Como não escrever personagens femininas

A Deliciosa e Sangrenta Aventura Latina de Jane SpitfireA Deliciosa e Sangrenta Aventura Latina de Jane Spitfire by Augusto Boal
My rating: 2 of 5 stars

A sátira de Augusto Boal tem altos e baixos. A narrativa é construída em torno da espiã Jane Spitfire, a melhor espiã de todos os tempos, a mais linda, a mais inteligente, a mais habilidosa, a mais tudo e qualquer coisa. Infelizmente, apesar da protagonista feminina, Boal falha com a representação feminina em seu primeiro e único romance policial.

Jane é uma personificação do imperialismo estadunidense e, portanto, sua trajetória é justamente implementar as vontades de sua pátria em um pequeno país fictício da América Latina. Como ponto positivo, a narrativa constrói situações e descrições muito condizentes com a realidade brasileira e de seus países vizinhos na década de 1970 (quando o livro foi escrito, originalmente) e, coincidentemente, muita coisa bate com o que ocorre atualmente em nosso país. As fórmulas mágicas que ela precisa encontrar e aplicar para libertar o país daqueles que usam da liberdade para acabar com ela (como ela chama todo o espectro da esquerda, de acordo com o ponto de vista ianque) são bem interessantes. No entanto, as artimanhas utilizadas pela espiã são sempre muito bizarras, para dizer o mínimo.

A personagem concentra em sua personalidade todos os clichês de novelas de espiões (intenção de Boal) e também uma sexualidade exagerada, estereotipada. A ágil protagonista usa e abusa de suas artimanhas sexuais para conseguir tudo o que quer, ultrapassando em muitas cenas as barreiras do absurdo. Como se não bastasse, ela é estuprada um par de vezes e nem sequer reclama do que aconteceu, inclusive reclamando quando não é vista com um desejo malicioso pelos homens da trama, cada qual mais escroto que o outro.

Além dos poucos momentos em que situações de crítica evidente são relatadas, o penúltimo capítulo – em que Jane tem um pesadelo, depois de resolver toda a missão que lhe foi delegada – é, sem sombra de dúvidas, o que me agradou mais. Boal usa o pesadelo da espiã para descrever como a ditadura no Brasil (e todas as ditaduras militares da América Latina) funcionavam. Eu achei esse o melhor ponto do livro todo, e na verdade, para mim, salvou a novela policial de ser um fracasso completo.

View all my reviews

um poema

um poema

Eu não sou uma pessoa que entende muito de poesia. Mas eu acabo, vez por outra, encontrando alguns poetas e poemas que me marcam de diversas maneiras. Angélica Freitas é um desses casos. Esse ano eu li da autora o incrível “Um útero é do tamanho de um punho“. E foi um punho certeiro na boca do meu estômago. Imagens muito fortes e muito críticas. Então eu recomendo muito conhecer a poesia de Angélica, mesmo se você não é tanto de poesia, como eu. Porque ela vai falar direto contigo, e vai falar alto, contundente.

Uma provinha do que você vai encontrar:

porque uma mulher boa
é uma mulher limpa
e se ela é uma mulher limpa
ela é uma mulher boa

há milhões, milhões de anos
pôs-se sobre duas patas
a mulher era braba e suja
braba e suja e ladrava

porque uma mulher braba
não é uma mulher boa
e uma mulher boa
é uma mulher limpa

há milhões, milhões de anos
pôs-se sobre duas patas
não ladra mais, é mansa
é mansa e boa e limpa

(De Angélica Freitas, “Um útero é do tamanho de um punho”, Ed. Cosac Naify, 2012)

Desafio Livrada e uma conversa sobre priorizar livros da própria estante

Desafio Livrada e uma conversa sobre priorizar livros da própria estante
Reading Book Study Student from Thoroughlyreviewed.com
Reading Book Study Student from Thoroughlyreviewed.com

No ano passado eu resolvi participar do Desafio Livrada e adorei, apesar de não ter conseguido cumpri-lo. Os temas que o Yuri do blog e canal Livrada seleciona são muito bons e é bem gostoso revirar as estantes atrás de livros não lidos para preencher as categorias. Em 2017 ele lançou o desafio de novo e os temas foram, mais uma vez, muito bacanas. Resolvi participar e fiz uma verdadeira caça aos livros nas estantes. E dessa vez eu finalmente consegui colocar apenas livros que eu já tenho nessa lista.

