Arquivo

Sci Fi

Posts em Sci Fi.

Praticamente Inofensiva, de Douglas Adams

Praticamente Inofensiva

O último livro da trilogia de quatro que na verdade são cinco livros, Praticamente Inofensiva é considerado por alguns um livro que não faz parte da coleção de livros O Guia do Mochileiro das Galáxias, apenas conta uma história com os mesmos personagens. Até entendo um pouco o porque disso, pois o livro aparentemente não tem conexão entre seu início e o final do quarto livro. Mas eu o considero sim parte da trilogia esquizofrênica. Por quê? Ora, pois, é um livro totalmente louco que explora nada mais nada menos do que universos paralelos.

Alguns personagens são deixados de lado, como Zaphod Beeblebrox e Marvin (que morreu no final do quarto livro), mas em compensação temos duas Trillians, Ford, um Arthur Dent que virou fazedor de sanduíche, uma filha e um novo guia. Uma das dimensões é a da Trillian que não foi com Zaphod viajar pelo espaço e ficou na Terra se lamentando por tudo o que poderia conhecer se tivesse aceito ido com ele. No outro universo temos uma Trillian repórter que viaja pelo tempo espaço para trazer notícias novas para todos, Arthur que viaja de planeta em planeta em busca do lugar perfeito para habitar e em busca de Fenchurch (que desapareceu misteriosamente durante um salto hiperespacial), visto que sua amada Terra não existe mais, Ford que está prestes a descobrir uma grande conspiração no Guia do Mochileiro.

Esse volume é definitivamente o fim da série, pois o final do livro é realmente impressionante e o necessário para fechar todos os acontecimentos bizarros e deliciosos que fomos testemunhas durante a leitura. E o final foi também um susto! Foi fechar o livro e ler mais uma vez para acreditar. É claro que Marvin fez falta, assim como Zaphod, mas eu adoro Arthur e achei que nesse livro ele viveu e foi responsável por momentos ótimos.

Esse é também o volume mais melancólico, nostálgico de tempos mais simples. O melhor dessa série é o sarcasmo, ironia, crítica social e a acidez característica de Douglas Adams, isso não faltou, teve de sobra. Portanto, eu não faço parte dos fãs que dizem que esse livro é ruim. Acho sim que em vista dos três primeiros volumes os dois últimos livros são menos bons, mas ainda assim ótimos!

Praticamente Inofensiva
Douglas Adams
208 páginas
Skoob | Submarino

Rating: ★★★★☆ 

Desafio Literário 2011

Esse texto faz parte do projeto de blogagem coletiva Desafio Literário 2011, proposto pelo blog Romance Gracinha. A resenha corresponde ao mês de Abril – MEGA atrasada!!! -, cujo objetivo é ler um livro de Ficção Científica.

Confira no blog do desafio as resenhas dos outros participantes para este mês. Ou descubra quais foram as minhas escolhas.

Participe, comente, leia.

Gostou da ideia? Siga o @DL_2011 no twitter.

Aproveita e segue a equipe do Desafio Literário 2011 no twitter também:

@vivi, @danihaendchen, @queromorarlivr e eu, @clandestini.

Confira as outras leituras feitas para o Desafio Literário 2011:

Janeiro:
Coraline, Neil Gaiman
Memórias da Emília e Peter Pan, de Monteiro Lobato

Fevereiro
Che Guevara – a vida em vermelho, de Jorge G. Castañeda
O que é isso, companheiro?, de Fernando Gabeira

Março
As Brumas De Avalon Livro 1 – A Senhora Da Magia, de Marion Zimmer Bradley
As Brumas De Avalon Livro 2 – A Grande Rainha, de Marion Zimmer Bradley

Abril
O Guia do Mochileiro das Galáxias, de Douglas Adams
O Restaurante no Fim do Universo, de Douglas Adams
A Vida, o Universo e Tudo Mais, de Douglas Adams
Até mais, e obrigado pelos peixes!, de Douglas Adams

Maio
A Última Trincheira, de Fábio Pannunzio
Esqueleto na lagoa verde, de Antonio Callado

Junho
Calabar – o elogio da traição, de Chico Buarque Ruy Guerra

Doctor Who – 06×06 – The Almost People

The Almost People

Depois do morno The Rebel Flesh, temos um episódio em que muitas coisas acontecem e percebemos a ligação dos acontecimentos com a trama que vem se desenhando desde o primeiro episódio. Como é de prache, ficamos cheios de perguntas e quase nenhuma resposta. O desempenho de Matt Smith é o destaque de um episódio que caracteriza quem e como são os doppelgangers e termina com uma revelação mais do que surpreendente.

