Arquivo

Literatura

Posts em Literatura.

Minhas escolhas para o Desafio Livrada 2016

Eu descobri esse ano mais um desafio literário, o Desafio Livrada, e resolvi me aventurar pelos temas propostos pelo Yuri do Blog Livrada. No vídeo eu falo quais foram as escolhas para tentar cumprir o desafio. Assiste, comenta, compartilha, se inscreve, curta e toda aquela coisa que todo youtuber pede e eu esqueci de pedir no vídeo.

Livros escolhidos:

1- Um prêmio Nobel: De saga em saga, Selma Lagerlöf
2- Um livro russo: Um Dia na Vida de Ivan Denisovich, Alexander Soljenítsin
3- um cânone da literatura ocidental: Os Miseráveis, Victor Hugo
4- Uma novela: O chapéu de três bicos, Pedro Antonio de Alarcón
5- Um livro que você não sabe por que tem: Depois do Sexo, Marcelo Carneiro da Cunha
6- Um autor do seu estado: Saga, Erico Veríssimo
7- Um livro publicado por uma editora independente: Dias de Guerra, Noites de Amor – Crimethinc. para Iniciantes, Coletivo Crimethinc.
8- Uma ficção histórica: Novembro de 63, Stephen King
9- Um livro maluco: Porque Almocei meu Pai, Roy Lewis
10- Um livro que todo mundo já leu menos você: Só Garotos, Patti Smith
11- Um autor elogiado por um escritor de quem você gosta: Jonathan Strange & Mr Norrell, Susanna Clarke
12- Um livro bobo: A Odisseia de Homero, Gwen Cooper
13- Um romance de formação: A Fantástica Vida Breve de Oscar Wao, Junot Díaz
14- Um livro esgotado: O Colecionador, John Fowles
15- Livro indicado pelo próprio Yuri: As aventuras do bom soldado Svejk, Jaroslav Hašek

Projeto de verão: lendo Os Miseráveis, ou Não Me Verão!

No ano passado eu cismei com a ideia de usar as férias de verão para ficar em casa lendo o clássico Os Miseráveis, de Victor Hugo. Tinha até um nome para o projeto: Não me Verão, afinal de contas eu imaginava horas em casa lendo em pleno verão (coisa que eu adoro) e meu sumiço da vida social, mas acho que isso é um exagero. O ano começou e eu não comecei a ler imediatamente, e então eu descobri que a Francine do blog Livro & Café, em conjunto com a Jennifer, do blog Subindo no Telhado, estão organizando uma leitura coletiva do livro.

Resolvi participar, mesmo atrasada duas semanas no cronograma, e comecei hoje (16/01) a ler e já estou achando incrível – e até acho que vou conseguir alcançar as 450 páginas de meta para o próximo final de semana, pois a leitura é bastante tranquila e fluida.

Como funciona a leitura coletiva?

A Leitura Coletiva funciona assim: a partir de um cronograma de leitura, pessoas espalhadas por este Brasil estarão lendo o mesmo livro que você e, por meio da hashtag “#LendoOsMiseráveis, será possível acompanhar a leitura de todos“. [Fonte: aqui]

Para participar: basta ter o livro e se organizar para acompanhar a galera“. [Fonte: aqui]

As meninas que estão organizando o projeto criaram um evento no facebook e ainda por cima criaram e disponibilizaram uma tabelinha com a divisão da leitura em 150 páginas por semana e os respectivos capítulos que supostamente elas englobam. Eu separei os dois volumes da minha edição da Cosac Naify de acordo com a tabela, mas percebi que as páginas que elas indicam não correspondem aos capítulos relacionados, então eu fui indo primeiro pelo número de páginas e depois pelo fim dos capítulos para não terminar na metade.

Estou bastante ansiosa, adorando o pouco que já li e querendo muito alcançar os outros participantes do projeto para participar das discussões.

E você, já leu Os Miseráveis? Quer ler? Está lendo? Gostou do projeto? Conta aí nos comentários.

TAG: Calhamaços

A Denise Mercedes criou essa TAG e por um tempo muitas pessoas estavam respondendo. E ninguém me tagueou. Deve ser porque o canal está sempre abandonado. Aí eu, que adoro assistir TAGs, resolvi fazer mesmo assim. Então assiste as minhas respostas para as 15 perguntas para a TAG Calhamaços.

Link direto para o vídeo.

