Arquivo

Biblos

Posts em Biblos.

Lista de Livros Lidos 2009

I Love Books by

Eu tenho o hábito de anotar cada livro lido e esses são os livros que li inteiros, inteirinhos, por lazer ou não, durante o último ano:

01. O Guia do Mochileiro das Galáxias (The Hitchiker’s Guide to the Galaxy; Douglas Adams; 1979)

02. O Restaurante no Fim do Universo (The Restaurant at the End of the Universe; Douglas Adams; 1980)

03. Ensaio sobre a cegueira (José Saramago; 1995)

04. Na Praia (On Chesil Beach; Ian McEwan; 2007)

05. Caos: terrorismo poético e outros crimes exemplares (Hakim Bey)

06. As aventuras de Tibicuera; que são também as do Brasil (Erico Veríssimo; 1937) 10.02.09

07. As Aventuras de Biblos: Aprendendo a preservar (Daniela de Lima Soares, Diego Devincenzi, Erika Alíbio, Fabiana Nunes da Silva, Gabrielle Werenicz Alves, Maurício Borsa e Marjorie De Nardi Ramos; 2009) 15.03.09

08. História & ensino de História (Thais Nívea de Lima e Fonseca; 2003) 13.04.09

09. Guia Básico de Educação Patrimonial (Maria de Lourdes Parreiras Horta, Evelina Grunberg, Adriane Queiroz Monteiro)

10. Harry Potter e a Pedra Filosofal (J. K. Rowling)

11. Harry Potter e a Câmara Secreta (J. K. Rowling)

12. La Primera Guerra Mundial (Pierre Renouvin)

13. Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban (J. K. Rowling)

14. Breve História do Rio Grande do Sul (Fábio Kühn)

15. Morcego Vermelho Contra Mancha Negra (Ivan Saidenberg | “Coleção Os Grandes Duelos” – Walt Disney)

16. Harry Potter e o Cálice de Fogo (J. K. Rowling)

17. Teatro Oficina (1958 – 1982) trajetória de uma rebeldia cultural (Fernando Peixoto)

18. Harry Potter e a Ordem da Fênix (J. K. Rowling) – 10.07.09

19. Harry Potter e o enigma do Príncipe (J. K. Rowling) – 16.07.09

20. Matadouro 5 (Kurt Vonnegut) 22.07.09

21. Animais Fantásticos e Onde Habitam / Newt Scamander (J. K. Rowling) 23.07.09

22. Harry Potter e As Relíquias da Morte (J. K. Rowling) 01.08.09

23. Saga dos Volsungos (Völsunga saga; anônimo do Séc. XIII) 06.08.09

24. História dos Estados Unidos: das origens ao século XXI (Leandro Karnal; Sean Purdy; Luis Estevam Fernandes; Marcus Vinícius de Morais) 08.10.09

25. A Revolução Mexicana (1910 – 1917) (Ana Maria Martinez Corrêa) 14.10.09

26. Hiroshima (John Hersey) 29.10.09

27. Rê Bordosa: Do começo ao fim (Arnaldo Angeli Filho) 03.11.09

28. Por Uma Geografia Nova (Milton Santos) 10.11.09

29. Travessia de Verão (Truman Capote) 18.11.09

30. Uma Professora Muito Maluquinha (Ziraldo) 20.11.09

31. Realidades e Chantillys Diversos (Frank Jorge) 01.12.09

32. Os Cacos do Teatro – Porto Alegre anos 70 (Suzana Kilpp) 13.12.09

33. A Criança Roubada (Keith Donohue) 22.12.09

34. A Casa de Bernarda Alba (Federico Garcia Lorca) 30.12.09

Autografando Biblos

Já falei por aqui como foi criar e escrever a história de um livro-personagem que virou livro de verdade (As Aventuras de Biblos: aprendendo a preservar – livro infantil que eu e alguns amigos desenvolvemos). Ontem, 1º de novembro, foi um dia muito especial para a história de um projeto muito bacana que nasceu ano passado e só vem crescendo, ontem foi a tarde de autógrafos do Biblos – nome do livro-personagem – na 55ª Feira do Livro de Porto Alegre.