Would you like a Jelly Baby?

Para começar temos um duplo do Doutor. Isso mesmo, no final do episódio passado o gancho quase óbvio foi a transformação da carne em uma cópia exata do nosso querido Doutor. E logo nos primeiros momentos da cópia, em que ele precisa estabilizar sua forma, ele começa a dizer frases características de Doutores anteriores. Atrapalhado, ele mistura frases e sente dores no processo de estabilização de seu corpo de cópia do 11º Doutor.

Reverse the jelly baby of the neutron flow. Amy would you like a… Doctor?

Matt Smith coloca, em uma performance excelente, uma sutileza entre os doutores, que são eventualmente o mesmo, jogando com as inseguranças de Amy. Em alguns momentos senti a mesma confusão dela na tentativa de descobrir qual era o original e qual a cópia, O que é simplesmente genial, pois sentimos na pele a problemática do episódio: preconceito, estigmatização e ética. Além disso, é angustiante passar o episódio inteiro tentando descobrir se o doppelganger vai se transformar em vilão.

E o episódio que começa com a nascimento de um novo Doutor deixa transparecer uma possível solução para a morte do Doutor no primeiro episódio: a morte de seu doppelganger. Mas a coisa é muito mais complicada do que parece. E esse não é o único nascimento que presenciaremos, meus caros.

Temos algumas histórias paralelas nesse episódio. A primeira delas é a dos Doutores tentando sair da fábrica vivos diante da ameaça das cópias. Para isso eles planejam coisas mirabolantes. Outra história é a de Rory, que simpatiza com a liderança dos doppelgangers e se deixa enganar por ela. A história dele é muito bacana por duas razões. Primeiro que ele nos guia para os motivos da revolta das cópias, pelos seus sentimento – de querer o estatuto de ser humano – e a revolta pela maneira como vêm sendo tratadas. Segundo porque ele aprende uma lição valiosa: confiar no Doutor acima de tudo! Eu sempre espero muito do Rory, Arthur Darvill tem sido incrível na série, e eu sempre espero por um grande momento dele em todos os episódios. Afinal, ele esperou 2.000 anos do lado de fora da Pandorica por Amy.

A terceira história é o dilema moral colocado na existência dos gangers. Quando Jennifer diz em voz alta “quem são os verdadeiros monstros?” o dilema está posto e qualquer um pode entender. Quer dizer, ali está colocada uma questão importantíssima para entender as motivações dos gangers nesse episódio e no anterior. Além do mais o Doutor, por saber do dilema, deixa claro que a questão não pode estar centrada na vingança, que juntos eles poderiam fazer muito mais. E podemos fazer um paralelo com a maravilhosa e saudosa Battlestar Galacttica e seus cylons. Cleaves lembra a Number Six, manipuladora que acaba seduzida pela simpatia humana – convencida de que a união é melhor. Jennifer lembra Boomer, a boazinha que assume uma missão de vingança que julga justa e acaba indo longe demais. No entanto, é possível perceber certa instabilidade não só na aparência física, mas nas personalidades dos gangers, pois todos, com excessão de Jennifer, mudam de lado com muita facilidade.

Outra história é o conflito de Amy com a existência de uma cópia de seu amado Raggedy Doctor. E o Doutor precisa que ela confie em ambos. Enfim, a trajetória de Amy no episódio leva a uma reviravolta estupenda que explodiu minha cabeça! Descobrimos uma parte do que aconteceu com ela e sua gravidez… Grandes segredos, muitas perguntas e muitas teorias nos aguardam para episódio desse sábado que tem gosto de season finale.