Maratona Literária 24 horas

Como compensar tanto tempo sem postar, de novo? Uma maratonazinha de leitura cairia bem. O único problema disso é que a maratona foi feita mais de um mês atrás. Mas acho que continua valendo. Não?

Bom, fato é que no feriado lindo e maravilhosos de Corpus Christi (que eu não sei exatamente o que comemora, mas tudo bem, o que importa é ficar em casa mesmo) eu consegui fazer uma super maratona de 24 horas lendo, ou tentando ler. Gravei o processo e demorei mais de um mês para editar o vídeo porque junho também significa final de semestre na faculdade e então já viu: correria, trabalhos, provas, cabelo em pé, noites sem dormir. E também coincidiu com o final do trimestre na escola: notas para fechar, conselhos de classe, cadernos de chamada… Nossa. Cansei só de lembrar.

Mas chega de pensar no tempo que demorei para fazer e bora assistir o vídeo prontinho que acabou de sair do forno! Espero que goste, comenta aí dizendo o que achou e dando sugestões de vídeos para o canal e textos para o blog. Até breve.

Leituras de Janeiro + TBR de Fevereiro

Devido a problemas técnicos, demorei para postar aqui no blog o último vídeo postado no canal do trecos & trapos (e também para postar qualquer coisa… hehehehe) Então, com um certo atraso: os livros lidos em janeiro, o que estou lendo e o que pretendo ler em fevereiro de 2015. Não esqueçam de comentar e dizer o que vocês estão lendo e o que gostariam de ler. E se vocês já eram algum desses livros, deixe sua opinião nos comentários.

Abraços e boa leitura. 😉

Resoluções literárias para 2015

Em 2015 eu pretendo voltar com os posts e com o canal com uma certa regularidade. Espero que eu consiga. E para começar, eu postei essa semana lá no canal do blog as minhas resoluções acerca das leituras do ano. Espero que vocês gostem. Deixem nos comentários sobre o que acharam e as resoluções de vocês. Espero que gostem. Até logo.

Pelo fim da polícia literária

Eu estava em uma aula de estudos literários no semestre passado, lá no Instituto de Letras da UFRGS, e além de sair pensando muito sobre o tema da aula – uma discussão sobre valor estético e cânone literário – também refleti bastante sobre a fala de uma colega durante a aula.

Estávamos no momento do debate em que uma espécie de jogo foi instituído e alguns colegas precisaram “convencer” o professor a ler um livro, qualquer livro. As respostas eram então listadas em forma de tópicos no quadro e os argumentos seriam utilizados ao lado de outros pré selecionados pelo professor para refletir e compreender um pouco melhor o tema da aula, ou seja, o que constitui o cânone. Pois então, para contrapor uma visão de que muitas pessoas selecionam suas leituras dentro do cânone pela satisfação, para sentir-se bem, para experienciar uma certa catarse, relaxar, ou seja, um certo sentido místico da leitura em si, a colega em questão prontamente falou: – “Eu acho que esse tipo de pessoa não iria ler literatura para relaxar, para sentir-se bem. Ela leria Zíbia Gasparetto”. Depois da resposta do professor a guria ainda não estava contente e ainda citou Bridget Jones para reforçar seu argumento: – “Esse tipo de pessoa não lê literatura pra isso, vai escolher no máximo Bridget Jones”.

O professor então pergunta: “Bridget Jones não é literatura?” – “Não”. – Responde ela. – “Zíbia Gasparetto também não?” – “Não”. Como bom provocador, o professor cita que, uma pessoa pode chegar em casa e relaxar lendo fernando pessoa. Prontamente a colega diz que não. Que é preciso ter um esforço para ler, para entender, que com essa atitude de leitura não é possível captar a obra. Esse tipo de ato de leitura, segundo ela, só é valido para alguns livros, outros podem ser lidos de qualquer forma, e de preferência que não sejam lidos, por que não são literatura. Historinha finalizada, Isso me deixou profundamente incomodada.

Motivos:

Não é de hoje que muitos leitores acreditam estar um patamar acima dos pobres mortais que não compartilham o “gosto pela leitura”.E isso é um problema, porque ao invés de aproximar as pessoas dos livros, as afasta ainda mais. Quem gostaria de ser um arrogante “sabe tudo”? É obvio que ler é maravilhoso e possuir esse hábito traz muitos benefícios para o indivíduo e cria inúmeras possibilidades de ver/ler/enfrentar/compreender/opinar sobre/transformar a vida. Mas esse hábito não existe na mesma proporção, nem é igual ou tem os mesmo significados para todo mundo. É preciso ter algo em mente: todos nós lemos. São o que lemos, como lemos, por que lemos que variam de pessoa para pessoa. “O problema” é que as pessoas não leem o que alguns acham/definem que elas devem ler, nesse caso, quem precisa de mais leitura (de mundo) são esses alguns!

