Batalhas de Inverno: meu primeiro jogo de Roller Derby

Agora sim, em casa e com o computador posso fazer uma pequena explanação sobre o que foi o meu final de semana.

Para quem não sabe, eu comecei nesse rolê chamado Roller Derby no final de abril (final mesmo, tipo, 30 de abril) e tenho aprendido muito com cada treino e superando meus medos, anseios e receios.

Então, nos dias 15 e 16 de julho de 2017 rolou em Blumenau o evento Batalhas de Inverno, uma série de jogos amistosos entreligas e bootcamps (uma espécie de treino especial) com as Iron Ladies Roller Derby e as meninas do Ladies of Helltown São Paulo Roller Derby, o primeiro time de Roller Derby do Brasil, algumas Capivaras Roller Derby (de Piracicaba) e representantes das Magic Island Roller Derby Circle (time de Floripa) e a liga mais linda desse Brasil, as Wheels of Fire Roller Derby Club. Tudo isso promovido pelo time local, as Iron Ladies, que foram maravilhosas em tudo: na organização do evento, na recepção e no carinho com todas nós.

Um final de semana em que eu tive a oportunidade de conhecer um monte de mina foda, de assistir jogos da minha liga e de ser NSO (tarefa árdua para a estreante aqui: marcar pontos em uma tabela e faltas numa outra ainda mais complicada não é fácil, mas que eu consegui graças à paciência e didática de Diego Rosan e Ana Anna Laura Gabellini, muito obrigada!).

E como se tudo isso não fosse suficiente, foi minha estreia na track. Joguei meu primeiro jogo de Roller Derby. Fiquei muito nervosa, chorei antes mesmo da primeira jam. E o mais engraçado foi que no momento que entrei na track e me posicionei, eu não vi mais nada. Só existia o jogo. E que momentos maravilhosos.

Que momento!

Aprendi tanto com esse misto sem contato (inclusive que sem contato é uma lenda) e consegui colocar em prática tudo que aprendi em dois meses e meio de treinos com a maravilhosa coach Carolina Peçaibes, com todas as veteranas (que sempre me ajudaram e me incentivaram mesmo quando eu achei que nunca conseguiria realizar algum drill vocês estavam lá dando força e torcendo por mim) e com as minhas teammates, freshies como eu, que me apoiaram e me estenderam a mão, entendem todos os meus dramas e crescem comigo todos os dias. Aprendi, errei, identifiquei os erros, quero melhorar, suei, chorei e nunca me senti tão feliz. Tenho ainda vivo em mim esse sentimento, que não sei bem nomear, uma mistura de felicidade, orgulho, emoção…

A galera que jogou comigo!

Muito obrigada Iron Ladies pela oportunidade de viver coisas tão intensas e desafiadoras. Aprendi muito com todo mundo. Muito obrigada a todas as minhas teammates das Wheels of Fire Roller Derby Club, vocês são demais! Finalmente entendi o que é ser sua própria heroína 🙂

#keeponfirewheels

PS: Fiquei tão envolvida e nervosa com o evento que não tirei nenhuma fotinho sequer, então usei as fotografias feitas pela galera que estava por lá e estão disponíveis no álbum das Iron Ladies do Facebook <3

6 em 6 – maio 2017

Mês passado foi meu aniversário e presente mesmo, fui eu quem deu. Estava sonhando com meu par de patins para poder começar a treinar. Foi uma busca árdua por um patins na minha numeração, usado e que estivesse em boas condições. Finalmente encontrei e ele chegou no dia 26 de abril aqui em casa. Comprei pelo Mercado Livre, mas foi encontrado em um grupo de compra e venda de equipamentos para Roller Derby no Facebook. Além do patins, comprei todo o equipamento necessário: capacete, joelheira, cotoveleira, munhequeira e protetor bucal. Todos em lojas diversas on line ou físicas. Só a joelheira que não comprei a mais adequada, mas por enquanto ela vai quebrar um galho (como joelheira é difícil de encontrar! Preciso experimentar para ver se não ficará muito apertada e as boas nunca servem…). Então, pela minha felicidade em poder começar a treinar, o 6 em 6 desse mês será com fotos do equipamento maravilhoso para Roller Derby que me dei de presente de aniversário 🙂

Read More

Eu sou uma freshie meat!