Doctor Who – 06×05 – The Rebel Flesh

The Rebel Flesh foi o episódio mais fraquinho até agora nessa temporada de Doctor Who. Foi apenas a apresentação de alguns personagens e principalmente a apresentação da “Flesh”, ou carne.

The Rebel Flesh

O Doutor, Amy e Rory chegam na Terra dos século XXII e encontram uma usina funcionando em um antigo mosteiro e um pequeno grupo de seres humanos a operando de extração de produtos químicos e altamente perigosos. Para minimizar o perigo para si mesmos, eles criam clones feitos de uma substância semelhante ao plástico, “gangers” (abreviação de doppelganger) que fazem o trabalho real. E para criarem seus clones eles usam uma substância branca que se além da aparência fícia, copia as memórias de seus originais. Além disso as cópias permanecem “vivas” apenas enquanto originais estão em um estado de sono, conectados a uma máquina que lhes permite controlá-las. Enquanto fazem seus clones, no entanto, a Terra é atingida por uma tempestade solar que dá vida própria para as cópias.

O episódio é basicamente para mostrar o conflito ético que se estabelece com as cópias saindo por aí, com poder de decisão e as memórias dos originais. A relação conflituosa ocorre porque os gangers claramente não estão dispostos a aceitar o status limitado que tinham anteriormente e insistem em ser tratados como seres conscientes, por direito próprio. O Doutor se coloca como mediador nessa situação complicada e tenta argumentar na nova vida que ali foi criada contra a primeira ordem dos seres humanos de exterminar as cópias. O interessante do episódio é justamente a crítica ao desenfreado progresso da ciência que muitas vezes cria novas tecnologias para facilitar nossas vidas e, entretanto, deixa de lado os problemas éticos que podem acarretar futuramente.

A história demorou para arrancar, estava tudo muito lento, apesar do carisma da de Rachel Cassidy, que interpretou Cleaves, que conseguiu criar uma empatia logo no primeiro episódio. Mas mesmo parecendo um episódio comum, ele serve de base para sua continuação, The Almost People. O episódio parecia desconecto com a trama que vinha se desenhando (da gravidez de Amy, da morte do Doutor do futuro, da mulher do tapa olho), mas o final revela que na verdade teremos mais revelações! Uma pena que o gancho para o próximo episódio já parecesse um tanto óbvio desde a metade do episódio. Eu já sabia que a “carne” se transformaria em alguém importante…

Doctor Who – 6×04 – The Doctor’s Wife

The Doctor's Wife

Doctor Who + Neil Gaiman = minha cabeça explodindo!

Muitos estavam ansiosos pelo episódio escrito por Neil Gaiman e eu também nutria muitas expectativas. E como fiquei feliz e impressionada quando vi. Neil mexeu com nossas cabeças de todas as maneiras. Ele transformou a TARDIS em uma mulher – a essência da TARDIS foi parar na cabeça de uma mulher, Idris -, fez um asteroide que é praticamente um ouriço do mar (feio e duro por fora e melequento por dentro) possuir a TARDIS nave, sem sua essência, deu um dos momentos mais bacanas para Amy e Rory (e olha que esse casal sempre tem momentos brilhantes!). O episódio contou uma história simples e genial. Cheio de momentos surreais e diálogos sensacionais.

O Doutor recebeu uma correspondência que o deixou cheio de esperanças. Um pedido de socorro de outro Time Lord, um dos bacanas. Ele fica tão excitado com a ideia de ainda existir outros Senhores do tempo por aí e resolve ir atrás deles fora do Universo. Ele chega em um asteroide, o Lar, e conhece uma dupla esquisitona, um Ood e uma mulher louca. Quando ele conserta o transmissor do Ood ele capta muitos pedidos de socorro de muitos Time Lords e pensa que eles estão ali, vivos. Num dos poucos momentos com o 11º Doutor em que o passado dele é mencionado, Amy pergunta se ele quer ser perdoado. “Sim, e quem não quer”. Essa é a resposta do Doutor. Um momento realmente emocionante. O Doutor em busca de perdão por tudo o que fez para os da sua espécie.