Não foi um sucesso de público, mas mesmo assim fiquei muito feliz de ir lá e junto com os outros colaboradores do projeto autografar alguns exemplares que são distribuídos gratuitamente no Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul  (MUHM) para as turmas de crianças que visitam o Museu e durante a Feira do Livro para todos que se interessarem pelo trabalho.

Tenho tanto carinho por este livro, personagem, projeto.

O livro narra a trajetória do livro-personagem Biblos até sua chegada ao MUHM. Um texto de caráter ficcional e infanto-juvenil que aborda de forma lúdica a preservação de livros. Como diz o ditado, é de pequeno que se torce o pepino. Portanto é de pequeno que se aprende como cuidar bem dos livros (os nossos,os dos outros e os da biblioteca).

E olha eu ali autografando um exemplar.

Autografando Biblos

E a sessão na grade de programação da feira:

Clique para ampliar

As Aventuras de Biblos – contar histórias para entender e preservar patrimônio

Nos últimos anos vem se discutindo o espaço museal como um espaço de educação não formal e a Educação Patrimonial vem ganhando lugar nas discussões acadêmicas a ponto de fazerem parte dos currículos de cursos superiores. Dentro dessa nova perspectiva o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) propõe atividades educativas para receber grupos de escolares. Uma dessas propostas nos interessa abordar no momento, pois participaram do processo de criação alunos de estágio curricular da disciplina Estágio de Docência em História III – Educação Patrimonial da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Em conjunto com um grupo de quatro alunos provenientes desta disciplina eu e Fabiana Nunes da Silva, também estagiária do MUHM, elaboramos um texto de caráter ficcional e infanto-juvenil para compor um livro cujo nome foi escolhido pelo grupo: As Aventuras de Biblos: Aprendendo a preservar. Contamos, para tal, com o auxílio técnico-teórico da Técnica em Biblioteconomia do Museu, Erika Alíbio. O livro aborda de forma lúdica a preservação de livros. Entendendo aqui o livro como um patrimônio histórico, a oficina, que é uma contação de história, visa aproximar as crianças da noção de preservação de patrimônios a partir daquilo que lhe é mais próximo, o livro didático.

IMPORTANTE: este texto foi originalmente escrito para a XV Jornada de Ensino de História e Educação.

As Aventuras de Biblos: Aprendendo a Preservar

Finalmente desencantou. Agora “As aventuras de Biblos” é realidade. Depois de muitas negociações finalmente saiu a publicação de um pequeno livro de Literatura Infanto-Juvenil,de autoria coletiva – e como sempre alguns contribuem mais do que outros, mas todos contribuíram para a escrita dessa história. Foram sete autores, um ilustrador, algumas reuniões e uma revisão. Depois disso foi para a bibliotecária catalogar, orçamento e projeto gráfico.

Começou pequeno, como um projeto de oficina para complementar as visitas que as turmas de escolares fazem ao Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM). O livro narra a trajetória do livro-personagem Biblos até sua chegada ao MUHM. Aparentemente ficou tão bom que uma publicação foi sugerida. Alguns meses depois o filho nasceu. E o melhor de tudo, a distribuição é gratuita.

Agora estou em Caxias do sul para apresentar o processo na XV Jornada de Ensino de História e Educação. Uma tarefa interessante que vai gerar outras duas publicações: os famosos resumos do caderno de resumos das comunicações e o texto completo nos anais do evento.

É tão bom ver um trabalho dar resultados.

Você cuida bem dos livros?

Não é novidade nehuma que sou fã de Tolkien. E como fã, eu participo do Fórum Valinor. E em um dos tópicos perguntava se os membros cuidavam bem de seus livros. E eu respondi com todo o prazer, pois esse é um assunto que me interessa.

A seguir eu reproduzo algumas partes da colaboração que dei lá no fórum.