Então eu comecei a praticar Roller Derby! No dia 30 de abril eu entrei oficialmente para as Wheels of Fire Roller Derby Club e comecei a treinar nessa mesma semana. Na verdade meu primeiro treino foi três dias antes de entrar oficialmente para a liga. Desde o recrutamento eu tenho ido assistir aos treinos regularmente e no último treino antes de mandar a documentação preenchida alguém  que não pode ir no recrutamento oficial iria ser recrutada e a treinadora levou equipamento para essa menina ter sua primeira experiência com os patins (assim como eu tive no dia do recrutamento), então aquele patins ficou dando sopa. E por acaso ele era do meu tamanho. Então eu fiz o meu primeiro treino naquele dia.

Os meus patins chegaram um dia depois, o que me permitiu começar realmente a treinar. Então eu tratei de preencher a ficha e o termo de compromisso com a liga. Depois de enviado, recebi a confirmação no domingo, dia 30 de abril e então eu sou oficialmente uma freshie meat nas Wheels <3

Sobre meu primeiro treino? Um desastre. Sabe aquela sensação de “pra que fui inventar isso?” Pois é. Eu mal consigo ficar em pé em cima dos patins. Aliás, tenho assistido muitos vídeos sobre como aprender a patinar, dicas para patinadores iniciantes e tal e já notei uma melhora significativa do primeiro treino para o segundo e para o terceiro. Já fico em pé sem ajuda, mas andar ainda está sendo um pouco complicado… Mas preciso ter determinação e não desistir. Afinal, investi muito nisso e estou realizando um sonho. Não vai ser na primeira dificuldade que vou desistir.

Ilustração linda de Derby Girls, e eu sou claramente a menina do meio :p (Achei no Pinterest, mas não tinha referência. Se alguém souber de quem é, por favor me avisa)

Roller Derby | Whells of Fire

Minha primeira vez com patins!

Eu já contei que fui no recrutamento das Whells no domingo, dia 02 de abril. Só faltou falar que foi tudo filmado. Como assim? Eu estava tão empolgada que acabei esquecendo de fotografar, filmar, tirar selfie, tudo. Mas, a Fernanda da Beta Redação, site de uma disciplina do curso de Comunicação Social da UNISINOS, estava lá e registrou tudo em uma matéria super bacana sobre o Roller Derby. Ainda bem, só assim pra eu ter algum registro desse dia super especial pra mim. Eu adorei o resultado final e vim compartilhar com você.

Não consegue assistir? Acessa direto no Youtube.

Primeira vez sobre rodas: Roller Derby

Ilustração linda de Derby Girls, e eu sou claramente a menina do meio :p (Achei no Pinterest, mas não tinha referência. Se alguém souber de quem é, por favor me avisa)

Você tem um minuto para ouvir a palavra do Roller Derby? 

Eu conheci o Roller Derby no filme Garota Fantástica e fiquei fascinada. Adivinha, fiquei obcecada e por um tempo essa foi a coisa que mais procurei pela rede.