O episódio todo foi muito bonito. O Doutor podendo conversar com a TARDIS pela primeira vez e ouvindo que ele a roubou, mas que ela também roubou ele. Ela queria viajar pelo tempo espaço (afinal ela já era peça de museu, literalmente) e roubou o único Time Lord louco o bastante para que ela possa conseguir sua aventura. Essa contribuição de Gaiman para a mitologia da série é uma das melhores. Uma relação tão intensa, que já dura anos foi finalmente transformada em palavras e foi possível perceber a ternura e o amor que ligam essa dupla inseparável. Pois é, The Doctor’s Wife é um belo título e resume lindamente a relação desses dois. Idris/TARDIS/Sexy é quase um personagem de Tim Burton.

Suranne Jones, que interpreta Idris/TARDIS/Sexy, e Matt Smith fizeram do excelente roteiro de Gaiman ainda melhor. Eles transformam cada diálogo escrito por Gaiman em momentos absolutamente incríveis. Amy disse que sempre foi o Doutor e sua TARDIS, o maluco e sua caixa. E a maneira como isso foi retratado foi simplesmente lindo. Mas o mais importante é que traz algo novo para o personagem e muda a relação entre os dois para sempre.

Amy e Rory ficam presos na Tardis possuída e o Lar começa a brincar com a cabeça deles. E Rory é um dos destaques do episódio. Ele me assustou numa das cenas depois de envelhecido por 2000 anos mais uma vez esperando esperando por Amy e começa a gritar com ela, que não entende nada, pois o tempo para Amy passou apenas em alguns segundos. OH MY GOD THEY KILLED RORY AGAIN!!! Momento deixem o pobre do Rory vivo por um episódio inteiro ou eu ficarei desidratada para sempre.

The Doctor's Wife - Amy chorando por Rory

Com o casal correndo pela TARDIS foi possível ter a dimensão de como ela é mesmo maior por dentro! Ela tem milhares de cômodos e corredores, mas eu fiquei com vontade de ver cômodos e não apenas corredores. Mas os corredores contribuíram para a ideia de labirinto que foi bem útil na brincadeira maligna do vilão que sequer mostrou o rosto. E foi tão bacana ver uma das antigas salas de controle, se não me engano é do 10º Doutor…

O asteroide que é também um ferro velho de TARDISes – e a solução insana e perfeita do Doutor para desvendar esse mistério -, a superação de ambos os casais e os momentos finais fizeram desse episódio mais um brilhante feito de Neil Gaiman. Para os fãs da série (EU!) é perfeito, para os fãs de Gaiman (EU também!) também.

Dollhouse – Season Finale: ‘Epitaph Two: Return’

Dollhouse – Epitaph Two: Return

Dollhouse – Epitaph Two: Return

Dollhouse – 2×13 – Epitaph 2: Return – 9,5

Exibido originalmente no dia 29 de Janeiro de 2010. Escrito por Maurissa Tancharoen, Jed Whedon e Andrew Chambliss e dirigido por David Solomon.

A saga da  “Dollhouse” chegou ao fim. Mostrando a burrice da audiência estadunidense em deixar uma série tão boa e com potencial para ir ainda mais longe tivesse um cancelamento tão prematuro.

Só não dou um 10 bem lindo para esse último episódio porque algumas questões ficaram sem respostas (questões pequenas que só eu mesmo pra ficar matutando), mas de resto o episódio foi perfeito. Joss mostrou mais uma vez que ele pode fazer você se preocupar com qualquer personagem na tela, assim como fez inúmeras vezes com Firefly, Buffy. Acho que foi o melhor final que Joss e companhia poderia nos dar, considerando o tempo e os limites financeiros.

Dez anos se passaram desde a morte de Boyd Langton e da destruição da sede da Corporação Rossum. O episódio é a sequência dos acontecimentos de “Epitaph One” – o “episódio perdido” da primeira temporada – trazendo Mag (Felicia Day), Zone (Zack Ward) e mini-Echo (Adair Tishler) face a face com a “verdadeira” Echo (Eliza Dushku).

Dollhouse - Epitaph Two

Dollhouse - Epitaph Two

Tucson, a cidade “quartel general” da Rossum, agora é Neurópolis. As pessoas são tratadas como mercadorias, elas são capturadas para os líderes da Rossum poderem escolher o corpo que preferem para si. Repugnante. Além disso eles acumulam uma série de objetos como prataria, obra de arte e toda a riqueza que podem ter por perto. Eles mantém um refém muito importante, Topher (Fran Kranz), que tem a missão de construir um dispositivo que “apagaria” o mundo todo de uma só vez.