Sabe porque eu dou prioridade para livros que eu já tenho? Os motivos são vários, mas os principais são dinheiro e otimização do espaço. Deixa eu explicar. Eu não sou rica. 😮 Então eu não tenho como comprar livro sempre que quiser (embora eu tenha gasto muuuuuuito dinheiro em livro ao longo dessa vida, e muitos deles eu nem li ainda) e eu nem quero isso. Durante um bom tempo eu não controlei o quanto gastava com livros e acabei comprando muito e não conseguia dar conta de ler na mesma velocidade que comprava. Acho que esse problema é bem comum entre leitores. E não vamos esquecer dos presentes – ah, como eu ganhei livro de presente. São tantos livros que cheguei em um ponto no qual a proporção de livros não lidos na estante é imensamente maior do que aqueles que eu já li.

Por isso quero, pelo menos, inverter essa situação. E como atingirei esse equilíbrio? Lendo o que eu já tenho. Parece simples, não é mesmo? Mas não é. A vontade de comprar algo novo está sempre rondando e tenho que me cuidar toda vez que passo em frente a uma livraria ou vejo promoções de lojas on line. Então eu resolvi adotar um sistema de recompensas: a cada 10 livros lidos eu posso comprar um. Ainda não funcionou 100%, já que – contabilizando lidos e comprados desde então – eu comprei mais de um livro para cada dez. Mas ainda estou tentando.

Então eu leio o que tenho, economizo dinheiro e para resolver o problema do espaço – que é um problemão, na verdade – eu adotei uma regra pessoal na qual eu avalio todo livro lido e de acordo com a avaliação ele pode ou não continuar na estante. Se ele não atinge a “pontuação mínima”, digamos assim, ele cai fora. Ele vai parar em uma pilha enorme (que cresce vertiginosamente) cheia de livros que pretendo vender, trocar ou doar.

Estou me encontrando no meio de todas essas pequenas regras e estou gostando muito de ter uma biblioteca que tem cada vez mais a minha cara, com livros que eu realmente gosto e o principal, cada vez menos livros não lidos. Então o Desafio Livrada é mais uma oportunidade de revirar as estantes e redescobrir o que tenho, ler aquilo que está encalhado há tanto tempo e dar andamento na fila de leituras por fazer.

Como eu disse lá no início desse texto, eu resolvi participar mais uma vez, tentar cumprir todas as categorias e sentir esse prazer imenso de procurar livros na minha estante. E eu gravei um vídeo contando minhas escolhas, assiste e me conta o que achou, se já conhecia o desafio ou se vai participar. Ah, eu aceito recomendações também. 😉

Não consegue assistir? Vê direto no Youtube e aproveita para conhecer o canal, tem vários vídeos bacanas por lá.

Melhores Leituras de 2016

Em 2016 eu consegui alcançar algumas metas literárias (ou quase). E foi tão bom rever as leituras, fazer um balanço e relembrar as melhores delas. Escolhi cinco livros incríveis que li no ano passado e um quadrinho tão incrível quanto pra compartilhar com vocês. Afinal, essas foram as melhores leituras de 2016 🙂

Não consegue assistir? Assiste direto no Youtube e aproveita pra conhecer o canal e se inscrever 😉

Retrospectiva Literária 2016 e Metas para 2017

Retrospectiva Literária 2016 e Metas para 2017

Em 2016 eu consegui cumprir algumas metas e quase finalizei um desafio. Li mais que nos últimos anos, o que vem ocorrendo sucessivamente. Foi bom, mas poderia ter sido muito melhor. Ainda não consigo ler tanto quanto eu lia antes de começar a trabalhar, mas estou chegando lá. Por isso, fiz uma análise do que eu li, como eu li, como pretendo melhorar ainda mais em 2017 e gravei um vídeo contando tudinho.

Não consegue ver o vídeo, que tal assistir direto no Youtube?

E as metas para 2017?

Já tentei muitas vezes fazer desafios, estabelecer metas específicas de livros para ler, mas já percebi que esse não é o melhor jeito de estabelecer metas. Prefiro então fazer metas mais genéricas, para ter mais liberdade na hora de escolher:

  • Concluir 40 leituras (contando HQs)
  • Fazer leituras de três continentes diferentes
  • Fazer leituras de oito países diferentes
  • Concluir o Desafio Livrada 2017
  • Ler ao menos um livro no original em inglês e um em espanhol
  • Só posso comprar um livro depois de ler 10

Que o ano de 2017 me traga leituras ainda melhores que no ano passado e eu consiga cumprir todas as metas. Então, me conta quais são as tuas metas literárias para esse ano? Estabelece algum tipo de meta? Conseguiu cumprir as do ano passado?