mesa em almoço de domingo. Foi uma grande experiência, saí da sala de exibição cantarolando a trilha e não parei até hoje. Gostei, e gstei muito.

Indiana Jones é o meu grande herói. Já tive (e não vou negar que ainda tenho) uma quedinha pelo Homem Aranha e pelo Wolverine. No entanto, o Senhor Jones sempre foi o herói perfeito, na minha singela opinião. Mais do que o herói perfeito, ele é o homem perfeito. E falo do Senhor Jones, não do ator (tão lindo e irrestível quanto) que o interpreta, Harrison Ford.

Meu interesse em arqueologia é anterior à minha primeira incursão nos filmes de Indiana, mas ele é maior responsável pela minha empolgação com tal ciência (mesmo que esta paixão esteja um pouco abalada depois da minha experiência no laboratório de analise lítica em que trabalhei por seis meses: é muito monótono e a rotina mata).

O grande sucesso dos filmes de Indiana Jones ajudou a consolidar a idéia do arqueólogo como um romântico aventureiro. Mas não chega tão perto assim da realidade da profissão. Mais do que “cavar buracos” para descobrir objetos antigos, a Arqueologia é uma ciência com métodos próprios que desenvolve sobretudo a capacidade de “ler” o que nos dizem os vestígios encontrados.Mesmo assim continuo adorando os filmes, querendo ler suas histórias,ver a série de TV e jogar o game. E ouvirei mais uma vez o Nerdcast sobre o último lançamento da franquia!