Continue lendo →

Dollhouse – recapitulando a segunda temporada (parte 2)

Dollhouse

Dollhouse

Retornando com a saga de Dollhouse depois de tanto tempo. Ainda não consegui me recuperar desse cancelamento. Mas uma hora teria de encarar e voltar a escrever sobre a série. Segue então a segunda parte dos breves comentários sobre a segunda e última temporada de Dollhouse.

Dollhouse – 2×9 – Stop-Loss – 9,0

Exibido originalmente no dia 18 de Dezembro de 2009. Escrito por Andrew Chambliss e dirigido por Félix Enríquez Alcalá.

Um episódio bastante sólido, onde descobrimos outras ramificações dos projetos da Rossum. A corporação investiu sua tecnoologia em um grupo paramilitares e descobrimos isso quando Anthony, após o término de suas obrigações para com a Dollhouse tem sua memória original reimplantada e logo que ele sai da Dollhouse é sequestrado pelos seus antigos colegas de exército.

Um episódio que mostra o passado do personagem e de como a Dollhouse se apodera das pessoas de uma maneira que o desligamento total é quase impossível. Um epiódio que mostrou resultados positivos para a mitologia da série. E é bacana quando começamos a ver que diferentes ativos começam a reter uma parte de algo que supostamente teria sido apagado, mesmo que seja lembranças ou impressões.

Dollhouse - Stop Loss

Dollhouse - Stop Loss

Dollhouse – 2×10 – The Attic – 9,5

Dollhouse - The Attic

Dollhouse - The Attic

Exibido originalmente no dia 18 de Dezembro de 2009. Escrito por Maurissa Tancharoen e Jed Whedon e dirigido por John Cassaday.

Um daqueles episódio de deixar tonto. Quando tudo parecia encaminhado para um lado, uma reviravolta mirabolante é jogada nas nossas mãos e ficamos com aquela sensação dedesmoronamento. Mais um pouquinho de Caroline, uma aventura pelo tão falado Sótão, uma conspiraçãozinha ali e finalmente a resistência. Um episódio que reúne tudo isso não poderia ser outra coisa senão maravilhoso.

Além da continuidade e conexões na mitologia, este episódio é também um dos episódios mais visualmente impressionante de Dollhouse. O diretor convidado (John Cassaday, que trabalhou com Joss em “Astonishing X-Men“) tinha um sentido claro de comunicação visual, e as imagens ajudaram a comunicar o caos familiar no centro do sótão.

Continue lendo →

Dollhouse – recapitulando a segunda temporada (parte 1)

Dollhouse

Dollhouse

A segunda temporada de Dollhouse foi ainda melhor do que a primeira (e olha que a primeira, apesar dos altos e baixos, foi bem boa). Já escrevi sobre os quatro primeiros episódios da temporada aqui no blog, e agora segue meus modestos comentários sobre os episódios restantes.

Dollhouse – 2×5 – The Public Eye – 8,0

Exibido originalmente no dia 04 de Dezembro de 2009. Escrito por Andrew Chambliss e dirigido por David Solomon.

O destaque desse episódio são as intrigas, as mudanças de direção e as surpresas. Echo é enviada para Washington, DC, com a missão de parar o senador Daniel Perrin antes que ele possa expor os segredos das Dollhouse’ – e por tabela os segredos da Rossum. Adelle e Topher também vão para a Dollhouse de Washington, DC, onde se encontram com a a programadora genial, Bennett Halverson (Summer Glau), uma mulher com uma ligação misteriosa ao passado de Echo e sua personagem foi um deleite para assistir. As reviravoltas todas que ocorrem na vida do Senador e com Echo ora no seu encalço, ora ajudando-o, muito bacana.Um episódio que misturou de forma bastante interessante a mitologia da série com as histórias individuais dos compromissos dos ativos. Muitas respostas foram reveladas, mas uma série de  outras questões foram levantadas.

Continue lendo →