Eu trabalho em um museu de Porto Alegre e temos um acervo bibliográfico que conta com uma técnica em biblioteconomia. Eu, ela e mais alguns colegas do setor pedagógico (onde eu trabalho) criamos uma oficina de conservação de livros para crianças, e como material elaboramos o Biblos, um livro que conta sua própria história. Conta como ele fora mal tratado durante sua vida, jogado, rasgado, rabiscado e como ele chegou finalmente ao museu e está aguardando a recuperação pela técnica em biblioteconomia.

O livro é bastante simples, um trabalho coletivo que está sendo catalogado pela Biblioteca Nacional e será distribuido nas escolas daqui. Foi muito bom escrever um livro infantil.

E com esse trabalho eu descobri e melhorei algumas técnicas para cuidar bem de um livro. E elas são bem simples.

01. Limpá-los regularmente (sem panos úmidos ou produtos de limpeza – um pano seco na capa e se estiver muito sujo, use um pincel para lmpar as páginas. Acredite, isso prolonga em muitos anos a vida de um livro).

02. Guardá-los em local seco, sem úmidade, de preferência deixando que eles “respirem”.

03. Não rabiscar (e se for o caso, usar lápis 6B, mais macio e não marca).

04. Não guardar coisas no meio do livro: marca páginas, plantas (flores é costume para muitas meninas), embalagens etc.

05. Não se apoiar no livro durante a leitura.

06. Não abri-lo demais – isso prejudica as costuras que ligam as páginas.

07. Nunca, jamais usar durex ou cola branca – elas contém produtos químicos que mancham as páginas irreverssívelmente.

08. Se for colocá-los em pilhas, não as faça muito grande, o peso prejudica a estrutura do livro.

09. Não dobrar as páginas ou fazer ‘orelhas’.

10. Não comer ou beber sobre o livro.

11. Baús não são recomendados, eles são escuros e úmidos, não tem como respirar em um lugar assim, não é mesmo?

12. Não usar clipes – o metal enferruja, mancha e torna as folhas quebradiças nos locais de exposição.

Cuidar de um livro não é deixá-lo em uma vitrine, intacto, ele certamente terá sinais de uso com o tempo, mas cuidar de um livro prolonga a vida dele em muito anos, e é isso que interessa.

Não deixe o teu livro ficar assim, cuide bem dele.

Ilustração para Biblos: Luciano Thomé.

Dia Nacional do Livro

Praticamente todas as coisas de que gostamos tem uma data comemorativa. E não seria diferente com o livro. Dia 29 de outubro foi escolhido para ser o “Dia Nacional do Livro” porque remonta ao dia da fundação da Biblioteca Nacional, que nasceu com a transferência da Real Biblioteca portuguesa para o Brasil.

E quem gosta de livros sabe o quanto eles precisam de cuidados. Hoje mesmo, na visita que guiei aqui no MUHM, falamos sobre algumas práticas que devemos ter com nossos livros e principalmente com os das bibliotecas. Nos últimos meses nós desenvolvemos uma oficina sobre conservação a partir da história de vida de um livro com proporções maiores do que a habitual que contém em suas páginas sua própria história.

Desenvolvida pela equipe do Setor Educativo do MUHM (da qual eu faço parte) a história de vida do Biblos (nome dado ao personagem) começa com seu nascimento (a compra na livraria) até sua chegada, através de doação, ao museu. Com ilustrações maravilhosas feitas por um colega de curso na faculdade e um texto singelo, as crianças aprendem como manusear seus próprios livros, os tipos de cuidados e aquilo que não devem fazer com eles.

Não são apenas as crianças que precisam aprender sobre como manuseá-los, por isso aqui vão algumas dicas essenciais para manter seus livros sempre em bom estado:

  • evite tirar o livro da estante puxando pela borda superior da lombada;
  • evite folhear livros com as mãos sujas;
  • evite fumar, beber ou comer nas bibliotecas ou mesmo em casa, enquanto lê uma obra;
  • contato permanente com a luz solar faz mal à saúde do livro;
  • evite largar os livros dentro do carro;
  • evite apoiar os cotovelos sobre eles.

E aproveite o resto do dia para ter uma ótima leitura.