Sujeitos com “pouca instrução formal” não são incapazes de ler Crime e Castigo, por exemplo. Pelo contrário, elas terão uma leitura completamente diferente daquela feita por um Doutor em Literatura, um médico, um professor, ou um russo! E isso é maravilhoso! De um anúncio de jornal ou um post no Facebook ao cânone literário, tudo é passível de ser lido por qualquer pessoa. Somos livres para escolher o que precisamos ou desejamos ler. E, principalmente, qual será a finalidade dessa leitura. Nesse sentido, o que esses seres iluminados desejam não são mais pessoas lendo ou que leiam mais (se é que eles realmente querem deixar de fazer parte de um restrito grupo de prestígio) e sim que elas leiam as coisas “certas”.

Não bastasse a atribuição de valor àqueles que leem e aos que “não leem”, existe uma tendência entre certos grupos, de defender ferrenhamente a ideia de que só possuem valor aqueles que compartilham do mesmo gosto (não só pela literatura, mas pela música, pelo cinema, etc.) que o deles. Se é funk, é ruim e quem gosta é (para sermos delicados) idiota, ignorante, pobre, incapaz intelectualmente. Se é rock (não qualquer rock, é claro) é bom. Se é sertanejo, é ruim, se é MPB é bom. A moda agora é desqualificar os livros ditos para adolescentes. Mas já foi moda (e ainda tem bastante gente que faz isso) desqualificar autoajuda, livros espiritas, best seller, entre outros. Isso nada mais é do que um preconceito tão besta que chega a dar nojo.Esse tipo de atitude tem nome, é preconceito literário. Tem um vídeo ótimo do canal Capitu Já Leu (saudade dos vídeos…) que fala sobre isso. Aliás, tem muita gente bacana falando sobre o assunto no Youtube.

Preconceito é um fenômeno social tão antigo quanto a humanidade. Temos a tendência de julgar os outros (seus atos e preferências) de acordo com nossos padrões, nossas verdades. E para alguns, as próprias verdades precisam ser, obrigatoriamente, veneradas pelos outros. O preconceito, de qualquer tipo, é extremamente perigoso, pois exclui e violenta quem não segue (ou não se enquadra em) determinados padrões estabelecidos por determinados grupos sociais. Criticar uma obra por seus méritos ou problemas (de qualquer espécie, sejam eles estruturais, formais, etc.) não é a mesma coisa que julgar quem lê essa obra. Eu tenho todo o direito de gostar ou não gostar de alguma coisa, e meu gosto não me faz melhor do que ninguém. Não tenho direito de julgar as pessoas que gostam daquilo que eu não gosto como seres inferiores, e nem de colocar em xeque a inteligência delas. Nossos padrões, valores e verdades não são únicos e nem são melhores que os padrões, valores e verdades dos outros. Temos que parar de achar que só o que a gente gosta é cultura.

E se não bastasse o grupo dos que dizem o que eu tenho que ler, agora me aparece essa, querem ditar como eu devo ler. Está instituída de vez a Polícia da Leitura. E ela está a solta. Ela tem a tarefa de proteger o “bom leitor” e combater o “mau uso da literatura”. Nada de ler por diversão. Isso só é permitido com “baixa literatura”, aquela que está no limiar, que quase não pode ser chamada de literatura. Ler é tarefa árdua, feita apenas para enobrecer o espírito, de forma compenetrada e com muito esforço. Apenas para adicionar ainda mais conhecimento nas mentes brilhantes dos leitores. Não está permitido se misturar com a “gentalha que não lê”. Não está permitido sentir prazer lendo Proust ou aprender lendo Harry Potter. Parece piada, mas e o que muita gente anda pensando por aí. Estou cansada do argumento de que as pessoas não leem, cansada de ver julgamentos de valor baseados naquilo que as pessoas leem. Apenas parem! Cuidem de suas leituras, incentivem outros a ler, mas sem emitir juízos de valor das pessoas e/ou dos livros.