Mas o que é Roller Derby? Uma definição rápida:

Um esporte jogado por duas equipes de cinco membros que patinam, na mesma direção, à volta de uma pista. A partida consiste numa série de pequenos jogos (jams), nas quais ambas as equipas nomeiam uma jammer, que marca pontos ao ultrapassar membros da outra equipe. As outras integrantes têm que jogar na ofensiva e na defensiva simultaneamente, uma vez que têm que impedir a jammer da outra equipe de marcar pontos, enquanto a sua própria jammer”marca os pontos. Ganha o time que tiver mais pontos no jogo. Fonte: wikipédia

Comecei a pesquisar feito louca vídeos, imagens e textos sobre o esporte. Mas não podia praticar porque não tinha uma liga/time perto de casa. Isso até eu descobrir a existência das Wheels of Fire Roller Derb Club, a primeira equipe de Roller Derby de Porto Alegre. As meninas treinavam no centro da capital gaúcha e na época eu morava em outra cidade. Aí o que eu fiz? Coloquei um monte de empecilho: moro longe, os horários dos treinos ficam ruim pra mim, nunca patinei, então na vai dar, não tenho grana pra investir em patins, e por aí vai.

Tudo desculpa esfarrapada, eu sei. E desde a primeira vez que eu ouvi falar desse esporte – que é quase que exclusivamente feminino, que abraça diferentes tipos de corpos e é super riot grrrl – eu fiquei colocando todas essas barreiras pra que eu não começasse de fato a praticá-lo. Aliás, nem treino eu assisti com o tanto de barreira que criei. MAS… Essa semana teve chamada para mais um recrutamento das Wheels of Fire e dessa vez eu não tinha desculpa. Afinal de contas os treinos acontecem a 200 metros de casa, as meninas ensinam a patinar do zero e os horários dos treinos combinaram super com meus horários livres.

Domingo, 02 de abril de 2017, meu primeiro contato real com o Roller Derby.

Foram quase quatro horas de muito aprendizado com outras meninas que tem histórias muito diversas e se aproximaram do esporte de maneiras tão diversas quanto. Aprendizado teórico, um pouquinho de demonstração com as jogadoras super feras do time, um pouco de treino da movimentação básica sem patins e, claro, colocar os patins no pé.

Eu fiquei morrendo de medo, afinal de contas eu NUNCA andei de patins na vida. Coloquei todo o equipamento de segurança: capacete, cotoveleira e joelheira (protetor bucal não, né gente, porque é pessoal e intransferível). E finalmente coloquei os patins. Confesso que foi muuuuuito difícil, mas em quinze minutos eu consegui sair do completamente travada para andar uns centímetros direitinho, embora quase agarrada nos braços da minha instrutora. Caí? Caí sim. De bunda. Mas não doeu nadinha. E se tivesse caído de frente estaria completamente protegida pelo equipamento.

O Roller Derby é um esporte super democrático, que abraça todos os corpos, inclusive os corpos gordos (como o meu) e muito empoderador. Muitas meninas que não encontram lugar nos esportes mais tradicionais podem praticar e serem muito felizes com o Roller Derby. Me senti muito acolhida pelas meninas e fiquei realmente empolgada. Muito mais empolgada do que já estava. E o medo de patinar será facilmente superado. Disso eu tenho certeza.

Mas tem um pequeno probleminha. O investimento inicial é bastante alto. O equipamento de segurança corporal mais o protetor bucal e capacete deve sair em torno de uns R$ 300,00. E não para por aí, já que o investimento mais alto é o patins. Existem marcas importadas e nacionais – que, claro, são mais baratas. Usado sai ainda mais em conta. Ainda assim não é uma coisa que qualquer um decide comprar da noite para o dia. Saí do recrutamento determinada a realmente começar a treinar, então estou procurando um patins com um bom custo benefício (provavelmente um usado e nacional) para iniciar e, mais adiante, investir em um melhor.

Cheguei em casa transbordando de felicidade por finalmente ter criado coragem de participar de um recrutamento e por ter conhecido tantas meninas bacanas. Foi realmente uma experiência incrível e me deixou mais determinada do que nunca em ser uma Derby Girl. Estou ansiosa pelos primeiros treinos e não vejo a hora de comprar meus patins!

E você, já conhecia o esporte? Pratica ou já teve vontade de praticar?